26 de setembro

fui ali cuidar de mim

por luíza diener

chuveiro

desde que me tornei mãe, a última das coisas com que me preocupo é comigo mesma. se eu pudesse listar minhas prioridades neste último ano, elas se resumiriam a:

  1.  cuidado – zelar pela educação e saúde dos meus filhos.
  2. provisão – cuidar para que não falte comida a eles, bem como roupas para vestir e amor no coração.
  3. trabalho – ou seja, o blog.

eu ter deixado de trabalhar de forma convencional não significa que eu tenha parado de trabalhar, pelo contrário.
porque tem aquele trabalho não remunerado, que é ser mãe, e tem o trabalho que traz comida pra casa, que é o blog. “só” esses trabalhos já têm sido suficientes pra me consumir dia e noite (literalmente) e eles englobam os três pontos das prioridades mencionadas acima.
do momento que eu acordo até a hora que meus filhos dormem, meu mundo gira, direta ou indiretamente, em torno deles. pensa que quando dormem isso acaba? aí chega a hora de cuidar do meu relacionamento com o marido: jantamos juntos, conversamos, assistimos alguma série.
mas ultimamente o trabalho tem sido tanto que nessa hora lá vou eu escrever coisa, responder coisa, resolver coisa. algumas vezes eu resolvo um ou outro afazer da casa também, porque senão acumula demais.
mas oba! final de semana tá chegando! muitas vezes conseguimos, sim, descansar no sábado, mas é raridade. geralmente é festinha de aniversário, evento ou atividades em família. uma vez por mês eu saco minha máquina de cortar cabelo e raspo aqui a lateral da cabeça. às vezes aproveito e corto o cabelo do benjoca e voilá! o ápice do cuidado com minha aparência!

toda vez que me sobra um tempo livre eu já penso no que posso fazer com ele (ao invés de aproveitá-lo). é sempre uma coisa pra resolver: da casa, da família, dos filhos, do blog.
durmo quase duas da manhã todos os dias porque fico tão eufórica que gasto meu tempo fazendo nada (olhando facebook, olhando coisas no aliexpress, jogando candy crush), só pra achar que tenho um tempinho pra mim. seis e meia da manhã já estou de pé.
e pra ser bastante sincera, isso tá acabando comigo.

essa semana me olhei no espelho assim que acordei (hábito que perdi há um bom tempo) e me deparei com uma caveira: as olheiras fundas, o rosto pálido e magro de quem não chegou a dormir quatro horas durante a noite (e ainda acordou pra amamentar). foi bem estranho.
mais tarde passei um corretivo e um blush, só pra me sentir melhor comigo mesma.

aí hoje de manhã sobrou um espacinho de tempo e hilan conseguiu ficar em casa. pensei em escrever um post (lá vai a workablogger de novo) mas não me ocorreu nada. então decidi tomar banho e lavar o cabelo.
to com tempo livre, né? então vou usar um shampoo anti resíduo, porque ele tá muito pesado. duas vezes, pra garantir. agora um condicionador bem hidratante e deixa agir, pra deixar a peruca macia. aí vi a gilette do marido novinha, acompanhada de um creme de barbear sensacional e cheiroso. olhei pra eles, olhei pra minha perna cabeludona e não tive dúvidas: espuma, lâmina, espuma, lâmina, espuma, lâmina… as duas pernas lisinhas!
enxaguei o cabelo, as pernas e a alma. saí do chuveiro refrescada e dois quilos mais leve. catei a maquininha de depilar pra arrematar a obra e aproveitei pra tirar a mata do sovaco e aparar a cabeleira lá embaixo.
a essa altura eu já estava me sentindo culpada e egoísta por ter deixado hilan com a sansa pra cuidar um pouco de mim. abro a porta do banheiro e me deparo com ele dormindo no sofá da sala, ela dormindo no quarto e tov dormindo na varanda.
então decido cortar as unhas. eu, que sempre o faço sentada no chão enquanto os meninos brincam e se digladiam, tive a dignidade de cortar as unhas no sofá e ainda lixá-las e usar um palito para limpar os cantinhos e empurrar as cutículas.
pra arrematar, limpei os ouvidos com cotonete. se eu te contar o que saiu de lá, você morre de nojo, então vou deixar sua imaginação trabalhar sozinha.

fiquei tão empolgada e inspirada por ter feito tudo isso por mim sendo que são coisas mais que triviais que faço pelos meus filhos diariamente (guardadas as devidas proporções e necessidades, porque eu não depilo criancinhas não, tá, gente?! ahahah) e eram cuidados tão banais pra mim antes de ser mãe.

é curioso isso de vida de mãe. eu não diria que é uma vida de privações, mas de constantes doações. quanto mais eu me vejo imersa nesse mundo, mais tenho certeza de que não vou – e nem quero – sair dele. quanto mais converso com pessoas que são solteiras ou não têm filhos, menos eu sinto que tenho algo do que me envergonhar (porque sim, eu já me peguei meio que com vergonha de contar minhas histórias de mãe aos amigos sem filhos e eles acharem minha vida monótona).
se antes eu achava lindo uma mulher toda bonita, produzida e bem sucedida, hoje acho lindo de encher os olhos uma mãe com olheiras, andando na rua segurando um filho no braço, outro no colo, cheia de bolsa, mochila ou seja lá o que for pendurado.
olho pra minha sala sempre cheia de livros infantis e brinquedos e penso “aqui tem vida!”. olhar pro banco de trás do carro e ver duas cadeirinhas, então, é algo que até hoje me emociona de verdade!

não que seja sempre fácil, não que eu sempre sorria quando escorrego num livro, piso numa peça de lego ou preciso interromper meu almoço inúmeras vezes até, por fim, engolir correndo qualquer coisa já gelada no prato porque tenho que trocar a fralda de uma ou limpar o bumbum de outro.
mas há, sim, muita beleza e poesia nessa vida maluca de ser mãe.

e há ainda mais prazer quando, no meio de tantas doações, eu consigo valorizar esses pequenos momentos em que paro e cuido um pouquinho de mim mesma, ainda que depois eu corra pra contar tudo pra vocês aqui no blog ; )

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: desperate housewife, mães extraterrestres, para mães, psicologia autodidata introspectiva

assine nosso feed ou receba por email


17 Comments »

  1. Faço minhas as tuas palavras, aqui é igual! Eu trabalho fora, acordo meu filho de 4 meses as 6 da manhã e só voltamos pra casa as 20hs. Quando chego em casa pareço um vendaval louca, tentando aproveitar os poucos momentos pra resolver/limpar/organizar muita coisa. (Nunca dá tempo de fazer td)
    Quando consigo fazer as unhas eu penso: Nossa, sou uma mãe gata rsrsrsrs
    É, essa é a nossa vida, pqp! auhaiuha
    um beijao!

    Comentário by Mah — setembro 26, 2014 @ 5:18 pm

  2. Engraçado! Achei que só eu me sentia "bem cuidada" depois de um banho demorado, mesmo morrendo de remorsos por estar fazendo algo por mim!
    Precisamos dessas escapadinhas, por mais ingênuas que elas sejam! Bjo!

    Comentário by Renata Martins — setembro 26, 2014 @ 6:41 pm

  3. Que linda! 🙂

    Comentário by Carolina Souza — setembro 26, 2014 @ 7:54 pm

  4. sou dessas! hahaha me identifiquei demais

    Comentário by remfernandes — setembro 26, 2014 @ 7:57 pm

  5. Hahahah eis a melhor! Sábado passado tomei meu banho e deixei o marido com a pequena. Mas demorei… Ele foi até a porta pra ver se estava tudo bem. E os remorsos achei que era somente eu que tinha. Hahaha

    Bjoo

    Comentário by Grazi Fontanella — setembro 26, 2014 @ 9:17 pm

  6. E bem assim eu só consigo tomar um bom banho quando meu pequeno dorme…ele não fica muito tempo com o papai quando sente minha falta chora horrores. ..parei de trabalhar para cuidar dele acho que foi ótimo mas as vezes acho que foi ruim pôs ele ficou muito grudado comigo. ..

    Comentário by bianka — setembro 26, 2014 @ 10:30 pm

  7. Chorei.

    Comentário by Fran — setembro 26, 2014 @ 10:38 pm

  8. Eu amo sábado e domingo pq meu marido está em casa e me ajuda com Cecília que tem dez meses. Nesses dois dias eu posso tomar um banho beeeeeeeem demorado, passar shampoo duas vezes, me depilar inteira sem me preocupar com mais nada. É muito bom e importante esses simples momentos e amigos sem filhos não entendem.

    Comentário by fabrinadutra — setembro 27, 2014 @ 9:29 am

  9. aêeeee lú! agora pode participar do desafio "foto sem make que nada, quero ver é foto das pernas e do sovaco" hahahaha <3
    eu ainda vou me permitir tudo isso… beijos

    Comentário by Alê De Sousa Ferreira — setembro 27, 2014 @ 10:11 pm

  10. Me sinto linda só de conseguir tomar banho. Tem dias que vou tomar banho uma da manhã, e outros que capoto e só lembro do banho no outro dia…

    Mas é assim mesmo, uma doação interminável. O mais lindo é que existe sim uma remuneração. Somos pagas todos os dias. Ao ver os filhos crescerem bem, formarem seu caráter; e o melhor, fazer parte disso!! Não existe recompensa maior.

    Amor, amor e amor!

    Comentário by paula — setembro 28, 2014 @ 9:23 pm

  11. Nossa lavar o cabelo é o auge. Antes tinha q lavar todos os dias pq meu cabelo é oleoso, agora lavo a cada dois ou tres dias e em dia q lavo cabelo não lavo direito o resto.. Rs depilaçao nas pernas é besteira, nas axilias entao… Minhas sobrancelhas parece q tenho 12 anos de novo e lembro de qdo tiravam sarro de mim na escola… Mas nunca fui tao feliz na vida, nunca me senti tão linda e amada e não paro de pensar em qdo vamos encomendar o segundinho… Rs <3

    Comentário by Aline — setembro 28, 2014 @ 11:58 pm

  12. “Aqui tem vida”
    Que lindo!
    Mha casa ainda nao está bagunçada de brinquedos, mas meu tempo tb eh dividido entre mha vida e a do meu filho de 20dias!!! 🙂
    (Fazia 5dias q não penteava meu cabelo, que horror! Pior foi pular p dentro do banheiro no mesmo instante q o neném pegou no sono e ficar o tempo todo achando q ele vai chorar heheh…)

    Adaptaçao
    Amor
    Doação

    Mãe!

    Parabéns a todas que engolem uma comida fria, penteiam os cabelos dia sim, dia nao, usam cotonete de vez em nunca, mantém a casa e os filhos assíduos e saudáveis! É muito amor!!!

    Comentário by Maria — setembro 29, 2014 @ 2:48 am

  13. oi Luiza…. tive q compartilhar, cara!!! chorei lendo seu texto… pq parece q me vi aí!!!
    tenho um mulequinho de 4 anos e outro de 11 meses… e eu ainda tenho todo esse apego, essa dedicação e essa culpa se tenho q me ausentar pelo tempo de um banho com direito a lavar os cabelos… rsss…
    eu acompanho vcs desde sempre…… e um dia, quem sabe, conheço vcs pessoalmente… eu ia adorar!!!
    obrigada por traduzir em palavras tudo o q está no meu coração.. hahahahaha…

    bjus pra família!!!

    Comentário by Ana Paula — setembro 29, 2014 @ 9:19 am

  14. Nossa Luiza você me descreveu, embora tenha apenas um filho de 3 anos…
    Eu entro em casa e já vou pegando um sapato aqui, um brinquedo acolá…. e quando me dei conta já se foram horas…
    esse ano consegui voltar pra academia, mas detalhe: procurei uma academia que fazia Circuito, que dura em média 30/35 min…. não mais do que isso. Senti a necessidade de cuidar de mim, quando me dei por conta estava em fragalhos, virada do avesso… ainda estou conseguindo manter minha rotina assim, vamos ver por quanto tempo…. ou até vir o segundo filho kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Comentário by Camila — setembro 30, 2014 @ 8:16 am

  15. Lindo post!

    Adoro dar mamá depois de tomar banho, quando estou limpinha para o meu bebê. Pena que nem sempre consigo!

    E fazer a unha, então?! Ha 4 meses minha mão não vê um alicate de cutícula, está horrivel. Mas ver meu bebê sorrindo me faz esquecer de tudo!

    Comentário by Juliana — outubro 7, 2014 @ 2:55 pm

  16. Cara, morri de rir com este post.. Me vi inteiramente nele, principalmente na parte de cortar as unhas… Porque em casa são SESSENTA unhas pra cortar!!! Sim, marido não sabe cortar as unhas e quem corta sou eu. Junta as da Valentina e as minhas e pronto. Só que eu acabo cuidando deles e a minha mesmo "deixa pra quando eu tiver tempo" (leia-se, quando o pé doer feito não sei o que quando coloco tênis com a unha estilo Mojica). Dito isto, confesso que meu orgulho de mim foi imenso quando consegui parar no carnaval e fazer as unhas, E PINTAR!!! Nem sei quanto tempo fazia que meu pé não sabia oq era um esmaltezinho decente rsrsrs
    #mãelouca #tamojunto 😛

    Comentário by Cláudia — março 2, 2015 @ 1:51 pm

  17. Tenho dois filhos, trabalho e me cuido! Não ando de unha feia, sem depilação jamais! Faz parte do mundo feminino se adornar, não é só cuidar dos outros não! Eu adoeceria mentalmente se tivesse uma vida só de dedicação aos filhos sem fazer minha academia, sem me cuidar também, e ter uma mãe satisfeita tb é bom pros filhos!

    Comentário by Lorena — setembro 29, 2015 @ 1:54 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*