04 de setembro

entre mães

por luíza diener

entremaes

quando o blog surgiu, eu não tinha a intenção de nada, só de escrever aleatoriamente sobre minha intensa vontade de engravidar e de me tornar mãe. quando engravidei e especialmente depois que joca nasceu, comecei a usar o espaço como um local para desabafar e me vi diante de pessoas que passavam exatamente pelas mesmas coisas que eu. usar meu blog para buscar e gerar identificação foi ótimo, mas logo me deparei com uma leitora usando a expressão “formadora de opinião” e, por mais que eu não tenha curtido muito aquilo e não concordasse com o fato de que o que digo forma a opinião de outra pessoa, notei que o que dizemos publicamente pode ajudar os outros. foi justamente a palavra ajudar que me motivou a escrever textos que eu não tinha coragem de compartilhar. percebi, então, que no momento que o tornasse público, outras mães que já viveram ou vivem aquele momento poderiam ser ajudadas de alguma maneira.

mas acontece que, querendo ou não, em um blog permanece a opinião de quem o escreve, sendo que nem sempre a minha ideia sobre alguma coisa está certa. e foram justamente os comentários e e-mails das leitoras (alguns extremamente fofos que me levaram às lágrimas e outros desaforados que quase me tiraram do sério) que muitas vezes me fizeram reavaliar meus conceitos e repensar minha postura diante de alguns temas.

não existe opinião absoluta sobre nada e o que mais tenho aprendido é que uma mãe não se faz sozinha. é preciso, primeiramente de um filho. mas depois vêm os amigos, a família, o médico, a vizinha, uma estranha que solta um conselho no meio da rua, um livro, um blog. cada pequena coisa constitui a mãe que somos, mas ouso dizer que ninguém entende melhor uma mãe que outra mãe. pode ser a mãe que acabou de ter seu primeiro filho ou aquela que já tem quatro. a sua mãe ou a mãe da sua mãe. aquela super liberal ou a rígida. uma mãe nasce junto com um filho, mas é entre mães que elas se fortalecem. entre mães ouvi outras histórias, muitas dúvidas, medos pequenos ou grandes. entre mães eu rio, choro, me emociono. entre mães eu me sinto uma mãe de verdade, sem o peso de formar a opinião de ninguém. entre mães posso conversar coisas que talvez teria vergonha de falar na frente do meu marido, ou mediria as palavras pra não assustar quem ainda não tem filhos.

eu nutro um sentimento gigantesco de gratidão por todas as pessoas que passaram e passam pela minha vida todos os dias, quer elas fiquem, quer se vão. e nesse momento onde a maternidade é praticamente o ar que eu respiro, é entre mães que eu encontro forças para seguir essa caminhada tão difícil e tão gostosa.

 

 

* * *

este post é um oferecimento da Dermodex, que acaba de lançar o aplicativo Entre Mães. um espaço criado exclusivamente para as mães trocarem dúvidas, dicas e informações sobre a gestação, os filhos e o que mais surgir.

conheça mais em http://goo.gl/1K1DRc

Related Posts with Thumbnails

categorias: para mães, psicologia autodidata introspectiva, publicidade

assine nosso feed ou receba por email


7 Comments »

  1. Olá, fiz um post no meu blog indicando 5 blogs maternos que sigo.Meu blog nem é materno,mas desde que me tornei tentante eu falo algo sobre o assunto.Um dos blogs é o seu, como coloquei uma foto de vocês com os filhos achei bom avisar, afinal é a imagem de vocês.Se quiser dar uma olhada e quiser que eu tire a imagem só avisar que faço.^^
    http://www.linguafeminina.com.br

    Comentário by Julia Gomes — setembro 4, 2014 @ 10:34 am

  2. Lindo texto.

    Comentário by Ana — setembro 4, 2014 @ 12:21 pm

  3. Nós escrevemos o que sentimos e o que nós sabemos. Parabéns pelo post.

    Comentário by ketina — setembro 4, 2014 @ 12:47 pm

  4. Luísa,

    Não sou mãe, e depois de conhecer seu blog acredito que estou mais perto de ser do que imaginava, rsrs.
    Confesso que no primeiro dia que cheguei aqui perdi grande tempo do meu trabalho querendo devorar todos os textos.
    Adoro tudo que você compartilha.

    ps: o que me trouxe aqui foi o parto natural em casa da sansa, achei incrível!

    Um beijo, e boa trajetória!

    Comentário by Nicolle — setembro 4, 2014 @ 2:25 pm

  5. Oi Lu! Eu quase nunca comento, mas eu tô sempre aqui… e hoje eu queria que vc soubesse disso… eu faço parte dessa corrente.. rs.. eu tô sempre aqui e vc também tá sempre comigo.. lembro de sua opinião no dia a dia e até meu pequeno (de 3 anos) já sabe quem é o Joca de tanto que eu comento sobre vcs.. rs.. Durante essa minha pequena caminhada de mãe, eu tenho percebido que parece que nós mães estamos todas ligadas de alguma forma por alguma coisa que não conseguimos explicar.. (um cordão umbilical gigante talvez.. rs.. ligado ao Criador, certeza!) Percebo que conseguimos sentir a dor de outra mãe como se fosse nossa mesmo.. assim como nos alegrar com uma pequena conquista também… enfim, gosto muito de te "ler" pois geralmente nossas opiniões são parecidas e porque também gosto de olhar "leve" pra vida, sabe? Que essa "amizade" seja grande.. cresça sempre.. e seja doce.. 😉 #tamojunto Beijo nocês! <3

    Comentário by Rosana Carneiro — setembro 5, 2014 @ 9:18 am

  6. Que lindo texto, Luísa.

    Leio o blog desde antes do Joca nascer e aprendo e reflito muito.

    Agora sou mãe de uma menininha de 2 meses e concordo totalmente.

    Este acolhimento que há entre mães nos faz muito bem, fortalece muito.

    Até uma simples troca de olhares, quando uma mãe cruza com outra na rua, carregando os bebês, é reconfortante.

    Agradeço muito poder refletir junto.

    Grande abraço

    Comentário by Helena — setembro 6, 2014 @ 12:43 pm

  7. Adorei o blog, o modo como escreve e o layout.
    Este post é muito importante para quem é mamãe ou tem a pretensão de ser.
    Vou acompanhar.
    Beijos

    Comentário by Karina — setembro 15, 2014 @ 11:33 am

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*