10 filmes sobre paternidade

já postamos aqui anteriormente uma lista de 10 filmes sobre gravidez/maternidade, mas agora chegou a vez dos papais.

com certeza a relação de um ser humano com o seu pai é um dos relacionamentos mais importantes da sua vida. supostamente o pai deveria nos ensinar sobre a arte de ser um homem com H maiúsculo e estar sempre lá como um mentor para nos guiar amorosamente para a vida adulta.
pelo menos é o que toda criança espera, mas é claro que na vida real o relacionamento entre pai e filho raramente é simples. muitos pais são ausentes e fechados e na velhice tornam-se pessoas incríveis e amorosas, outros são como verdadeiros super heróis!  não é de admirar que uma relação tão cheia de esperança, anseio, ressentimento, alegria e tristeza tenha gerado ótimos filmes.

lembro que antes de me tornar pai sempre me identificava com a história dos filhos. hoje assistindo, uma película que aborda este tema, a figura paterna ali representada não é mais o meu pai e sim eu mesmo, como um reflexo dos meus anseios, medos e atitudes.

ok, chega de blá, blá, blá e eis a lista:

Peixe Grande – centra-se na relação tensa entre pai e filho – Ed e Will Bloom. Ed é um homem que adora contar um monte de loratas histórias sobre seu passado. Will, filho de Ed, acha que seu pai está cheio de si e não está a altura dos seus causos. Will sente que não pode confiar em seu pai e, eventualmente, para de falar com ele por vários anos. mas quando ele descobre que seu pai está morrendo, ele retorna para casa para começar uma viagem que o levará a descobrir quem seu pai realmente é, um processo que lhe permite fazer as pazes com o velho. o fim do filme é demais! se você não viu, não vai rolar spoiler aqui não! assista!

 

Campo dos Sonhos –  até onde vai o querer de reconciliação de um homem? quando jovem, Ray Kinsella tinha uma relação tensa com seu pai desde o momento em que se recusou a jogar bola com ele, uma decisão que ele se arrependeu desde então. agora crescido, e seu pai falecido, Ray tornou-se um fazendeiro de Iowa. certo dia uma voz lhe diz: “se você construir, ele virá”, e Ray obedece e c0meça a construção de um campo de beisebol em seu milharal. a voz continua a guiar Ray e, após uma série de eventos misteriosos e sobrenaturais, ele é capaz de fazer as pazes, jogando uma simples partida com seu finado pai.

 

Estrada para Perdição –  todo menino quer ser como seu pai quando crescer, mas o que  fazer quando ele não é um bom exemplo? Michael Sullivan (Tom Hanks) é um assasino e guarda-costas da máfia que deve proteger seu filho de seu ex-patrão (com quem teve sua própria quase relação pai/filho), que matou o resto da família Sullivan. Em uma missão de vingança, Sullivan chama seu filho para uma vida de crime, mas espera que ele tome um caminho diferente.
como Hanks coloca, “Se você é um homem, e você tem filhos … é emocionalmente devastador.”

 

Os Donos da Rua – Laurence Fishburne interpreta Furious Styles, um pai durão tentando criar seu filho rebelde, Tre, nas ruas de Los Angeles. Furious dá a seu filho muito amor, mas também fornece-lhe um bom exemplo do que significa ser um pai e, mais importante, um bom homem. Os Donos da Rua nos ensina que não há nada como a influência de um pai para moldar um menino em um homem que faz a coisa certa.

 

Procurando Nemo – um filme sobre paternidade para ser visto com os filhos.
Marlin é um pai viúvo que perde sua esposa e seus 400 filhos (ele é um peixe!) no ataque de uma barracuda. seu único filho sobrevivente é Nemo, um pequeno  e teimoso peixe-palhaço que está frustado com seu pai neurótico e superprotetor. apesar dos esforços de Marlin para vigiar Nemo, este acaba ser perdendo e o resto do filme o pai passa, bem, procurando Nemo (ahahah!). O amor de Marlin por seu filho transcende espécies. Até os pais humanos podem se emocionar com este filme de  animação.

 

Minha Vida – talvez seja o melhor e mais subestimado filme sobre paternidade de todos os tempos. Michael Keaton interpreta Bob Ivanovich, um homem que descobre que tem câncer terminal logo após sua esposa ficar grávida. sabendo que não verá seu filho crescer, Bob faz filmes caseiros de si mesmo para o filho assistir quando crescer. em alguns dos vídeos, Bob lê histórias para dormir e, em outros, ensina habilidades importantes como fazer a barba e apertar as mãos. conforme Bob se aproxima de sua morte, ele também começa a se reconciliar com seu próprio pai, com quem teve uma relação tensa.

 

O Poderoso Chefão – na sua essência, o Poderoso Chefão é sobre a luta de um homem em aceitar e, eventualmente, viver de acordo com o legado do seu pai (mesmo que esse legado não seja a coisa mais nobre e muito menos honrosa). você pode incorporar um monte de grandes conhecimentos sobre paternidade ao assistir toda a trilogia, mas o mais emblemático vem de Don Corleone: “um homem que não gasta tempo com sua família nunca pode ser um homem real.” seja um homem. passe algum tempo com os pequenos. e não se esqueça dos Cannoli.

 

Uma Babá Quase Perfeita – impedido pela ex-esposa de passar mais tempo com os filhos, Daniel Hillard (Robin Williams) tem uma idéia inusitada: veste-se de mulher para pleitear o cargo de babá em seu antigo lar.
a primeira vez que vi este filme foi com meu pai. ao acabar, tive uma reação muito ruim: chorei e pensei que aquela história era absurda e que nenhum pai se portaria de tal maneira, afinal meu pai havia se separado da minha mãe e nunca tentou sequer usar uma peruca que fosse para se aproximar de nós. hollywood pode ser cruel com você até mesmo numa comédia.

 

Um Tiro Que Não Saiu Pela Culatra – adaptado de uma série americana de mesmo nome, este filme mostra as lutas (muitas vezes engraçadas) de ser um pai em nosso louco mundo moderno. o personagem de Steve Martin, Gil Buckman, é um pai que muitas vezes se vê levado a ser super dedicado por conta de sua insatisfação com sua própria infância. o esforço de Gil para ser um bom pai muitas vezes cruza a linha do neuroticismo mas, no decorrer do filme, ele aprende a relaxar. ao ver o filme você pode rir, torcer e chorar ao se identificar com os personagens e seus problemas.

 

À Procura da Felicidade – Baseado na história verídica do atual multimilionário Chris Gardner, À Procura da Felicidade retrata a dura luta diária de Chris contra o desemprego e o desespero de tornar-se um sem teto.
a história mostra até onde um pai pode ir por seu filho.
o que torna o filme ainda mais emocionante é que Chris Gardner e o pequeno Chris, seu filho, são interpretados na vida real por Will Smith e seu filho Jaden.

… já pensando numa parte II. sugestões?

Related Posts with Thumbnails

23 comments

    1. verdade! meu namorado, que nem é pai ainda, ficou MUUITO tocado com esse filme, mais que eu, por isso presumo que a temática paterna atinja verdadeiramente os homens.
      esse filme tem uma coisa muito forte, pq o pai precisa proteger o filho dos canibais (é, tem isso) mas precisa também manter a ética e ser exemplo pro menino… enfim, eu achei muito bom

    1. Nossa, tb acho À procura da Felicidade super triste, só de lembrar da cena no banheiro do metrô meus olhos enchem de lágrimas, e qdo o menino perde o bonequinho então… fico com dó. Mas meu marido adora, pq na verdade é um cara que venceu na vida por méritos prórpios. E amoooooo Nemo!!!

  1. Eu gosto do Um Grande Garoto (About a Boy). O Hugh Grant nem é o pai do menino, mas torna-se essa figura ao longo do filme… é fofo e mostra outros tipos de paternidade!

    Agooora, Procurando Nemo e o À procura da felicidade… eu chorei MUCHO, acho lindos!

    beju!

  2. Faltou um clássico dos clássicos: A Vida é Bela! O filme da segunda guerra em que o pai faz simplesmente de tudo pro filho sobreviver num campo de concentração (além de fazer o filho acreditar que está tudo bem)..

  3. eu vi o título do post e já fui logo me lembrando do filme a vida é bela.. é um filme emocionante, o pai sofrendo na guerra fazendo de tudo para que o filho se sentisse bem, fazia de tudo uma palhaçada para alegrá-lo e acreditar que estava tudo ótimo e concordo com o comentário acima: é um clássico dos clássicos

  4. Nossa, pensando em quantos filmes essenciais faltaram à lista me dei conta da quantidade de filmes sobre paternidade. Pena que isso não se repete com a maternidade.

    A vida é bela

    O juiz

    Tantos outros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *