19 de julho

jumento

por hilan diener

existe uma antiga história que ouvi, chamada o moleiro, o filho e o burro.

vamos a ela:

havia em uma aldeia um homem muito pobre que vivia em companhia de seu único filho. um dia, a fome chegou ao extremo e não tendo dinheiro para comer o homem decidiu vender um burro, único animal que possuíam e que lhes podia reder algo. o pai, então, chamou o filho e lhe disse:

– filho, vamos levar nosso burrinho para a feira.
– sim, pai.
– eu decidi o seguinte: para que o burrrinho não fique muito cansado e chegue à feira com mau aspecto, vamos amarrá-lo em um varal e levá-lo nas costas.
– está bem, pai. assim o faremos. assim pensado, assim feito. o pai pegou o animal amarrou-lhes as patas no varal e colocou nas costas dele e do filho e lá se foi rumo à feira.
em caminho, ao passar pela frente de uma taberna um grupo de desocupados, ao vê-los, gritaram: o que é aquilo lá? nunca se viu coisa assim! desde que o mundo é mundo, os burros foram feitos para levar pessoas, mas as coisas estão mudando e as pessoas vão levando o burrro. Não se sabe ali quem é o mais burro dos três”.
o moleiro, ouvindo isto, falou ao filho: – filho, aquelas pessoas estão com razão. de fato não tem sentido levar um burro nas costas quando se pode montar nele.
– é isso mesmo, pai.
ato contínuo, os dois pararam, desataram as patas do animal e montaram nele. quando passaram em frente a uma fábrica onde os operários estavam entrando, uma mulher falou indignada:
coitado do burrinho, tão pequeno e carregando aqueles dois bitelões que não têm pena do bichinho.
o moleiro parou e voltou a falar ao filho: – é, meu filho, eu não havia pensado nisto. vamos aliviar o peso do burrinho. você monta e eu vou puxando.
– como quiser, papai.
assim seguiram, certos de que estavam fazendo a coisa correta. perto de uma igreja, o cura que estava na porta, disse com acrimônia: meu filho, que ato perverso. você montado e seu avozinho, já velho e cansado puxando o burro!
desta vez foi o menino que, parando, observou:
– mais uma vez erramos, papai. monte você que eu vou puxando.
– está bem, filho.
e assim a viagem continuou, entretanto, ao passar por uma aldeia próxima à feira, uma jovem, admoestou o moleiro: velho malvado! não tens vergonha? tu repimpado na montaria e o menino ao sol, puxando o burro!
só eu me sinto assim? como o pai da história? criar filho é igual levar um jumentinho. todo mundo tem um pitaco.
Related Posts with Thumbnails

categorias: pai feito

assine nosso feed ou receba por email


15 Comments »

  1. É, Hilan… não tem jeito. Onde a gente vai sempre tem alguém para perguntar e criticar. Ninguém escuta suas razões ou elogia seus feitos.
    Mas nisquenta. A gente carrega o burro como nos bem convier.
    Bjos nos 3

    Comentário by Raquel Gomes — 19 de julho de 2011 @ 4:26 pm

  2. Todo mundo quer dar um pitaco….mas na hora de acordar nas madrugadas….correr para o hospital, ou pagar as contas…ninguém quer saber de ajudar…rsrsrs

    Comentário by mamendes — 19 de julho de 2011 @ 4:28 pm

  3. falou tudo! PAGAR A CONTA DO PEDIATRA NINGUÉM QUER!! to puto!

    Comentário by hilan — 19 de julho de 2011 @ 4:30 pm

  4. Papai Smurf quando chora, ninguém consola!

    Comentário by Janu Schwab — 19 de julho de 2011 @ 4:29 pm

  5. Você apenas transportou para a vida adulta e de pai o que fazem(os) desde cedo: dar conta da vida alheia como se ela fosse nossa. Nunca é. Mas como conselho parece ser coisa boa, rende livros e faz gente rica, ficamos por isso mesmo.

    Mas nisso aí é sempre bom vestir-se de uma certeza: nada é o que parece, Caetano Veloso canta melhor que o Chico Buarque, porém, entretanto, há demasiado amor para ambos. No final, o culpado está dentro de nós, pois a Sandy não ama ninguém. =)

    Beijo no Beiji.

    Comentário by Janu Schwab — 19 de julho de 2011 @ 4:33 pm

  6. Muitos querem tão somente expor suas opiniões e verdades, sem ao menos tentar se colocar no lugar do outro.
    No caso do primeiro filho então, os pitacos são infinitos.
    Qdo a pessoa é mais velha então… acredita ser dona da verdade.
    E por aí vai.
    Adorei a comparação a levar o jumentinho, eu levo 3!
    Adoro o blog!

    Comentário by @lucinha_lu — 19 de julho de 2011 @ 5:09 pm

  7. Texto mto bom!!! To gravida de 4 meses e com medo dos inumeros pitacos que virão pela frente…rs

    Comentário by malu — 19 de julho de 2011 @ 5:20 pm

  8. Ótimo texto! É bem isso. Elogio ninguém dá, mas "pitacos" tem aos montes!!!

    Comentário by Krislley — 19 de julho de 2011 @ 6:18 pm

  9. Oi!!! Amei a estorinha… E eh bem assim mesmo! Mas uma coisa que aprendi jah tarde eh que NINGUEM PAGA NOSSAS CONTAS! Todos, sem excessao querem por o dedo (ou o braco inteiro) onde naum eh chamado! Se fosse pra fazer critica construtiva… NAO! Tambem somos pais de primeira viagem. E com esses palpiteiros… de vez de nos ajudar… nos atrapalham… uns dizem isso, outros dizem aquilo, outros dizem dizem e acabam dizendo NADA… O que eu faco?! Ignoro! Estressar pra que?! Ainda mais com isso que naum tem jeito… onde quer que nos vamos, em qualquer lugar do mundo e em qualquer horario, se tiver um ser humano… esse ser humano vai dar seus pitacos!
    Bjos no Ben!!!!

    Comentário by Thays — 19 de julho de 2011 @ 7:14 pm

  10. Não importa como a gte faça, sempre vai ter alguém pra dizer que tá errado (E isso vale pras várias atividades que a gte desempenha na vida, não apenas a criação dos filhotes). O jeito é confiar na intuição, fazer do jeito que achar melhor e tapar os ouvidos pros pitacos alheios.

    Comentário by Fabíola — 19 de julho de 2011 @ 7:26 pm

  11. jumento e burro não são a mesma coisa né? alguem me ajuda aê! hehehe

    Comentário by hilan — 19 de julho de 2011 @ 7:48 pm

  12. hehehe. Jumento é uma especie. O filho de um jumento com uma égua se chama burro se for macho e mula se for fêmea. =)

    Comentário by Roberta — 20 de julho de 2011 @ 11:20 am

  13. Por aí. E se vc é mãe de primeira viagem, a enxurrada de pitacos é ainda maior. :/

    Comentário by Cris Bispo — 19 de julho de 2011 @ 8:17 pm

  14. óia, rapaz, esse jumento da foto é de raça!

    Comentário by iulo — 20 de julho de 2011 @ 8:26 am

  15. mas que estoria mais besta , nada a ver !!

    Comentário by tanto faz — 23 de julho de 2011 @ 9:12 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment