06 de novembro

como começou

por luíza diener

foi assim: o papai plantou uma sementinha na barriga da mamãe.. nah!

já estávamos planejando encomendar um bebê para este ano. a ideia era que o segundo filho viesse próximo ao aniversário de 3 anos do benjamin.

na verdade, meu plano original sempre foi ter um filho encavalado no outro, com menos de 2 anos de diferença.
mas o cansaço e o desânimo de cuidar do primeiro foi um fator. e o segundo fator foi que só fui menstruar após 1 ano e 4 meses após o nascimento do benjamin, há quase 1 ano. desde então,  devo ter menstruado 5, no máximo 6 vezes.

já tem um tempo, mas não lembro exatamente quando foi que paramos de evitar a concepção.

mas foi apenas há 2 meses que decidimos que tentaríamos de verdade.
tão de verdade, que até anotei a data da última menstruação: 2 de setembro.
passado o período sangrento, começamos.
eu sabia que essa história de ficar deitada após o coito (adoro falar coito), levantar a perna, erguer o quadril era lenda. mas não consegui resistir e fiz tudo isso. de um modo mais discreto do que quando tentei engravidar do benjamin, mas fiz (quadril levemente erguido. pernas só dobradas para cima. deitada na cama depois do coito só por alguns minutinhos).

em toda a minha vida fértil-sexual eu sempre achava que estava grávida até menstruar. isso porque meus sintomas de tpm são muito parecidos com os de gravidez: alterações de humor, menstruação atrasada (o meu ciclo é irregular mesmo..), desejos  (especialmente por doces), vontade constante de ir ao banheiro, inchaço na barriga, etc, etc.
pra ser sincera, acho que tenho mais sintomas de gravidez quando estou de tpm que quando estive propriamente grávida.

inúmeros foram os testes de farmácia e de sangue que já fiz nos últimos anos da minha vida.
nunca tive um positivo de farmácia, por isso, nunca confiei neles.
mas no sábado retrasado eu resolvi tentar outra vez.

explico aqui os meus motivos plausíveis e místicos para tal:

eu comecei a ficar louca. a ficar completamente bipolar. oscilar de humor em poucos minutos. mas, especialmente, comecei a ter incríveis crises de ódio. tudo isso poderia ser caracterizado por uma intensa tpm. começou pouco antes de eu menstruar, mas eu não menstruava, não menstruava, não menstruava.. e eu comecei a ter enjoos noturnos secretos também.
toda noite eu enjoava ao tomar banho. enjoava do calor do banho, enjoava do cheiro do sabonete, enjoava do gosto da pasta de dente. mas como eu já tinha jantado e como já estava prestes a dormir, ignorava o enjoo e ia pra cama.
não contei pro marido nem pra ninguém, porque as pessoas sempre acham que enjoo é o único sintoma de gravidez e que todo mundo que enjoa está grávido.

por alguma razão, estabeleci que se até 25 de outubro eu não menstruasse, iria fazer o teste de farmácia. e, bem, o dia 25 passou e nada. passou 26 também. mas eu estava com uma dor de cabeça muito terrível, por isso pedi pro marido comprar um paracetamol pra mim. e que comprasse o bendito teste também. mas o mais baratinho de todos.
deixei pra fazer no dia seguinte, pra me garantir na primeira urina da manhã.

mas deu 7h da manhã e eu já estava apertadíssima. todo mundo dormindo e eu me revirando na cama tentando voltar a dormir, mas não deu jeito.
peguei celular pra marcar o tempo. abri a caixa do exame.
tentei ler a bula. li, reli. li, reli e cheguei à seguinte conclusão: as bulas só servem pra quem não está grávida. se, assim como eu, você tentou ler a bula e não entendeu nada, o exame já deu positivo. não precisa nem fazer xixi. pode dar a notícia pra família.

mas eu persisti, fiz um micro xixi num micro copinho. era pra esperar 40 segundos para ver o resultado, que poderia sair em até 5 minutos. molhei o palitinho e começou aquela mancha rosa a subir palito acima.

minhas experiências anteriores: mancha rosa, minutos indefinidos, uma primeira listrinha bem suave e 5, 10, 15 minutos e nada além disso.

minha experiência atual: em menos de 10 segundos, mancha rosa e duas listrinhas quase simultaneamente.

meu coração já estava batendo forte desde o momento em que acordei. quando vi as duas listrinhas, ele disparou de vez. certamente bateu mais forte que o coração do meu bebê. guardei o exame, terminei de fazer xixi e voltei pra cama como quem não quer nada. fechei o olho e tentei (claro que só tentei) voltar a dormir. na mesma hora o marido abriu o olho e me encarou.

sorri e senti que meus lábios podiam tocar minhas orelhas. fechei os olhos e enchi o travesseiro de lágrimas.
claro que só de lembrar eu já sinto isso tudo novamente.

depois decidimos contar pro benjamin. foi ele que orou comigo pedindo pro papai do céu um irmãozinho ou irmãzinha por muitos dias seguidos.
aí eu comecei: filho, lembra que você pediu pro papai do c… e me vi começando a chorar. mudei de assunto e deixei pra outra hora. senão era capaz dele achar que eu tava triste ou machucada.
então mais tarde eu recomecei:
– filho, o que é que você andou pedindo pro papai do céu? 
no que ele responde:
pa ele tilá a meleca do meu naniz – ele andou gripado e, espontaneamente, fez uma oração pedindo isso.
também, filho, mas lembra que você pediu um irmãozinho ou irmãzinha? o papai do céu ouviu e colocou um bebê aqui dentro da minha barriga!
sua reação foi meio qualquer reação. acho que se eu dissesse que ia dar pipoca pra ele, ele ficaria mais contente. ahahahha!

demorou a cair a minha ficha. mais precisamente quando, 3 dias depois, fui à ginecologista. refazer o caminho para lá, sentar naquela sala de espera, contar a ela sobre a gravidez, receber solicitações de exame, ir pro laboratório, tirar sangue, aguardar por horas para o resultado sair na internet. antes mesmo de ler o resultado, a certeza já tinha chegado.

mas foi só quando tive certeza que comecei a contar timidamente para as irmãs, a mãe, o pai, a família do marido, os amigos mais próximos.
confesso que senti preguiça de contar. de ter que ouvir parabéns, de responder pra quando é e como o benjamin reagiu.
mas conforme fui contando, a preguiça foi passando e compartilhar essa alegria com outras pessoas virou algo bom.

e como já sei que alguns de vocês estão se coçando para fazer essas perguntas, vou responder algumas aqui (que aí, quando outras pessoas me perguntarem, eu só mando o link. ahahha!)

  • foi muito planejado.
  • a data prevista de parto é 24 de junho, quando o bebê completa 40 semanas. mas, levando em consideração que o benjamin nasceu de 37 e corre o risco deste adiantar também, estou me planejando pra primeira ou segunda semana de junho.
  • vou tentar parto natural e sim, planejo mudar de médica. mas médicos naturais e humanizados não aceitam plano de saúde. pelo menos nunca ouvi falar de nenhum em brasília. alguma indicação?
  • o benjamin está reagindo normal, afinal, acho que ele ainda não sacou direito o que está acontecendo. ou pelo menos ainda não entendeu o que é que ele tem a ganhar e a perder. ora ele diz que tem um neném na minha barriga, ora diz que tem um na barriga dele. e agora ora agradecendo pelo bebê. também pede pra conversar com a minha barriga e diz que ela vai crescer, crescer, crescer e ficar bem gandona.
  • eu já tenho um palpite quanto ao sexo do bebê. mas não vou falar. lá lá lá.
  • e mesmo assim, não estou querendo nada. se vier menino ou menina será igualmente um bebê querido e amado por nós.
  • nomes, nem pensar. praticamente todos os nomes da minha lista anterior foram descartados e atualmente minha imaginação está escassa. não aceito sugestões. obrigada.
  • sim, estou enjoando. não muito. não cheguei a vomitar, mas por várias vezes eu perco a fome. especialmente pela manhã. feijão e alho, por favor passe longe de mim.
  • o cansaço está grande também. por mim eu dormiria o dia inteiro. mas não dá.
  • estou tendo desejos. o meu primeiro foi por um bolo de limão siciliano e eu nem sabia que estava grávida. comprei os ingredientes duas vezes mas nunca tomei coragem de fazer, por pura preguiça. usei os limões para outras finalidades e agora estou completamente enjoada de limão siciliano. não posso nem sentir o cheiro.
  • o benjamin ainda está mamando e eu estou confusa quanto ao desmame. o único fator decisivo para que eu o desmame nada tem a ver com o bebê na minha barriga, mas com a minha alimentação, que é muito restrita por causa da aplv dele, que persiste. não fosse por isso, acho que amamentaria o benjamin por mais muito tempo. morro de vontade de amamentar dois filhos simultaneamente.
  • ainda não estou com nada de barriga, então foto de pança só daqui a uns 2 ou 3 meses (;

conforme mais perguntas surgirem, eu acrescendo as respostas aqui.

Related Posts with Thumbnails

categorias: amor, constança

assine nosso feed ou receba por email


55 Comments »

  1. eiii .. gostaria de saber se com o bejamin voce tambem teve dificuldade?

    Comentário by ttalyara — janeiro 22, 2013 @ 8:11 pm

  2. comecei à pouco tempo a seguir o teu blog, por isso se falaste disso noutro post, desculpa. a pergunta é – neste post disseste "eu já tenho um palpite quanto ao sexo do bebê. mas não vou falar. lá lá lá." e qual era o feeling? 🙂

    Comentário by Rhiha — junho 18, 2013 @ 2:15 pm

  3. Um filho é sempre motivo de festa e alegria na família.

    Comentário by ketina — setembro 4, 2014 @ 12:56 pm

  4. Só alegria.

    Comentário by ketina — setembro 24, 2014 @ 12:43 pm

  5. Importante o trabalho das Doulas até o parto. Depois do nascimento do bebê devem aconselhar mãe e pai para levar o bebê a um pediatra e tomar as vcinas BCG e Hepatite.

    Comentário by Aluizio Ferreira Palmar — março 1, 2015 @ 7:12 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*