02 de dezembro

será alergia?

por luíza diener

tudo começou com apenas 6 meses.

eu ofereci cenoura ao benjamin logo nas primeiras papinhas e observei. 2 dias depois ele apareceu cheio de pontinhos vermelhos ao redor do pescoço e na área genital. suspendi por uns dias. voltei a oferecer e as bolinhas apareceram outra vez.

depois foi a vez da beterraba. a mesma coisa, um pouquinho mais forte.

com 8 meses eu dei os dois novamente. meu erro foi dar um seguido do outro, com diferença de apenas 1 dia. mas não percebi e não observei.
poucos dias depois ele apareceu com os tais pontinhos na virilha. pensei que estivesse assado ou com alergia à fralda, mas percebi que ele não estava com as bolinhas só no bumbum, mas também na cintura. depois acabou irradiando por todo o tronco, barriga, pescoço, nas costas inteiras. até o sinalzinho da vacina, no braço, ficou bem vermelho, cheio de bolinhas e
inchado. embaixo da boca também ficou vermelho e áspero. no dia seguinte a alergia subiu pelas bochechas e dentro das orelhas e, por fim, atingiu as coxas e a sola dos pés.
suspeitaram de roséola, mas ele não teve febre (e veio a ter roséola de fato 1 mês depois). realmente, era bem parecido.
observei outros fatores e concluí que somente a beterraba poderia ter causado tamanho estrago.
suspendi ela de vez.
conversei com a pediatra dele, que me apoiou.

perto de completar 1 ano foi a vez do glúten.
eu já havia dado pão francês para ele, mas era sempre pouco, menos da metade. eu notava umas poucas bolinhas ao redor do pescoço, mas pareciam inofensivas, por isso continuei.
aí fomos a um chá de bebê. ele já havia comido meio pão pela parte da manhã.
o chá de bebê foi à noite. ele foi de colo em colo e, como ainda tinha uma alimentação restrita, liberei que dessem torradinhas a ele. acontece que toda hora que eu o via, estava com uma torrada na mão e a boca cheia. perdemos as contas de quanto ele comeu.
a reação foi rápida: no dia seguinte ele estava com um colar de alergia. totalmente vermelho e pipocado ao redor de todo o pescoço. subiu um pouco para o rosto e dentro das orelhas.
no bumbum, assou e pipocou exatamente onde ficava o cocô e embaixo do saco. passou quase uma semana assim.
conversei com a pediatra na consulta seguinte e ela disse que poderia ser glúten. até então eu achava que era somente a farinha de trigo, mas aconteceu dele comer outros alimentos com glúten e sem trigo e a reação foi semelhante, mas menos intensa (devido à quantidade).
e lá se foi um item importante na alimentação do pequeno.

nesse meio do caminho ele também reagiu ao tomate e à berinjela. a berinjela foi bem pior, mas os dois atacaram tanto quanto (ou até mais que) a cenoura.

e finalmente foi a vez do leite de vaca.
ah, e esse é o mais chato, com certeza.
era uma coisa que eu já desconfiava há tempos. mas como ele nunca tomou leite diretamente (apenas através do leite materno), eu teria que cortar somente da minha dieta. e tudo que fosse derivado lácteo. e como isso sempre foi muito difícil pra mim (viciada assumida), nunca consegui completamente.
a pediatra não tinha liberado o leite de vaca na alimentação dele justamente por já ter manifestado outras alergias.
até que um dia, por algum motivo que eu não me lembro, resolvi tomar coragem e fazer isso pelo meu filho. ele estava com 1 ano e 1 mês.

eis minha retrospectiva:
os primeiros 3 meses de vida do benjamin foram de cólicas intensas. tentei tirar leites e derivados pra ver se alterava alguma coisa, mas as cólicas continuaram. nisso a pediatra descartou intolerância à lactose (que é diferente de alergia à proteína do leite da vaca) e liberou o leite gradualmente (só depois eu percebi que cortei apenas os leites e derivados e não observei o rótulo de nada).

com 4 meses ele teve uma assadura felomelal, que durou quase 1 mês. eu tentei pomadas diferentes e só a bepantol deu jeito. mas era só ficar sem pomada que voltava. depois de um tempo nem a bepantol resolvia mais.
por sorte ele passou a usar fraldas de pano e as assaduras melhoraram bastante, até sarar.
volta e meia ele tinha recaídas e eu precisava voltar pra bepantol.

ele também sempre regurgitava/golfava bastante, mas foi diagnosticado refluxo fisiológico. nada para se preocupar, visto que aquilo não parecia doer e ele continuava a ganhar peso e desenvolver-se normalmente.
todo mudo dizia que quando ele começasse a comer melhoraria. é fato que deu uma diminuída, mas as golfadas continuaram.
na consulta de 1 ano eu perguntei à médica se era normal ele golfar até essa idade e ela disse que não tinha problema.
mas aquilo começou a me incomodar, até mesmo a me irritar (toda vez que mamava, ele golfava. e ficava tudo sujo e com um fedorzão azedo).

além do cocô sempre mole. raras foram as vezes que ele fez um cocozinho normal, daqueles soltinhos na fralda. era aquela coisa pastosa, fedorenta, que sempre grudava tanto na fralda quanto no bumbum dele.

ele passou três meses com uma alergia respiratória sem fim: nariz escorrendo, tosse, pulmão com catarro. na verdade, era catarro pra todo lado. parecia mesmo uma bronquite alérgica. ele passou a tomar remédios pra alergia e até uma bombinha pra asma.

resolvi testar sozinha. suspendi todo e qualquer leite e derivados. qualquer coisa que pudesse ter não somente traços de lactose, mas também de proteína do leite da vaca (essa tabela me ajudou um bocado).

e ele melhorou. gradualmente parou de golfar, o cocô ficou mais firme (e até em bolinhas, gente!) e a pele voltou ao normal.
catarro? que catarro? remédio pra asma? guardei aonde?

o problema é que volta e meia eu como alguma coisa que contém qualquer porcaria com a proteína do leite sem me tocar e só vou perceber dois dias depois, que é quando ele costuma reagir. a primeira coisa que eu percebo é uma mudança na consistência do cocô. em seguida ele assa justamente onde o cocô encosta. depois ele passa a regurgitar, geralmente após as mamadas.

na última consulta à pediatra contei todo o caso e ficou bastante claro que o que ele tem é alergia à proteína do leite da vaca (APLV), que é diferente de intolerância à lactose.

nisso, muita coisa mudou na minha alimentação desde que foi constatada a tal alergia (conversamos com a pediatra e ela instruiu pra que eu continuasse a minha dieta restritiva):

  • o leite de vaca foi substituído por leite de grãos: leite de arroz, de aveia, de soja, de castanha, amêndoas, etc. não posso consumir nenhum outro leite de origem animal como de cabra, ovelha, de burra. até os leites com baixo teor de lactose estão proibidos;
  • pão francês virou meu aliado nº 1. mas há vários pães industrializados que não contém nada de leite e são encontrados em supermercados comuns;
  • aprendi na prática que porque “não contém lactose”, como a embalagem diz, não quer dizer que não vá conter traços de leite. por conta disso eu preciso ler e reler os rótulos. e pra isso eu preciso ter um conhecimento prévio. por exemplo, você sabia que a caseína vem do leite, contém a tal proteína e, portanto, pode causar alergia?;
  • comecei a me tapear procurando algumas alternativas. além do leite que não é leite, tem o pão de queijo sem queijo, o cream cheese de soja, o requeijão de banana e mais outras invencionices humanas. mas toda vez que eu como só consigo pensar: “a quem eu quero enganar?”;
  • minhas melhores amigas viraram a culinária vegana e a kosher parve.  a vegana não utiliza nada de origem animal e a kosher parve (mas tem que ser parve, ok?) não leva nada que contenha carne ou leite, mas pode conter ovo. ambos possuem selos que vão em algumas embalagens de produtos industrializados. tenho achado com mais facilidade o selo kosher parve (quando tiver a oportunidade, procure numa embalagem do sucrilhos kellogg’s, por exemplo, que vai saber do que eu falo).
    e daí que se me disserem “ah, tal restaurante é vegano” eu sei que posso comer de olhos fechados. uma pena que não exista nenhum estabelecimento kosher por aqui (não que eu saiba), porque eu iria deitar e rolar;
  • precisei riscar da minha lista muitos restaurantes e deliveries. isso porque grande parte dos funcionários não sabe dizer se os alimentos levaram leite e derivados no seu preparo ou não. várias vezes já perguntei: “isso leva algum derivado de leite?” e o funcionário disse algo do tipo “não, foi feito com manteiga (ou margarina)”. ou então “ah, qual salgado você tem que não leva leite?” e então ouço a clássica resposta “pão de queijo”. como confiar?
    até mesmo alguns alimentos que erguem a placa “sem lactose” podem levar algum substituto que contenha caseína, soro de leite, leite em pó e por aí vai;
  • o jeito é comer em casa mesmo e fazer a maior parte das coisas por conta própria;
  • e claro que precisei correr pra uma nutricionista, pra garantir que eu não suma minha alimentação continue ok mesmo com isso tudo.

e aí você pode perguntar: “luíza, não é mais fácil você suspender a amamentação dele?” não!
quer dizer, pode ser bem mais fácil pra mim, mas pra ele é muito pior, visto que ele tem todas essas outras restrições alimentares e que muitas coisas que eu uso pra complementar minha alimentação não poderiam ser incluídas na dele, como amendoim, castanha, aveia, soja e outros alimentos com forte potencial alergênico.
ele precisaria entrar com algum leite especial caríssimo pra suprir a falta de leite e mais outros complementos alimentares e vitamínicos, visto que nem só de gordura e cálcio é feito um leite materno.

ou seja, eu faço o esforço por ele.

na verdade, falar sobre alergias é sempre um assunto bastante extenso e eu diria até polêmico.
por exemplo, quando eu falo da aplv, muita gente ouve só o “leite de vaca” e imediatamente confunde com intolerância à lactose. mas são duas coisas distintas e eu faço questão de ressaltar.
(quem quiser mais informações é só clicar aqui)
isso porque já vieram me dizer “ah, meu filho também tem isso! pode dar iogurte pra ele” ou “ah, becel não tem lactose! pode comer tranquila”. se eu não tivesse me informado antes, teria dado o iogurte pro benjamin e lascar-se-ia tudo.
e como de qualquer maneira eu não daria creme vegetal ao meu filho, ele não comeu a tal becel. mas eu comi de olhos fechados e ele passou uma semana inteira golfando, com diarreia, com feridas na pele e eu que nem uma boba sem nem imaginar o porquê. só depois que me toquei a causa: continha aroma de manteiga. apesar de ser aroma artificial, tenho certeza que alguma coisa ocasionou. suspendi e melhorou.

também já me perguntaram se eu fiz algum teste pra diagnosticar a aplv.
sim. fiz o teste de desencadeamento, que consiste na observação da reação do paciente à retirada do leite de vaca e derivados com posterior reintrodução desses alimentos.
e só.
fez exame de sangue? não. fez algum teste na pele? também não.
na idade do benjamin – com 1 ano e 3 meses – e com o tipo de alergia que ele tem, esses testes não são tão precisos. eles podem dar um falso negativo. além disso, são todos muito estressantes pro bichinho, que já é traumatizado com agulhas e coisas do gênero.
e se desse negativo, iria mudar o fato de que a ingestão de leite faz mal pra ele? não.
então continuaremos assim.

a minha esperança é que melhore com o tempo. li que em 90% dos casos, a aplv – bem como outras alergias alimentares – some antes que a criança complete 3 anos.

e enquanto isso nos viramos como podemos.

para maiores informações, não deixe de ler:

www.alergiaaoleitedevaca.com.br
http://www.semlactose.com/

Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , alimentação, erros comuns

assine nosso feed ou receba por email


43 Comments »

  1. Nossa, Luiza, que chato, né? Bom, mas ainda bem que ele está bem e você está aprendendo formas de contornar isso. Espero que isso passe logo! Beijo!

    Comentário by marthalopes — 2 de dezembro de 2011 @ 1:39 pm

  2. Caramba quanta coisa que agente nem imagina. Já tinha ouvido falar sobre assaduras relacionadas com alergia, mas vai muito além disso. E vc Luiza, sempre um encanto ao dizer que faz qualquer coisa pro seu filhote continuar mamando. Acho isso o máximo pq não consegui amamentar meu filho por muito tempo e isso me causou muita tristeza. Parabéns.

    Comentário by Juliana — 2 de dezembro de 2011 @ 2:01 pm

  3. Sou leitora e fazona a muito tempo mas nunca comento, mas esse post é praticamente minha vida. Pode contar com a minha ajuda no que precisar não sou médica, mas tenho um conhecimento muuuito grande: Mãe de filho com Aplv. Ele tem 11 meses e desde o quarto mês descobrimos a Aplv, é uma luta diaria, já passei por tudo que vc passou, mas com uma dor um pouco maior, tive q desmamar, até hoje dói( vc acabou comigo naquele post sobre amamentacao, quase morri em lagrimas) , não pq não quis, cortei quase tudo da minha alimentacao, leite e derivados, soja, trigo ,ovos, leguminosas e etc, basicamente fiquei só no arroz , frango e saladas, virei um pó, e isso por quase 4 meses, e meu filho ainda continuava a ter diarreia com sangue, um dos sintomas da aplv (pelo q eu li seu filho nao teve talvez por isso vc nao percebeu antes), mas tudo melhora, no começo achei que era o fim do mundo e chorava sem parar, queria sumir, me achava fraca para cuidar do meu filho, agravando ainda mais meu quadro de ansiedade que tinha antes mesmo disso tudo, hoje tento viver um dia de cada vez.
    Quando Benjamin tomou a vacina de 9 meses e teve consulsao foi a febre amarela? Ele como ovo sem problemas? É q a vacina da febre amarela é cultivada em ovos assim como a da gripe e a triplice viral.
    Eu faço a comida dele toda separada, panela, colher, esponja de lavar louça, prato, copo, tbm são separado dos demais, e como ele leva muito a mao na boca: qdo saio de casa e as pessoas tocam na mao dele ou a beijam não o deixo por a mão na boca até que eu possa lavar, alguns acham um exagero, mas é a saúde do MEU FILHO e eu tento fazer o melhor por ele.

    Desculpe o texto um pouco extenso é q quando a gente conhece uma mãe com filho aplv o papo não tem fim.

    CONTE COMIGO PARA O QUE PRECISAR. E obrigada por compartilhar, muitas pessaos ainda tem um pouco de duvida sobre alergia ao leite, algo que vem se tornando cada vez mais comum, e informacao + cuidado é o caminho para cura.

    Comentário by Claudia — 2 de dezembro de 2011 @ 2:06 pm

  4. Chatíssimo. Descobri APLV na Alice agora, tem menos de 2 semanas. Como ela apenas mama ainda, minha alimentação está restrita demais. É cansativo ir comer e ficar lendo tabela e rótulos. Mas agradeço por ter descoberto logo após aparecer sangue no coco dela, assim consegui tirar tudo da minha dieta o quanto antes. Alice fica cheia de bolinhas pelo corpo + coco bem molengo e com sangue. Além de irritadíssima. Agora, depois de 2 semanas +/- eu já sei +/- o que posso ou não comer, a gente acaba se acostumando. Mas raramente introduzo algo diferente na alimentação. No orkut tem uma comunidade espetacular que eles mostram marcas que podem ser consumidas, alimentos, receitas… É como tenho me virado. Boa sorte! E estamos juntas nessa alergia tão chatinha! Mas vai dar tudo certo… *-* Beijos

    Comentário by Yasmin — 2 de dezembro de 2011 @ 2:11 pm

  5. Oi Luiza! Tenho um filho de quase 2 anos chamado Pedro que tem alergia a leite, soja e ovo. Na verdade, a história do Benjamin foi bem parecida com a dele, também descobrimos a APLV quando ele tinha por volta de 1 ano e meio e com os mesmos sintomas que você descreveu. A minha decisão foi diferente da sua, acabei parando de amamentar. Não pelo sacrifício que teria que fazer, pois faria qualquer coisa pelo meu filho. Mas porque o Pedro acabou associando a alimentação a algo ruim, que fazia mal a ele. Ele vivia só de leite materno, não aceitava comer nada (imagine só, com quase 1 ano e meio só mamando!) e foi perdendo peso a cada dia. Então fui obrigada a incluir na dieta dele este leite caríssimo, o Neocate Advance, para que ele engordasse. Os sintomas melhoraram e ele começou a engordar. No começo acho que foi até mais fácil lidar com a alergia do que é hoje. Sim, porque enquanto eles são mais novinhos, a gente tem controle sobre a alimentação deles e não os vê morrendo de vontade de comer algo que não podem. Hoje em dia que meu filho sabe falar, é difícil ouvir um "mamãe qué isso" apontando para algo que ele não pode comer. Nossos olhos enchem de lágrimas, mas explicamos pra ele que "isso" não pode porque tem leite. Às vezes ele nega algum alimento que ele pode comer e diz "leiti" e vem um nó na minha garganta.
    Mas aprendi também a ver o lado bom das coisas… a alimentação dele melhorou muito, come muitas frutas e verduras. Gripes que aconteciam semana sim, semana não agora são raras e, quando acontecem, o organismo dele está bem mais fortalecido para combatê-las. Enfim, temos que pensar positivo e pensar que logo isso tudo passará…
    Por favor, não deixe de compartilhar sobre esse assunto tão importante e que poderá ajudar a tantos pais! Vamos trocar informações, tenho certeza que poderemos ajudar uns aos outros com nossas experiências (como essa da becel que não tinha me tocado ainda, menina! Ia de olhos fechados nela, que coisa!)!
    Desculpe o longo texto e obrigada por esse post maravilhoso, como sempre.
    Beijos,
    Nágela

    Comentário by Nágela — 2 de dezembro de 2011 @ 3:15 pm

  6. oie Lu, não li os comentários acima, mas vc conhece um grupo no face sobre isso? É bem interessante e pode te ajudar!
    O link é esse aqui: https://www.facebook.com/groups/230643433646073/
    espero que ajude!
    Como vc consegue ficar sem comer esse mundo de coisas?? É mta força de vontade pra amamentar o Benjamin, parabéns!
    bejios
    MaH

    Comentário by Vida de Gestante — 2 de dezembro de 2011 @ 7:09 pm

  7. Lu, eu de novo.
    Descobri q o grupo foi desativado, agora eh esse aqui: https://www.facebook.com/meufilhoealergicoaleite
    beijoss
    mah

    Comentário by Vida de Gestante — 2 de dezembro de 2011 @ 7:16 pm

  8. miniiiiiiiiiiina, que meleca. te entendo profundamente e te dou um abraço apertado!
    estou em dieta há 4 meses e, olha, é foda.

    mas Lucas melhorou muuuuito! vale mto a pena!

    a merda é que eu tenho comido a porcaria da becel e ele tá com esse nariz escorrendo há um mês e eu não sabia o que era! poxa! cortemos a becel então… tb tenho comido bastante pão francês. mas agora, sem a becel…. o que fazer? o que devo passar no pão??

    beijos solidários!

    Comentário by Carol — 2 de dezembro de 2011 @ 7:38 pm

  9. E deu certo na nutri? Bj

    Comentário by Doceria da Tathy — 2 de dezembro de 2011 @ 8:57 pm

  10. tathy, ela é ótima! vou voltar lá daqui a 15 dias. mas desde já eu agradeço, pq parece que vai dar super certo.

    obrigada!
    bjssss

    Comentário by luíza diener — 2 de dezembro de 2011 @ 10:21 pm

  11. ai amiga, que bom. Fiquei feliz agora. Bj

    Comentário by Doceria da Tathy — 3 de dezembro de 2011 @ 7:05 am

  12. Olá Luíza,
    A Amanda tem colite alérgica e eu também estou no "time das restritas". Nada, nada fácil!
    Ei Jesus? Completa lá: Nem só de pão COM MANTEIGA e LEITE o homem viverá… (Lc 4:4)
    rsrsrs. Beijos

    Comentário by Adriana — 2 de dezembro de 2011 @ 11:10 pm

  13. Luiza, parabens pela dedicacao q tem pelo benjoca, n é toda mae q se sacrifica tanto pelo bem estar do filho! Mt lindo ler essa declaracao de amor!
    Tem um blog q tb acesso sempre que no dia 29 de novembro publicou um post sobre APLV e achei imteressante pq a blogueira recorreu a um leite mt caro (300 reais a lata, q dura somente 3 dias) e o estado q pagou por este leite (mesmo tendo ela como pagar ela reivindicou o direito de receber de graca e deu certo!).
    Como n sei se vc sabe deste leite resolvi compartilhar o link do blog q vi isso: http://www.askmi.com.br/
    Claro q se amamentar ta dando certo é mt melhor e tal, mas as vezes é bom conhecermos as alternativas caso precisemos, ne?
    Beijos!

    Comentário by Priscilla — 3 de dezembro de 2011 @ 9:16 am

  14. Luíza, que triste! jamais imaginei que o Benji e vc estariam passando por essas! vou colocar vcs em minhas orações! se Deus quiser tudo vai melhorar!
    beijos nossos!!!

    Comentário by Mamãe do Otávio — 3 de dezembro de 2011 @ 3:44 pm

  15. Luiza, que post legal, muito completo! Realmente é uma saga até termos certeza do que causa essas alergias. Tem que ser na base da tentativa e erro até que a gente ache um caminho. Espero que realmente essa alergia suma com o tempo pois quanto mais crescidos, mais complicado é fazer esse controle da alimentação deles tb.
    Beijos e boa sorte!
    Priscilla

    Comentário by Mãe de Duas — 3 de dezembro de 2011 @ 7:19 pm

  16. tentativa, erro e intuição.

    obrigada, pricilla!

    bjs

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:55 pm

  17. Fiquei triste quando soube! Realmente deve ser muuuuuuuuuuuuito dificil!
    Mas continuar a amamentação é definitivamente a escolha mais acertada, tanto racionalmente como emocionalmente, afinal alem do que você citou de que a restrição sobre a alimentação dele seria muito maior que sobre voce, tambem tem o costume do leite né! imagina o coitado que não sabe nada, não entende nada, derrepente muda o sabor do leite, muda a forma como ele recebe, ainda longe do contato da pele da mamis e sem a possibilidade de ter esse conforto quando está assustudado, caiu, ta com dor etc… Faz muito bem em continuar amamentando! Sei que deve ser dificil, mas vai valer a pena!!!
    Espero que de tudo certo pra voces! estarei orando 😉

    bjs

    Comentário by luana — 3 de dezembro de 2011 @ 10:25 pm

  18. vale a pena sim, luana!
    e você está certa, porque além de tudo isso, a aplv causa uma irritação extrema (porque algumas vezes dói) e o peito é um bendito consolo nessas horas.

    obrigada por tudo!
    beijos

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:54 pm

  19. Luíza, acho que você não tem ideia do quanto esse post foi importante e me ajudou 1999% em como agir com a Lara.
    Digo, a partir do momento que você começou a falar do leite.
    A Lara também tinha todas essas reações, assim com o Benji (assadura – usamos 9 pomadas diferentes, e não melhorou-, cocô mole, falta de apetite – por causa do mal estar, mas não chegava a golfar-, a tal gripe e "asma" intermitente, e bla bla bla). Ficou assim por 8 meses de vida, nessa altura do campeonato, ela já tinha desmamado, e tomava LA. Foi numa consulta ao PS, que foi indicado para mudar o leite dela pra soja, e em menos de 2 dias a assadura matadora passou, o apetite melhorou, e foi tudo mudando.
    Fomos a uma alergista, e o diagnóstico está parado. Fizemos exame de sangue, e deu negativo. Mas ainda não voltamos na médica. Ligarei pra ela amanhã. Mas, penso como você. O exame pode até ter dado negativo, mas que alguma coisa em relação ao leite ela tem, isso eu não tenho dúvidas.

    Muito obrigada pelos sites, e vou trocando informações com você. Foi a primeira que eu vi com um caso beeeeeeeeem parecido com o da Lara. A diferença é que ela não mama mais LM.
    Mais informações eu te aviso….. e tomara que os dois tenham algo curável, digamos assim, porque viver sem derivados do leite é uma tortura, concordamos nessa parte também!

    Beijo!

    Comentário by Mamãe Pinel — 4 de dezembro de 2011 @ 9:00 pm

  20. Nossa, Thereza, é igualzinho, né?
    e tem gente que fala, fala e fala mal do PS, mas no fim eles têm médicos como qualquer outro lugar (com a diferença que a gente não gasta uma baba). agora que o benjoca tá firme e forte eu to quase deixando a ped dele somente para momentos críticos.

    olha, existem diversos tipos de aplv. dá ctrl+f e procura por "tipos de alergias alimentares": http://alergiaaoleitedevaca.com.br/entenda_alergi

    aparentemente, o benjamin tem alergia do tipo não mediada por lgE, ou seja, os exames de pele e de sangue não acusam. de repente é o caso da lara também, né?

    mas força, que essas coisas hão de passar!

    beijos!

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:53 pm

  21. Olá, vou te dar uma dicas sobre os leites de soja…Minha filha passou por coisa parecida até os dois anos. O dela era intolerância a lactose e não alergia. Ele orientou que todo leite de soja que formos dar temos que ver se este é enriquecido com cálcio. Na época indicou dois: SOYMILKE e SOYOS (tinha a turma de monica na embalagem). Os dois eu comprava em supermercados…eram livres da lactose, mas não sei se da PROTEÍNA do leite. Vale a pena entrar no site dos fabricantes e dar uma olhada.
    Na época fiquei bem frustada com o diagnóstico, mas depois vivemos bem com ele. Nos adaptamos super bem e com 2 anos e meio começamos a inserir a "vaca" aqui e deu certo. Estou na torcida!
    Bjs, Raquel

    Comentário by raquel — 4 de dezembro de 2011 @ 9:11 pm

  22. oi, raquel!
    muito muito obrigada pelas dicas. vou tentar os leites de soja pra mim, mas ele não foi liberado pra consumir soja, pois dizem que é até mais alergênico que a proteína do leite da vaca.
    geralmente quem é alérgico a uma coisa, é alérgico a várias. triste sina 🙁

    estou torcendo pela sua filhota tb!

    obrigada! bjs

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:39 pm

  23. Luiza,
    tb tenho um filho com alergia a leite e sei bem o qie é…ele só foi diagnosticado com 4 meses e eu já estava maluca, pois ele não dormia e eu tentei tb a dieta, mas ele continuava a ter reação, entaõ desmamei, me arrependo, mas precisava voltar a trablahar e estvava exausta!!! ele começou tomando o neocate, mas tb rejeitou, hj depois de uma gastro maravilhosa ele toma aptamil pepte ( pois tb tem alergia a soja) e inseriu alimentação, ele só come carne de rã e frango, já até liberarm ovo e peixe, mas to com medo…e estes dias ele contaminou e tá tendo muitas cólicas..estou tentando descobrir o que foi, mas acho que foi o pão frances…ADOREI SEU POST…continue firme..pois pelos nossos pequenos td vale a pena!!!

    Comentário by Raquel cabreira — 5 de dezembro de 2011 @ 12:10 pm

  24. complicado, né, raquel?
    o benjamin não reage com ovo, graças a deus. a pediatra até liberou o peixe, mas eu não tive coragem de dar, pq ele está numa alergia de um tanto de coisa que eu nem sei. to esperando melhorar.

    força com o seu pequeno e vamos torcer pra que isso passe logo!

    bjinhos

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:37 pm

  25. Olá!!! tenho um filho de 4 meses que recebeu o diagnostico de alergia ao leite de vaca com 1 mes de vida,desde então tem sido uma luta constante tanto minha como do pediatra,sei o quanto é dificil essa questão da alergia,tenho tentado uma dieta rigorosa,tiramos leite e derivados,como os traços deles,depois de tudo isso nada de melhoras,tiramos a soja o que incluiu o frango,já que seu alimento também é soja,fiquei só de peixe,arroz,frutas e legumes,e finalmente tivemos resultado,pesquisando sobre alimentos percebi que aqui em brasilia não tem tanta opção e então a alimentação tem sido uma tortura,assim como voce eu também ouço muito das pessoas para que eu desmame o que não entendem é que o leite materno nessas ocasioes são extremamente importante além de fazer toda a diferença.então sentindo na pele o que é alergia e ter que me privar de muitos alimentos resolvi compartilha com voce um site que encontrei http://www.semlactose.com/ tem mais opção para intolerantes a lactose como o nome ja diz,mas tem também dicas e produtos existentes para alergicos.
    1 abraço e boa sorte.
    nanda

    Comentário by nanda — 6 de dezembro de 2011 @ 12:09 pm

  26. Oi, Nanda! O site é ótimo mesmo. Também vi aquele do Mundo Verde que você me mandou. Depois vou ver se dou um pulinho lá no Conjunto pra comprar algumas coisas.
    Também sei de outros lugares na asa norte, mas não me ocorre o nome de nenhum agora.

    Obrigada por tudo!

    bjs

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:35 pm

  27. voltei para compartilhar algo que encontrei caso voce ainda não conheça.. http://www.mundoverde.com.br/Loja3.asp?Id_Loja=90… verde a loja fica no conjunto nacional.tem também um guia http://www.guiamais.com.br/busca/produtos+naturai… estão atualizados e la existe produtos para alergicos.também encontrei um blog dos veganos http://cozinhaveg.blogspot.com/2010/03/opcoes-veg….
    espero ter ajudado,se voce conhecer mais algumas informaçoes e puder entre em contato comigo por email.

    Comentário by nanda — 6 de dezembro de 2011 @ 1:59 pm

  28. Olá, Luiza! Sempre leio seus posts, adoro. Minha filha tem 1ano e 5 meses e aos 4meses foi diagnosticado alergia à proteína da vaca, ela apresentou riscos de sangue no cocô. A partir dali a minha alimentação mudou totalmente também, leite e seus derivados foram eliminados (muito tempo no supermercado lendo os rótulos), carne bovina nem pensar, usei muito o leite de soja; uma vez comi duas balas de caramelo e dois dias depois os riscos apareceram novamente. Ao iniciar a alimentação pastosa tomei o máximo de cuidado e graças a Deus nunca mais houve reação, até que precisei voltar a trabalhar e a Isabela precisou ir para a escolinha, outro momento de preocupação, mas todas as explicações foram dadas, atestado médico apresentado e ufa!Nenhum problema. Aos 11 meses comecei a mudar a MINHA alimentação aos poucos e observar se após (dois dias) mamar alguma reação apareceria, tudo certo. Após toda a minha alimentação voltar ao normal comecei a acrescentar derivados do leite na alimentação da pequena, a iniciar pelo iogurte normal por conter cerca de 20% de lactose (antes era o de soja), e assim foi muito lentamente. Ainda observo tudo o que ela come e dias desses descobri que ela tem alergia à berinjela, ficou com o rosto vermelho. Emagreci bastante, precisei tomar complexo vitamínico, mas em momento algum pensei em desmamá-la. Todo o processo foi com acompanhamento médico(pediatra) que sempre disse que quanto mais tarde desmamá-la melhor será, pois o leite materno é muito rico e para bebês como os nossos é um aliado a sua saúde. Beijos.
    Lisandra.

    Comentário by Lisandra — 6 de dezembro de 2011 @ 9:05 pm

  29. Nossa, Lisandra! Que bom que sua filha tem uma mãeozona dessas, tão empenhada em fazer tudo com muita cautela e no tempo certo!
    Melhor ainda é ver que ela melhorou! Um alívio mesmo!

    tudo de bom pra vocês.

    beijinhos

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:33 pm

  30. Meninas, muito obrigada por todos os comentários, dicas e histórias compartilhadas!
    Realmente a internet é uma excelente ferramenta nessa quase luta. E melhor ainda é compartilhar e ver que tantas mães e crianças passam por isso também.

    Obrigada pela força e pelo carinho! Vamos nos falando!

    Beijinhos

    Comentário by luíza diener — 7 de dezembro de 2011 @ 1:31 pm

  31. Olá, Luiza! Estou passando pela mesma situação, desde as cólicas terríveis até 4 meses de idade, a conduta que os nossos pediatras adotaram, a incompreensão das pessoas e por fim, a dieta restritiva. Meu filho está com 10 meses e antes da dieta ele era um bebê super irritado, que não dormia direito, que só chorava. Existe um tipo de leite especial que podería dar a ele, mas nem passa pela minha cabeça desmamar, então nem conto com essa possibilidade. Tenho seguido no facebook o diário de receitas sem lactose, é escrito por uma nutricionista e a maioria das receitas tb são sem leite de vaca. Descobri há umas duas semanas que a Cacau show tem uma linha sem lactose e que tb não tem nenhum derivado de leite, experimentei e adorei.
    Beijos…
    Louise

    Comentário by Louise Paim — 8 de dezembro de 2011 @ 8:53 pm

  32. Luiza, conheci teu blog hoje, às 22h e isso foi péssimo! Tenho um bebê de 03 meses, um de 3 anos, ambos estão dormindo há cerca de duas horas e eu devia estar fazendo o mesmo, mas não, tô aqui devorando posts e mais posts do blog! ahuhuahueha Parabéns, adorei, adorei, tô viciada!
    Então, decidi comentar neste post porque, além dos meus meninos serem super alérgicos (aqui as alergias são respiratórias, culpa da maldita genética, tsc!) tenho 23 anos e fui uma criança alérgica a proteína do leite de vaca. Minha mãe conta que quando começou a me amamentar, recomendaram que ela tomasse muito leite e comesse seus derivados para que ela tivesse muito leite para me alimentar (23 anos depois, os médicos recomendam muita água, bem mais simples, né?). Ocorreu que, determinado estágio, cada vez que eu ia pro peito, o nariz entupia. Entupia de eu quase sufocar várias vezes, como relata minha mãe. Então, depois de milhões de idas a médico, de eu viver durante uns meses dopada de anti alérgicos, ter tomado corticoides e virado uma bola, uma santa vizinha sugeriu que ela retirasse o leite da dieta dela e pimba! aconteceu o "milagre". Depois do meu desmame, mamãe com medo passou a me dar leite de soja. Tomei leite de soja até os 5 anos, até que o que eu tomava saiu de linha (era o Bônus, da Nestlé, lembro de mamãe percorrendo a cidade de ônibus pra comprar caixas e mais caixas de latas de leite). E agora? Bom, ela resolveu testar o leite Ninho pra ver no que dava e eu não tive nada. Hoje sou a maior devoradora de queijos, doces de leite e piro num copo de leite com Toddy gelado (parei porque os meus dois meninos tiveram cólica HORRENDAS também). Bom, tudo isso pra dizer que essa sua fofura provavelmente vai passar ileso dessa alergia. Torço por isso!

    Beijão!

    Comentário by Emmanuela Melo — 9 de dezembro de 2011 @ 12:32 am

  33. Oi Luíza,
    mas que coisa hein menina? Acompanho algumas histórias na internet sobre crianças alérgicas, já que meu filho era um deles. Confesso que nunca imaginei que o Ben tivesse alergia justamente por ele ser tão gordinho, pois o traço mais marcante que encontrei nos consultórios médicos foi a magreza excessiva.
    Achei interessante sobre a Becel, porque meu pequeno nunca passou mal. Mas já passou mal com outras coisas que o SAC jurou que não tinha leite ou traços (ex: bisnaguinha da pullman)… Se precisar encontrei uma gastropediatra maravilhosa. A primeira que soube nos respeitar, além de ser extremamente comprometida. Também tenho o contato de uma nutricionista que trabalha com alergia alimentar em crianças.
    Meu filho se livrou da alergia com 2 anos. 50% das crianças alérgicas melhora com essa idade. Hoje a vida está mais fácil pra comer na rua, mas as mudanças que fizemos em casa permanecem até hoje. Hoje todos comemos melhor. Fizemos do obstáculo uma escolha consciente. Escolhemos não sofrer e virar quase veganos (ainda comemos ovo). Estamos felizes e nos livramos de certas necessidades. Filho é a melhor transformação.
    Beijo grande.

    Comentário by Ariana — 9 de dezembro de 2011 @ 11:06 pm

  34. Pois é, menina… tenho uma historia mais ou menos assim com a Marina… suspendi o meu leite de vaca e derivados quando ela tinha 40 dias e mantive até os 7 meses. Marina não teve mais reação. Na verdade, ela somente tinha cólicas. Depois de 1 ano completo, ela começou com o "colar de bolinhas" e nariz escorrendo. Ah, é calor… ah, é virose da escola…li seu post e me convenci a começar a dieta de novo. Sumiu tudo… obrigada por me incentivar a começar a dieta novamente… não é fácil, mas o que não fazemos por nossos pequenos? bjs Fabi

    Comentário by Fabiana — 14 de dezembro de 2011 @ 12:35 pm

  35. […] cima. pra completar, depois disso ficou doente por 3 meses seguidos, nariz entupido. uma mistura de alergia com tempo frio de inverno e quatrocentos dentes nascendo ao mesmo tempo. somando a isso, começou […]

    Pingback by potencial gestante – o sono (?) do bebê — 7 de maio de 2012 @ 5:00 pm

  36. oi Luiza! Achei seu blog meio por acaso, nas minhas buscas por coisinhas sem lactose para a festa do meu pequeno. Chorei até lendo seus posts sobre as convulsões e sobre a APLV, parecia que tinha voltado 4 anos no tempo. O João Pedro tb tem APLV, na verdade, com 4 meses descobri que ele tinha proctocolite alérgica, com sangue nas fezes, cólica, vomitos, reações na pele e muuuitas assaduras. Senti a mesma impotência que você. Brasília, infelizmente, ainda tem MUITO médico ruim, que simplesmente não nos escuta e tive que percorrer algo em torno de dez consultórios até acreditarem em mim e pedirem exames. Lógico que cortei TUDO que tinha PLV ou lactose, mas tb fui enganada pela Becel!!! Cortei até a soja (que uma gastro LOUCA inseriu na dieta com Aptamil e ele quase morreu). Ele passou meses só mamando peito e eu sem comer NADA. É muito dificil, mas a gente sobrevive, né? Sei que esse post é antigo e que vocês já devem estar saindo dessa. Hoje, com 4 anos e sem crises alérgicas (ele tem a mofo, poeira, picadas de inseto, cenoura e leite) há alguns meses, já consigo tratar melhor do assunto e ele já até toma Ninho (mas se dou outras coisas com a proteina, ele ainda fica ruinzinho). Meu marido, em contrapartida, desenvolveu uma intolerancia absurda à lactose. Parabéns pelo blog, pelo Benjamin e pela fé! É uma luta diária, mas o carinho deles compensa, né? Ah, li um post antigo em que você, orientada pelos médicos, acabou sofrendo que nem eu. Ao dar Alivium ele passou mal, né? É que aquela MELECA tem proteina do leite, acredita? O JP vomitou RIOS e eu achando que era da "virose", descobri o leite na bula. Dá uma raiva. Mas a gente segue em frente. Também sou de Brasília e sofro na mãos dos pediatras, hoje o JP só tem uma alergista e uma gastro, pediatra, só do PS!! Beijocas

    Comentário by Alessandra Flach — 6 de junho de 2012 @ 10:38 am

  37. […] ver com o bebê na minha barriga, mas com a minha alimentação, que é muito restrita por causa da aplv dele, que persiste. não fosse por isso, acho que amamentaria o benjamin por mais muito tempo. […]

    Pingback by potencial gestante – como começou — 6 de novembro de 2012 @ 1:18 pm

  38. […] conta da alergia do benjamin e da amamentação prolongada, passei mais de um ano em uma dieta hiper master restrita de […]

    Pingback by potencial gestante – luiza d., 27 anos, grávida e viciada — 30 de novembro de 2012 @ 7:49 pm

  39. Nossa! A medida que ia lendo o seu post ia me vendo na mesma batalha com o Pedro Henrique. Há seis meses venho lutando com uma diarreia, assadura, problemas respiratorios…. que se agravaram depois que eu tirei o peito dele e entrei com leite ninho, depois soja. Agora ele toma Pregomin Pepti e está bem melhor! E os exames tb deram negativos… Seu diagbnostico foi feito atraves da sua historia clinica, que acredito seja a melhor forma de diagnosticar APLV! Enfim não é nada fácil ate por que hoje ele esta com 1 ano e 5 meses, terei que coloca-lo na creche e coitadinho nao pode comer quase nada… mas temos esperanças de que um dia isso tudo passe! Bjos!

    Comentário by Roberta Falcão — 3 de janeiro de 2013 @ 6:08 pm

  40. Luiza, lembrei de vcs qdo li essa reportagem: http://www.unicamp.br/unicamp/ju/549/pesquisadora
    Uma esperança pra quem sofre com isso! 😉

    Comentário by Elisa — 7 de fevereiro de 2013 @ 7:47 pm

  41. Oi Luiza, então meu primeiro filho hoje com quase 3 anos foi diagnosticado com APLV. Com um ano e pouco ele já não tinha mais sintomas. O meu mais novo que esta com 10 meses não tem sintomas mas esta abaixo do peso. O pediatra encaminhou para uma gastropediatra que me pediu para fazer a dieta de restrição do leite, já que ainda amamento. Ela disse que como o irmão teve ele tem grandes chances de ter também. Mas ele não apresenta nenhum sintoma, só o peso mesmo que esta super difícil dele ganhar. E a introdução alimentar foi bem complicada, até hoje ainda acho que ele come pouco. Estou bem confusa, não sei se realmente seria alergia ou esta abaixo do peso por ainda não ter aceitado muito bem os alimentos. Enfim, ele terá que fazer vários exames e eu terei que fazer a dieta ou desmamar e oferecer o Neocate. Sua filha apresentou sintomas de APLV também como o irmão?

    Comentário by Elisa — 12 de maio de 2014 @ 4:41 pm

  42. Oi, Elisa. A Constança também tem APLV, assim como o irmão. Ela apresentou os primeiros sintomas do Benjamin assim que o leite desceu, com 2 dias de vida. Então eu comecei a dieta restritiva e eliminei todo e qualquer leite, derivado e traços de leite. Demorou quase um mês até os sintomas desaparecerem. Depois de três meses eu fiz uma pequena reintrodução (tomei limonada com uma gotinha de leite) e ela reagiu. Restringi minha dieta de novo. Alguns meses depois fui a um restaurante e o garçom trocou a comida. Assim que engoli percebi que tinha leite. A reação dessa vez foi mais séria e tive que entrar com uma homeopatia anti alérgica. Desde então tenho feito uma dieta bem mais severa e ela está bem. A pediatra acha que por eu ter feito a dieta desde cedo, ela é menos sensível que o irmão. Benjamin só foi diagnosticado quando tinha quase 1 ano e 2 meses e até hoje tem alergia.
    Há menos de dois meses começou a fazer tratamento homeopático para dessensibilizar. No começo ele reagiu bem, mas logo voltou a apresentar praticamente os mesmos sintomas de antes. Teve febre, ficou tossindo por mais de um mês e só depois de duas semanas que suspendi o tratamento que ele começou a melhorar. Ainda está com dor de estômago e tá tendo que tratar do estômago agora.

    Diferente dos seus, meus filhos sempre ganharam peso e cresceram bem e foi por isso que médico nenhum desconfiou de alergia a princípio. Eu deveria ter levado ele ao gastro dede o começo, ou seguido meu instinto mesmo.

    Eu amamentei o Benjamin até 2 anos e 3 meses e Constança, hoje com 11 meses, continua mamando firme e forte. Com o Benjamin eu levei além do meu plano de amamentar (eu queria desmamar com 2 anos) justamente por causa da alergia e porque sei que o lance do leite artificial pode até ser mais complicado (crianças aplv tendem a ter alergia a outras coisas como soja, por exemplo, que está presente em boa parte dos leites para alérgicos). Como eu fico em casa com eles, acho bem mais prático amamentar 😉

    Beijos

    Comentário by luíza diener — 12 de maio de 2014 @ 7:35 pm

  43. […] ou pão com margarina e iogurte. obviamente nesses dias eu mando o lanche de casa por causa da alergia do benjamin, mas mandaria do mesmo jeito se ele não tivesse alergia. nos outros tem esses almoços […]

    Pingback by potencial gestante – benjoca na escola – parte IV – na prática — 25 de setembro de 2014 @ 4:53 am

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment