20 de abril

agnaldo timóteo II

por hilan diener

{dicas de etiqueta para pais}

depois do post nem filho, nem desfilhos, muitos comentários surgiram. de proposta de sociedade a participação nos royalties na comercialização de um folder – com as dicas de etiqueta para não pais – e até algumas pessoas raivosas sugerindo que os pais/mães também deveriam ter um post especialmente para eles. afinal a grande maioria tem falta de noção  dificuldade de ouvir sugestões ou críticas.
sem mais delongas seguem abaixo algumas dicas para você ser um pai/mãe ainda mais bacana:

1) pare de falar do seu filho o tempo todo. 

esse sou eu. tenho que admitir. eu falo do benjamin a toda hora: ele fez isso hoje, ele falou tal coisa, o coco dele tá meio verde, você precisa ver que coimarlinda. o benjamin, o benjamin, BLA, BLA, BLA, BLA! agora fico pensando que as pessoas que convivem um pouco comigo realmente devem estar de saco cheio ou achar que eu sou um pouco exagerado. na melhor das hipóteses devem de chamar de papai coruja dos infernos.
mas a coisa pode piorar e muito se você começar a comparar seu filho com o dos outros. por exemplo: meu filho com 5 meses já tava andando e falando. o seu ainda não?? como assim? meu bebê já participou de corrida de engatinhamento 100 metros rasos e ganhou!!! e ele tinha só 3 meses e o seu não? putes! aí você será realmente odiado.

2) evangelismo paterno/materno ou conversão a paternidade/maternidade

eu li em algum lugar falando que quando uma pessoa tem filho é semelhante a aquela primeira pessoa que pula na água fria da piscina. depois que ele pula e passa o congelamento inicial fica enchendo o saco da galera: a água tá ótima! pode vir galera, entra, entra! pode entrar! entra PELO AMOR DE DEUS! não quero ficar aqui sozinho! basicamente é assim que muitos pais e mães fazem com quem ainda não tem filhos. ficam tentando converter a pessoa para o lado paterno da força.
ok. admito: já fiz isso também. só porque você ama crianças e se empolgou com o lance todo de paternidade não quer dizer que todo mundo seja assim também.
sabia que existem pessoas que não querem nem pensar em ter filhos? é mais normal que tomar água.

outra modalidade versão avançada é ficar pressionando os que já são pais e terem mais filhos, por exemplo: mas vocês vão ter só um? filho único não é bom! tenha mais um ou dois! quem sabe rola um casalzinho? né?  casalzinnnn é tão ounnnnn, fofo!

 3) metralhadora de conselhos  

uma dia desses eu tava notando: a luíza tem uma amiga no facebook que basta ela publicar qualquer coisa (comentário, post, foto, o que seja) que a mulé já vem com um comentário/conselho. não basta comentar, tem que mostrar o quanto ela é sabida na arte da maternidade. sério. a impressão que dá é que realmente eu NÃO SEI COMO MEU FILHO ESTÁ VIVO ATÉ HOJE SEM A AJUDA DESSA PESSOA. to quase pagando uma mensalidade escolar para ela, porque não tá fácil, gente.

pior é quando, num geral, a pessoa foi mãe trezentos anos atrás e está um pouco desmemoriada  desatualizada de algumas coisas e quer de todo jeito te ajudar a cuidar melhor do seu filho. dia desses eu ouvi que leite moça é um bom substituto para leite materno. hahaha! cerveja também!

4) quem é mais zumbi? 

a famosa competição pra saber quem está mais cansado (até aqui em casa rola isso às vezes).
eu sei que não é fácil cuidar de bebê, dá um trampo enorme, cansa e desgasta. principalmente para as mães que amamentam ou quando o bebê fica doente.
e acho normal comentar que está com sono ou cansado, mas quando vira uma ladainha sem fim, enche o saco de qualquer um, principalmente de quem não tem filhos.
sinceramente, vai adiantar alguma coisa você dizer que está cansado? acho que vai te cansar mais ainda.

5) fique em casa 

há um tempo nosso filhote ficava doente quase todo final de semana. sempre que isso acontecia nós não saímos de casa ao encontro de outras crianças. mentira. mas evitamos o máximo que dava.
afinal, ninguém merece filho doente por causa de filho doente dos outros.
quando íamos encontrar com alguém com filhos, avisávamos que não dava pra ir porque a cria estava dodoi.
se o pai ou a mãe não se importassem, então levávamos a criança remelenta mesmo.
só pra ficar bem claro: se seu filho está doente e você for sair assim mesmo, avise antes ou adie o compromisso! não leve ele pra cima dos outros gratuitamente (a não ser que queira se vingar de alguém ou que estejam indo para um bazar de troca de germes novos e usados).

6) seja firme com sua criança e me inclua fora dessa

eu não sei vocês, mas já vi isso acontecer muito. comigo e com outras pessoas. tá lá a criatura malcriada tocando o terror por algum motivo X, no parquinho, na festa, no restaurante ou numa casinha de sapê e aí o paizinho ou a mãezinha, fala pro rebento rebelde:

– filho não faz assim! olha que a moça briga com você, ein?!

– filho que coisa feia, o tio não tá achando legal não… nunca mais ele vai querer que você venha aqui.

reconhecem? pois é. você é o progenitor dessa criança! não sou eu que não está achando legal, é você! seja firme com seu filho e repreenda ele por você mesmo. não use outra pessoa para justificar a falta de limite dele ou sua falta de autoridade.

bônus: me confundo um pouco quando os pais chamam o filho de “papai” ou “mamãe”. os filhos também devem se confundir um pouco também. já viram isso? o pai da criança falando com o filho:

– ô papai, cuidado! aí não, papai!

– ô mamãe, não faz isso. mamãe tá com sono né? tá enjoadinha.

anexo importante: objetos inanimados são inanimados por um motivo: eles não têm vida, são isentos de vontade própria e nem sabem elaborar planos maquiavélicos.
portanto, se seu filho meter a cabeça na quina de uma mesa, nada de dar um tapinha na mesa e falar “mesa feia! fez dodói no pedrinho!”
também não vale se sua menina cair de boca no chão e você disser: “chão bobo! quebrou o dentinho da audrey!”

nem tudo nessa vida é questão de culpa. a criança caiu porque tropeçou e pronto. ia fazer o quê? tirar o chão de lá? desse jeito você ensina a criança a sempre lançar a culpa de atos aleatórios (às vezes até propositais) em terceiros.
bela fuga, ein?

7) brinquedos e comidas são amigos

vai sair e ficar um bom tempo fora de casa? sabe que em algum momento seus pequenos podem cansar e começar um surto psicótico?

aí vão dois truques que costumam funcionar bem pra boa parte das crianças e bebês:

    • brinquedinhos apropriados (ou não): novidades sempre são interessantes. escolha alguns brinquedos novos ou que seu filho não vê há tempos e guarde na bolsa como coringa. na hora do aperto é só sacá-los. os inapropriados são ainda mais eficientes: potes, colheres de metal, celulares, chaves chiquinhas e seus madrugares podem cessar um prelúdio de berreiro e evitar alguns constrangimentos em público.
      pros maiores é até mais traquilo. às vezes um papel e uma caneta já são suficientes para entretê-los por muito tempo.
    •  belisquetes: não precisa entupir a criança de chocolate. é só andar munido do que ela gosta de comer e que seja tranquilo de carregar na bolsa. se tiver mais de seis meses já valem algumas coisas: uvas sem semente (vale até passinha, com moderação), palitinhos de cenoura cozida, biscoitinho de polvilho, dramin (ou o que ele puder comer) e por aí vai.

8 ) o mundo não vai acabar

eu sei que a maioria dos pais gostaria de ser 100% assertivo em tudo e nunca errarem, mas ninguém é perfeito não é? então se o seu filho vez o outra fez uma coisa que você não gostou ou os planos que você tinha para ele não derem certo, não se culpe tanto. o mundo não vai acabar se ele sair um pouquinho da rotina ou se der aquele chilique homérico no shopping. keep calm and carry on. 
valeu, agnaldo!
abração!
Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , , , , , , , educação, erros comuns, erros comuns, pai feito, para papais

assine nosso feed ou receba por email


43 Comments »

  1. Parabéns pelo blog. Amei o post… O item 6 acontecia sempre comigo e eu sempre disse para o pai/mãe (fujão da bronca que deveria ser dada) num é comigo não! …agora sou mãe e essas "regras de etiqueta" estão sempre comigo e outras mais. Mas nem sempre dá, né??? Gosto muito de vocês!!!

    Comentário by Ana Cecília — 20 de abril de 2012 @ 9:41 am

  2. obrigado! volte sempre!

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 10:13 am

  3. Ótimo post ! Acrescentaria mais um item: Não faça d mim sua babá involuntária ! Explico: Não tenho filhos mais AMO CRIANÇAS ! Muito comum quando minhas amigas/primas chegam com seus rebentos eu pegar no colo (com autorização/empurrão da mãe) e ficar um pouco com eles. Até pq a pobre precisa ir ao banheiro, comer, conversar um pouco…não me importo mesmo, MAS DAI A JOGAR A CRIANÇA NO MEU COLO O EVENTO INTEIRO?? Juro que mais de uma vez me senti a babá contratada para cuidar do filho alheio enquanto os pais esqueciam do garoto. Eu ia fazer oque…largar o bebê no chão e sair correndo ??

    Comentário by Patricia Borges — 20 de abril de 2012 @ 9:47 am

  4. tenso! comece a cobrar mensalidade ou diária.

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 10:13 am

  5. HAHAHA
    bah, eu faço isso com os outros as vezes! hahaah ;p
    mas vlw a dica.
    absorvi!

    Comentário by Mamãe do Otávio — 20 de abril de 2012 @ 4:01 pm

  6. muito bom!

    eu peco na competição de ser a mais fodida ever, mas tem melhorado agora que o linus deixou de ser nenezico ele é na verdade bem tranquilo!

    mas eu sempre reclamei demais! rs

    Comentário by carolina — 20 de abril de 2012 @ 10:07 am

  7. reclamar é quase um esporte! hahaha

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 10:13 am

  8. Ótimo post, já conseguiu me deixar bem avisada para não fazer essas coisas agora que vou ser mãe. Adorei! =)

    Comentário by Vivian — 20 de abril de 2012 @ 10:07 am

  9. legal! 🙂

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 10:13 am

  10. Realmente muito bom! Serei mãe pela primeira vez e, acho que algumas pessoas acabam “estragando” esse momento com os “conselhos”, competições e as reclamações do quanto estão cansada “e pra eu me preparar”… Não tenho ideia de como vai ser, como vou reagir, mas se não querem me ajudar, não atrapalhem, né!?!

    O site dá “dicas” divertidas e “conselhos” suaves! Visito sempre. Byjs

    Comentário by Isangela — 20 de abril de 2012 @ 10:52 am

  11. ahuahuahuahua desculpa, mas eu morri de rir imaginando se vc gesticula as "aspas" enquanto fala!
    ahuhuahauhuaahuhuahuahuahuahuaah

    Comentário by Moema =D — 20 de abril de 2012 @ 9:46 pm

  12. meudeusu, eu me vi em TODOS os itens. Mas as olimpiadas do cansaço, realmente, ADORO praticar.
    ai ai ai

    Comentário by Carol — 20 de abril de 2012 @ 10:57 am

  13. carol vc é mt comédia! hahaha

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 11:08 am

  14. Muiiiiiitoo bom, perfeito!!

    Comentário by Renata Rocha — 20 de abril de 2012 @ 11:07 am

  15. Adorei!

    Mas… tem pai que chama o filho de "papai"? Ou entendi errado? Ou é com o companheiro isso?

    E isso de culpar o chão, a lua e as estrelas, já vi muuuuuuito.

    Parabéns!

    Comentário by Silvana — 20 de abril de 2012 @ 12:46 pm

  16. tem pai que chama o filho de PAPAI, papito, papizinho.

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:05 pm

  17. Pois isso foi estrategia do marido. Falava tanto papai, em começo e fim de frase, chamava o baixinho de papai e tals: primeira palavra dele foi PAPAI!
    E meu filho briga com a mesa, a porta, a cadeira, etc… mas não chora. Se concentra em "quem o machucou" hahahaha

    Comentário by Ariana — 21 de abril de 2012 @ 1:12 am

  18. Sou uma mãe completamente mal educada, Jesus Cristo!
    E o pior é que é consciente: sou super praticante dos itens 1 e 2, apesar de saber que é invasão, chatice, falta de respeito. Eu não consigo me controlar!
    E semi-praticante do item 4, porque eu não fico competindo, apenas comento a respeito do cansaço, tipo: "Nossa, minha filha não dormiu nada essa noite, tô acabada"…mas com uma frequência acima do aceitável.

    E agora, gente? Tem jeito pra mim? kkkkkkkkkkkkkkkk

    Adorei o post!

    Comentário by Helen — 20 de abril de 2012 @ 1:07 pm

  19. tem jeito sim! hahahah só não tem jeito pra morte o resto tá valendo! obrigado!

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:06 pm

  20. Muito bom!!! Precisa mesmo passar isso adiante!!! kkkkk

    bj

    Comentário by Carol Meoli — 20 de abril de 2012 @ 2:56 pm

  21. legal!

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:06 pm

  22. MUITO MUITO BOM. IMPECÁVEL.
    E adorei a comparação da piscina: "depois do susto inicial com a água gelada, começa a agitar a galera pra vir que a água tá ótima" hahahahahaha bom demais!!!
    Beijos

    Comentário by Roberta Lippi — 20 de abril de 2012 @ 3:38 pm

  23. obrigado roberta! vc tá sempre aqui rindo né? hahahaha

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:06 pm

  24. cê vê? venho aqui pra me divertir. Quer coisa melhor???

    Comentário by Roberta Lippi — 20 de abril de 2012 @ 6:33 pm

  25. ADOREI, Hilan, tá sensacional E choray de rir com o item 6, dá uma raaaaaaiva quando ouço isso, afe! Dá vontade de botar estes pais no cantinho do castigo e esquecer do relógio.
    Beijos

    Comentário by Paloma — 20 de abril de 2012 @ 4:01 pm

  26. leitora da eslovênia… quanto prestigio! obrigado!

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:07 pm

  27. hahaha
    adorei! muito criativo Hilan!
    parabéns!

    Comentário by Mamãe do Otávio — 20 de abril de 2012 @ 4:02 pm

  28. obrigado!!!

    Comentário by HilanDiener — 20 de abril de 2012 @ 4:07 pm

  29. muito bom, mas como não sou mãe só me identifiquei com o ótimo item 6, principalmente o "não use outra pessoa para justificar a falta de limite dele ou sua falta de autoridade." vivem fazendo isso comigo, e a gente acaba ficando como a pessoa má, sem coração, brava, chata etc. dá até vontade de imprimir e dar para essas pessoas sem noção lerem.

    Comentário by Jussara — 20 de abril de 2012 @ 8:02 pm

  30. A da água gelada foi a melhor. A da metralhadora de conselhos foi a segunda melhor, parece uma vez que me pai foi visitar em BH, na época da faculdade, e ficava palpitando na minha direção. Eu perguntei: "Pai, como eu ando de carro todo dia nessa cidade sem você e tô viva até hoje?"

    Comentário by lia — 20 de abril de 2012 @ 9:16 pm

  31. Amei!!Compartilhei no meu twitter!!

    Comentário by Mãe do Theo — 25 de abril de 2012 @ 8:29 am

  32. Taí! Não é a toa que eu tenho o blog, porque aqui eu só falo de filho mesmo!
    Mas, mesmo assim, gostamos mesmo de falar deles, não tem jeito! Melhor é maneirar! =D

    Comentário by Maria Thereza — 3 de maio de 2012 @ 6:18 pm

  33. Agnaldo Timóteo ganhou toda uma outra dimensão na minha vida por sua causa, senhor Hilan Diener… agora penso nele e vejo pais, filhos, fraldas. Como lidar?

    Comentário by Mari BZ — 3 de maio de 2012 @ 7:11 pm

  34. hahahah! apenas

    Comentário by HilanDiener — 3 de maio de 2012 @ 9:16 pm

  35. Olá!!!
    Gostamos muito do seu texto. Ele entrou no nosso top five.
    Quando puderes passa lá pra conferir: http://www.recantodasmamaesblogueiras.com/2012/05
    Abraços de toda Equipe Recanto.

    Comentário by Recanto das Mamães — 6 de maio de 2012 @ 1:47 pm

  36. obrigado! a toda equipe! fico muito feliz.. ainda mais sendo um texto de pai né?

    Comentário by HilanDiener — 6 de maio de 2012 @ 10:14 pm

  37. Muito bom este post, nossa!
    Vim conhecer o blog através da indicação das meninas do Recanto, lá no TOP FIVE e achei muito merecido mesmo!!!

    Quando o Lucas era pequeno, usei algumas vezes aquela do "mesa feia" e pá na pobre da mesa… hehehehe. Que atire a primeira pedra, né… Mas é bem assim mesmo, a gente erra, aprende, erra de novo, sempre querendo acertar, é claro, e o mundo realmente não acaba por conta disso! Aceitar o caos é fundamental para seguir em frente!

    Beijos
    Ju

    Comentário by Ju Dalzoto — 6 de maio de 2012 @ 4:32 pm

  38. muito obrigado! volte sempre!

    Comentário by HilanDiener — 6 de maio de 2012 @ 10:14 pm

  39. Esse post ficou perfeito!!!
    Parabéns pelo 1º lugar no Top Five do Recanto das Mamães Blogueiras! http://www.recantodasmamaesbloguieras.com
    Bjus!

    Comentário by Mamãe Nádia — 6 de maio de 2012 @ 6:30 pm

  40. obrigado!

    Comentário by HilanDiener — 6 de maio de 2012 @ 10:13 pm

  41. Maravilhoso!!!!!!

    Me vi na parte de bater nos objetos inanimados kkkkkkkkkkkkkk
    Se não bato o choro aqui dura uns 20 minutos haha

    Comentário by Rubia — 6 de maio de 2012 @ 10:39 pm

  42. […] nos pronunciamos antes sobre a nossa posição a respeito da educação inconsequente baseada na culpa (e outras […]

    Pingback by potencial gestante – a escada + a culpa é dos outros — 14 de junho de 2012 @ 9:24 am

  43. Faltou a dica aos pais de nao enfiarem seus rebentos no colo das pessoas sem filho! Nem sempre queremos pegar seu anjo de candura para vc descansar. Tenho uma amoga q ja chega em festa entregando a crianca dela pra mim e qdo percebo ela ta bebendo cerveja e eu to tentando fazer a menina dormir!!!

    Comentário by Ana — 2 de maio de 2014 @ 8:30 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment