07 de fevereiro

como meu filho salvou minha alimentação

por hilan diener

minha mãe sempre reclamou da minha alimentação. dizia que eu era muito enjoado para comer.

realmente, eu não comia nada, nada de bom. só tranqueira. afinal, tranqueira para mim sempre foi mais gostosa e saborosa do que qualquer coisa verde ou livre de gordura saturada.
eu não gostava de nenhuma espécie de fruta, verdura, legume ou coisa verde.
eu gostava mesmo era de pão com manteiga e leite com toddy. ah! tinha danoninho também.
afinal, por que eu iria comer uma coisa verde se existiam outras coisas com cores e sabores bem mais atrativos, com embalagens cintilantes e cores “cheguei” oitentistas?
logicamente minha mãe não entendia isso.

entendeu o contexto, né? agora, me permita pular uns 20 anos. mais precisamente quando a luíza ficou grávida.

a partir de então comecei a ler sobre alimentação na gravidez e descobri que a culpa de preterir certos alimentos não era minha – pelo menos não totalmente minha – e sim da minha progenitora, tadinha.
é um bom clichê por a culpa nos pais, né? freud explica.

eu imaginava que o útero materno era um local seguro e blindado contra o mundo externo. ledo engano.
uma nova safra de estudos – baseados nos avanços da genética – está ajudando os pesquisadores a entender por que aquilo que as mães comem tem o poder de influenciar na saúde do filho até mesmo na vida adulta.
as pesquisas sugerem que a alimentação materna pode moldar o funcionamento do organismo do bebê para o resto da vida. com isso na cabeça, logicamente fui perguntar pra minha linda e querida mamãe o que ela comeu durante minha gestação e bingo! ela teve inapetencia e sua dieta foi super restrita. para piorar eu não tive uma amamentação completa: o leite dela secou.
ou seja, todas as vezes que um quadro desses acontece, nasce um sorriso no rosto de um ronald mcdonald.

depois de casar, passados os primeiros anos de empolgação da luíza como dona de casa (ela fazia faxina todo dia, lavava, passava a roupa e sempre tinha uma comida na geladeira, além de sobremesas à vontade), nossa geladeira passou a ser ocupada basicamente por porcarias prontas e congeladas. enquanto eu trabalhava longe de casa, meu almoço era basicamente nas famigeradas praças de alimentação de shoppings e correlatos.
na janta, delivery na certa.

mas nem tudo estava totalmente perdido… a coisa começou a mudar depois que o benjoca saiu da amamentação exclusiva e começou a introdução dos sólidos. então, na geladeira – no lugar das tranqueiras – começaram a aparecer umas frutas aqui, umas verduras ali. a maior parte do quitanda fácil.
a princípio, tudo orgânico e sem agrotóxicos. sem falar nos sucos e almoços com pratos bem equilibrados.
a luíza sempre foi muito cuidadosa ao preparar a comidinha pro benji, balanceada com carboidratos, proteínas, verduras, legumes e grãos. por consequência, ao invés do benjoca comer a nossa comida, começamos a comer a comida dele (por sinal muito excelente e saudável).

enquanto escrevo esse post me lembro que ontem. dando café da manhã para o benjamin, ofereci para ele uma pêra. comemos eu e ele. ele mandou pra dentro grande parte da pêra e eu, o resto.
depois passamos pra maçã. mesma coisa: cortei uns pedacinhos para ele e fiquei com o resto.
não satisfeito, chegou a vez da banana. comi um pedaço e  ele devorou o restante.
no lanche da tarde, comemos muitas uvas. ele, luíza e eu.
benjoca come uva numa voracidade incrível.
hoje, no café da manhã, foi a vez de comermos melão.
estava delicioso e bem docinho. parecia até tranqueira, de tão bom.

toda vez que estou comendo um fruta ou algo que não tenha embalagem, me sinto estranho, como se não fosse eu.
é um movimento que não é automático, não me parece natural. afinal, é muito dificil quebrar hábitos que foram repetidos por uma vida inteira.
mas mesmo estranhando os novos sabores e me forçando a conhecê-los (tanto para dar o exemplo para o benjoca quanto por estarem perto e acessíveis), percebo que se não fosse por ele (e pra ele), isso não iria acontecer.

mal sabe ele, no ápice de sua bebezura, o quanto tem causado uma pequena, mas incrível transformação em mim.

digo pequena porque ainda não sou o mister boa alimentação.
mas com certeza estou melhor que antigamente.

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: pai feito

assine nosso feed ou receba por email


12 Comments »

  1. Aqui em casa isso tambem aconteceu… como nos mudamos ne?

    Comentário by Nayara — fevereiro 7, 2012 @ 8:26 am

  2. Parabéns pelo esforço e parabéns pro Benjamin pela revolução em casa!

    Comentário by Casal Único — fevereiro 7, 2012 @ 8:58 am

  3. Acho que isso vai acontecer ainda aqui… minha alimentação é péssima, estou tentando mudar agora na gravidez… mas se pudesse eu vivia de toddynho e pizza! heheh
    Mas estou otimista após ler esse post… acho que aos poucos vou me adaptando…
    😛

    Comentário by Maylu — fevereiro 7, 2012 @ 9:09 am

  4. se me falassem que eu iria comer frutas e verduras um ano atras, não acreditaria. vai por mim

    Comentário by HilanDiener — fevereiro 7, 2012 @ 9:10 am

  5. melhor coisa do mundo mudar por eles! beijos

    Comentário by Mamãe do Otávio — fevereiro 7, 2012 @ 10:14 am

  6. Estou precisando muito melhorar isso por aqui!
    Eu AMO frutas, mas isso não quer dizer que as como com tanta frequência, afinal, é muito mais fácil abrir um chips ou um biscoito do que lavar, descascar e picar a fruta.

    Com isso, a Lara não tem muito exemplo, mas eu também não a deixo me ver comendo porcarias.
    Estou precisando é melhorar minha alimentação urgentemente, para a Lara melhorar a dela ainda mais, porque, por enquanto de fruta, só melancia e suco de limão e laranja.
    Pelo menos legumes ela come, e eu também. Já as verduras… na-não!

    Comentário by Maria Thereza — fevereiro 7, 2012 @ 12:42 pm

  7. É isso aí, filho vem para nos ensinar e nos ajudar a melhorar!!
    Com esta mudança aqui, fico pensando na de vcs. Sei o quanto é penoso por aí, mas quero que saibam que torço muito para que enxcontrem um bom cantinho para os 3, viu?
    Beijos

    Comentário by Paloma — fevereiro 7, 2012 @ 2:30 pm

  8. Super Benjoca, super filhos que nos fazem até mesmo gostar de brócolis, espinafre e chuchu!!!! Aqui em casa foi a mesma coisa! bjs

    Comentário by Marina — fevereiro 7, 2012 @ 6:13 pm

  9. Adorei o site, e os produtos então…amei!! Fiz um post sobre a roleta no meu blog.
    bebecomestilo.blogspot.com
    Bjs
    Carol

    Comentário by Carol Barros — fevereiro 7, 2012 @ 7:21 pm

  10. Ameii o post!!! Acontece o mesmo conosco…Pri Mamãe e Manu Baby…
    Beijinhos para vcs

    Comentário by Priscila Reges — fevereiro 8, 2012 @ 12:16 am

  11. Meu sonho!!! Quem sabe quando eu não tiver um filho meu marido muda também??? Porque não sei como alguém sobrevive todos os dias com frango e arroz…rs..

    Comentário by Ingrid — fevereiro 8, 2012 @ 9:19 am

  12. A Denise me indicou este texto, por meio do blog vida de gestante. Adorei e é um super estímulo para meu marido.

    Comentário by Ana Martha — março 9, 2012 @ 1:14 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment