fase oral

no almoço foi a haste do óculos.
na janta, o vaso de planta.
a cortina, a toalha de mesa.
tudo vira sobremesa.

num dia foi o cabide,
no outro o patinete.
se deixar, essa criatura
chupa até gilete.

o pote, a colher, o ipod.
leva à boca o que pode e o que não pode.
a tomada e o fio do telefone.
quem vê até pensa que está morrendo de fome.

comeu a capa do livro e um pedaço da partitura.
isso que eu chamo de fome de leitura!
abocanha o balanço do parque
como quem degusta um delicioso chocolate.

do vestido mastigou o forro.
areia da praia e até cocô de cachorro.
gosta de correr perigo
quando encontra e quase engole caco de vidro.

alguns diriam que escrevo sobre constança.
mas esse poema é sobre outra criança.
ele lambe o chão e o batente da porta.
me refiro, meus queridos, ao nosso amigo benjoca.

disseram-me que essa fase passa,
mas cansei de esperar.
vou comprar uma mordaça.

Related Posts with Thumbnails

15 comments

  1. No meio desse ano, o filho de uma amiga nossa (na escola) colocou uma pedrinha (minúscula) dentro do ouvido… graças a Deus deu pra tirar sem prejudicar. Mas o susto foi grande. Diz pro Benjoca, que eu acompanho ele pelo blog, e pra mim ele já é um rapazinho, não pode por tudo na boca. (Ele é uma graça). Bjos

  2. Meu deus, tem q ver minha cara de desespero lendo esse lindo poema. Tipo, o meu já está há uns 8 meses nessa tal fase oral q não passa, então já viu né, acho que vou aderir à mordaça tb… adora o controle da tv e as rodas dos carrinhos

  3. REMOVE THE IMMAGE URGENTLY !! u dont have any legal rights to post this immage, u dont have parent accept to public his child face, u have STOLLEN the immage from flickr.com and deleted the watermark.
    the image is available for sale at gettyimages.com
    legal measure will betaken unless u remove this picture.
    thx
    ralucahphotography.ro

  4. Pingback: Draguinha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *