Mostrando somente a categoria antropologia de esquina

27 de abril

maternidade solitária

por luíza diener

certa vez, antes de ter filhos, ouvi uma conhecida dizer “eu quero ter filhos porque me sinto muito sozinha. um filho é uma companhia pra vida toda”. o tempo passou e isso nunca saiu da minha cabeça. nunca consegui concordar com o que ela disse. esclareço: meus filhos são – sim – meus companheirinhos, mas são meus companheirinhos crianças. estão sempre comigo (muitas vezes amontoados em cima de mim – tipo enquanto eu escrevo este post – sem dar sossego) e passamos bons bocados juntos também. é muito amor, é muita delícia. mas preciso confessar: eu nunca me senti tão sozinha em toda a minha vida. não tenho embasamento nenhum para discorrer sobre […]

Leia mais

Categorias: antropologia de esquina, psicologia autodidata introspectiva Topo
22 de maio

3:33 – a hora morta!

por hilan diener

tudo começou com esse meu post na nossa fanpage do facebook: e eu não imaginava que, sim!, 3:30/33 é realmente a {hora do demônio} para pais e filhos! veja as reações. é assustador:   e aí fica a dúvida no ar: por que, MEU DEUS, por quê? procurei no google e descobri uma coisa…. que medo! mas nossas leitoras não se assustam facilmente e logo começaram a zuera: huhauhauha! engraçado, né? só que não… …é real! muito real. veja minha postagem na noite anterior. no exato momento eu  estava com a do meio (vulgo sansa) chorando desconsolada, com febre no meu colo, enquanto eu digitava apenas para comprovar minha teoria:   […]

Leia mais

Categorias: antropologia de esquina, atividade paranormal, filosofia de boteco, rotina e desrotina Topo
20 de novembro

os padrões que nos impomos

por luíza diener

eu amo a vida que levo, sinceramente. mas volta e meia me pego com um comichão, sonhando com uma vida que não é a minha, admirando coisas que não tenho (e provavelmente nunca terei), planejando mudar algumas coisas, comprar alguns bens, como se minha felicidade dependesse daquilo. no fundo eu sei que não, mas tem vezes que isso é tão forte que eu quase chego a acreditar. eu fui uma criança de cabelos bem loiros, bem lisos e olhos verdes, escuros. fui gordinha até os 5 anos e logo me tornei um fiapo. eu odiava “parecer uma boneca”. eu odiava ser magrela. eu odiava ser loira. eu odiava meus olhos […]

Leia mais

Categorias: amor, antropologia de esquina, filosofia de boteco, psicologia autodidata introspectiva, questões Topo
15 de maio

dá pra ter filhos sem dinheiro?

por hilan diener

li essa frase uma vez e fiquei com isso na cabeça. não espero responder essa pergunta aqui, pois acredito que a resposta está dentro de cada um. depende da sua realidade de vida, de como você se sente consigo mesmo e com os outros ao redor. crianças são feitas e criadas há milênios e, diga-se de passagem, hoje a humanidade não é tão pequena assim. mas a pergunta é: como elas eram criadas? será que nossas avós, por exemplo, tinham essa parafernália toda que crianças de hoje têm? será que elas eram mais infelizes que as de agora? entendam logo que não sou o tipo de pessoa saudosita que fica […]

Related Posts with Thumbnails Leia mais

Categorias: antropologia de esquina, psicologia autodidata introspectiva, questões Topo