10 de setembro

mame e desmame

por luíza diener

“o ministério da saúde adverte: o aleitamento materno evita infecções e alergias e é recomendado até os dois anos de idade ou mais.”

com parte desta frase em mente, antes do benjamin nascer eu pensei: ele vai mamar até os dois anos.
mas com o passar do tempo eu decidi: dois anos de idade ou mais.

não pretendo falar e falar sobre amamentação prolongada nem discutir profundamente esse tema pra evitar certas polêmicas chatas que no fim só provocam discórdia e dissensões.

prefiro falar sobre minha experiência pessoal e única entre benjamin e eu.

até que, com uma ou outra rara -e inconveniente – exceção, poucas foram as pessoas que resolveram se opor à minha decisão.
mas parece que, apesar de ser algo pessoal e apesar de todo o embasamento científico e respaldo do ministério da saúde – e da pediatra – ainda assim alguns deram-se ao trabalho de tentar discutir comigo.
digo tentar porque sei que discutir não vai mudar a opinião alheia e eu nem pretendo fazer isso. e ficaria realmente feliz se conseguissem entender que a recíproca seria verdadeira.

tanto que aqui estamos. 2 anos de idade e ele continua mamando.

mas nem tudo são flores na tetalândia.

depois de 1 ano e muitos dentes, aquelas coisinhas brancas atreladas começaram a pesar na minha pele.
ele nunca foi de morder muito, mas de uns tempos para cá, com todos os dentes na boca (às vezes parece que não são 20, mas 40 dentes), eu passei a ser incomodada por eles em pelo menos uma mamada por dia.

na verdade eu não precisei fazer desmame noturno, mas tive paciência de esperar que isso acontecesse naturalmente. com 1 ano e 4 meses ele passou a dormir a noite toda e, depois disso, toda vez que ele acordou à noite (especialmente após largar a chupeta) eu amamentei sem usura, porque toda vez que ele acordava à noite era acompanhado de um “qué mamá, mamãe?!”.

depois de uma certa idade ele parou de mamar em público (não sei ao certo algumas datas, porque foi acontecendo naturalmente, mas creio que foi entre 1 ano e 1 ano e meio). acho que porque já estava comendo bem e dando bastante atenção à comida e aos líquidos. então, se ele sentia fome, eu o alimentava com algo sólido ou dava-lhe algo para beber num copinho.
já que ele mesmo foi adquirindo esse hábito, aproveitei para reforçá-lo. se ele pedia pra mamar, eu simplesmente desconversava com outra coisa. se ele insistia, aí eu conversava.
mas claro que se eu via que não tinha outro jeito (menino morrendo de sono, mas muito estimulado com a agitação local), eu dava de mamar sim. e isso acontece ainda hoje, mas é tão raro que eu conto nos dedos as vezes em que isso aconteceu nos últimos tempos.

também depois de um certo tempo (perto de 1 ano e meio, talvez antes), eu pus fim na livre demanda e as mamadas tiveram sua frequência diminuída. geralmente uma ao acordar, uma para embalar a soneca da manhã, uma no meio da tarde e outra à noite, pra dormir. não era algo fixo, regrado, com horário para acontecer (aqui em casa existe uma ordem dos fatores, mas nada é marcado no reloginho), o que sempre permitiu uma mamada a mais ou a menos sem estresse.

mas o fato é que eu dei esse tempo pra que ele entendesse que meus peitos não estavam mais ali, à disposição plena e constante, até porque antes disso ele estava mamando muitas vezes por dia, por um tempo muito curto e ficava trocando de peito o tempo inteiro, o que era desgastante e muitas vezes irritante.

mudar de assunto quando ele solicita é sempre uma boa saída.
às vezes ele pede pra mamar porque está entediado ou quer chamar atenção.
se isso acontece, por exemplo, quando eu estou trabalhando, ofereço algo para entretê-lo, como um papel e um lápis pra ele desenhar, um livrinho ou brinquedo que ele considere divertido.
mas às vezes eu estou apenas distraída na internet. aí eu paro, converso um pouco com ele, olho-o nos olhos, dou um pouco de atenção e ele volta a brincar sozinho.

levando em consideração que tudo isso acontecia quando ele estava saudável (mas ele só ficou realmente doente uma vez no último ano e nessa hora eu agradeci de coração por ele ainda mamar).

entre seus 22 e 23 meses, as mamadas passaram a ser 3 vezes por dia: ao acordar, para dormir durante o dia e para dormir à noite. se solicitado eventualmente durante a noite, eu continuava a amamentar, mas nunca chegou a tornar-se um hábito (do contrário eu vetaria).

depois de 2 anos completos começou. até minha mãe passou a me criticar. parece que 2 anos era a idade limite para que isso fosse tolerável e de 2 anos não poderia passar. ela não foi a única a criticar, mas com certeza foi a única crítica que me afetou diretamente.
mesmo assim eu optei por não falar nada e não discutir, porque há assuntos na maternidade em que eu sou inflexível – talvez até um pouco intransigente – e sei que levar o assunto adiante pode acabar em briga feia.

agora entendam: eu nunca planejei ter um filho de 3 ou 4 anos que ainda mama, apesar de não me opor a quem o faça.
a ideia sempre foi parar entre 2 e 3 anos. deixando a coisa acontecer de forma gradual, no tempo dele, como tudo que acontece na vida deste pequeno.

mas confesso que de um mês pra cá eu comecei a pensar em outros fatores, por exemplo, a minha saúde.
quando descobri que ele tinha alergia ao leite da vaca, há quase 1 ano, eu mudei minha alimentação radicalmente a fim de conseguir manter a amamentação sem afetar a saúde dele.
fiz o que eu acredito ser o correto como mãe: negar algumas coisas minhas pelo bem estar do meu filho.
pra garantir que minha saúde não seria abalada, peguei um acompanhamento nutricional, mas nunca consegui ganhar peso visto que, além de ter o gasto energético da amamentação em si e do meu metabolismo naturalmente acelerado, eu nunca consegui repor a quantidade de gordura e cálcio que sempre obtive facilmente a partir do leite.
e por falar em negar, planejo engravidar do segundo em breve. mais um motivo para cuidar do meu corpo, para que não falte nada para o próximo.
eu ficaria feliz em ganhar somente 2 quilinhos, mas isso tem sido im-pos-sí-vel.
então prefiro pensar que querer que ele desmame para que eu possa voltar a comer normalmente não é egoísmo meu.

outra coisa que eu fiz foi parar de oferecer.
parece meio óbvio, mas não é.
porque tem o oferecer direto e indireto.
o direto todo mundo conhece. e o indireto?
é criar situações em que ele vai sentir necessidade de mamar. se ele sempre mama no mesmo local e horário e eu não quero que isso aconteça, o jeito é não estar disponível parar que ele passe vontade. e outras situações semelhantes.
e às vezes a gente oferece e nem percebe.
eu já me peguei tão condicionada a dar o peito que ele chorava em determinados horários e eu já ia sacando a teta.
mas parei pra observar e deixei pra amamentar somente no horário e somente se ele pede. se deu o horário e conseguimos nos virar sem ele pedir, tá valendão.

o mais engraçado é que parece que ele percebeu que está na hora de diminuir o ritmo.
eu até mencionei que o peito não durava para sempre, que um dia ele ia crescer e não ia mais precisar mamar.
mas nunca estipulei data. e continuo sem fazê-lo.

em menos de um mês, ele parou de pedir o peito quando acorda à noite.
continuou chamando por mim, mas aí eu sento-me ao seu ladinho na cama, faço um cafuné, dou leves tapinhas no bumbum e nas costas para acalmá-lo (mas se nada disso funciona eu deito ali mesmo na cama dele, durmo junto e só acordo de madrugada. ahahahha!).

e de uma semana para cá – agora já com 2 anos – ele parou de mamar pela manhã.
antes ele acordava umas 5h40 e ia direto para a minha cama. mamava quase 40 minutos e depois ia brincar, feliz da vida (claro que eu ficava exausta).
uma vez eu tinha ido dormir muito tarde por causa de suas acordâncias à noite (é muito mais fácil e rápido botar pra dormir no peito). tão tarde que já estava cedo: umas 5h da manhã.
uma hora depois ele acordou ligadão, pronto pra um novo dia. o marido compadeceu-se de mim e foi acudi-lo.
ao invés de ir direto pra minha cama-peito, o hilan levou ele pra brincar na sala. logo depois deu água, deu comida e eu ganhei um tempinho a mais de sono.
isso se repetiu outra vez no dia seguinte.
aí conversei com o marido e pedi para fazermos disso um hábito.
com isso há mais de uma semana ele não mama de manhã.

teve um dia em que ele ficou quase 30 horas sem mamar, naturalmente.
acordou cedo e não mamou. na soneca da manhã ele dormiu no balanço do ônibus, enquanto viajávamos para visitar a minha avó. não mamou. passou o dia sem precisar mamar e voltamos tarde para casa. pensei inclusive que ele iria dormir sem mamar naquela noite, mas ele acordou, pediu e eu precisei dar porque meu seio direito estava tão empedrado que eu não conseguia ordenhar.

agora restam apenas duas mamadas, ambas reservadas à hora de dormir.
e essa pra mim vai ser a parte mais difícil.
porque já houve tempos em que ele dormia maravilhosamente bem sem o peito. dormia com o pai, com a avó, embalado no meu colo.
mas atualmente ele não dorme no meu colo sem pirar no peito.
ele não dorme com o pai sem se esgoelar chamando por mim.
mas dorme com a vó e com o vô.
“alô, mãe, você quer que eu desmame meu filho? então venha aqui em casa todas as tardes e noites para colocá-lo para dormir. ah, acho que de quebra eu vou aproveitar pra ir ao cinema, pode ser?”
por isso eu comecei a desfazer algumas associações, para facilitar esse processo:
1) mudou o lugar de
mamar
sempre foi em qualquer lugar. depois ficou restrito à casa. depois aos sofás e camas e, agora (começou ontem), única e exclusivamente ao quarto dele. nada mais de mamico no meu quarto.
já que agora mamar é só pra dormir, que fique claro que o lugar de dormir é no quarto dele.
2) deixei um peito secar
há tempos que meu peito esquerdo tava de brincadeira com a minha cara. tava uma quantidade miserê de leite e eu sempre dava preferência a ele quando o joca pedia pra mamar, pra ver se estimulava um pouco.
mas aí resolvi fazer o contrário. parei de oferecer à medida que reduzia a frequência das mamadas.
dessa forma o peito direito não ficou sobrecarregado. e deu certo.
pra que eu fiz isso? em partes pra reduzir as opções e por outro lado essa é uma esperança de, quando começar a tirar a mamada da soneca, eu oferecer o peito seco, na esperança dele perder o interesse. e também tenho a ilusão de que secando um peito fique mais fácil de secar o outro. vai saber.
não sei se essa é a melhor alternativa, mas fica como uma carta na manga.

porque meu papel como mãe é dar as ferramentas para que ele aprenda a viver sem o peito.
privá-lo repentinamente disso seria ir contra a forma como eu o educo.
por isso optei – e continuo optando – por dar liberdade e respeitar seu tempo e sua individualidade.

olhando assim parece complicado, mas na verdade eu apenas verbalizei o que tem acontecido naturalmente não nos últimos dias, mas no último ano. eu resolvi apenas prestar atenção a alguns fatos e resumir outros.
mas se nada disso desse certo, tudo bem também.

porque isso não é um método para desmamar seu filho ou filha.
não pretendo criar nenhum padrão de desmame pra ninguém. longe de mim. tenho horror, abuso, pavor de métodos que generalizam as crianças como se elas fossem todas robozinhos caninos pré programados para responder aos nossos comandos.
tem que haver sensibilidade pra conhecer o seu filho, entender que cada criança é de um jeito, mesmo que sejam filhos do mesmo pai e mãe, criados debaixo do mesmo teto e, teoricamente, recebendo o mesmo tipo de atenção e cuidado, cada criança é única e diferente das outras.

então daqui pra frente meu papel é prosseguir e tentar não regressar no que foi conquistado.
funcionou para a chupeta e espero que funcione para o peito.

mas vou morrer de saudades de amamentar. já morro só de pensar nessa saudade e nesse momento, que poderá acontecer com meus futuros filhos, mas quando acabar, nunca mais com o benjamin.
o que é presente agora, será apenas memória daqui a alguns meses, ou semanas, ou dias. dias que me lembrarei pelo resto dos meus.
o fim de uma etapa está se aproximando. atestando cada vez mais que meu bebê está crescendo lindo, forte, saudável e independente.

quem diz que está pronta, mente.
mas mesmo assim sigo adiante.

 

 

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , , , , , , , , , , , 2 anos, amamentação, benjamin, toddler

assine nosso feed ou receba por email


30 Comments »

  1. Adorei, Luiza! Não pelo sim ou pelo não, mas adorei pela simplicidade com que você lida com essa questão, indo além do "tem que"! Me cansa ler posts sobre "o monstro do leite artificial" ou a importância do attachment parenting. Você não está entrando nem numa questão nem em outra, somente relatando de forma muito sensata e carinhosa sobre como aconteceu e acontece com você! Posts como esse me atraem, onde a informação ganha destaque! Gosto pessoal. 😉 Lucas parou de mamar com quatro meses e eu queria muito que ele tivesse continuado! Quem sabe no próximo filho!! 😉 Beijos!!!

    Comentário by Julia Costa — setembro 10, 2012 @ 4:29 pm

  2. n final das contas eu só consegui ler: "benjamin eu te amo! benjamin eu te amo" benjamin eu te amo! em cada linha do texto" quando tiver os meus essas dicas vão ser de grande valia!
    um beijao nos dois!

    Comentário by Bia — setembro 10, 2012 @ 4:36 pm

  3. é… deu pra ler assim tbm!

    Comentário by Mamãe do Otávio — setembro 10, 2012 @ 5:46 pm

  4. Luíza, gostei tanto do seu post! Vivo um "drama" parecido (só que não). Eu sempre fui meio relax e acho que eu não pensei em quanto tempo eu queria dar peito pra minha filha. Ia dar enquanto desse, eu acho. Acho que devo ter pensado nos seis meses protocolares, mas aí que seis viraram nove e nove viraram um ano. Dos nove prum ano os peitos começaram a secar naturalmente. E ela sempre teve mamadeira metida com o peito, o que não mudou em nada o amor dela pelo peitão. Como eu nunca parei de trabalhar, a mamadeira serviu de backup pras minhas exaustões, pras minhas escapulidas ao escritório etc. Já te disse que eu sou meio relax e nada xiita em relação às minhas convicções? 🙂 E aí que o peito secou, mas o amor pelo peitão não. Um ano de passou e os peitos em horários descabidos foram acabando, em qualquer lugar eu já não era muito chegada e nos limitamos à noite. Mas aí é aquele peito só chupeta, pq nao tem mais nada que alimente ali. E acho que esse peito é o pior de tirar. E hoje ela fala "mamãe qué pipite" e eu retorno brincando, dizendo que ela já fala e já come brigadeiro e peito é só pra neném. E ela retorna com um "Totola é o neném da mamãe?" E aí que tem dias que eu morro de amores e cedo, outras que eu tento manter minhas minguadas convicções. Pq a Victoria detesta chupeta e gosta de dormir no peito. Mas a sugada é campeã e tá começando a machucar. E eu tambem quero ter outro e penso que preciso deixar a zona do agrião livre pro proximo. É isso. Parabéns. E se cuida. 🙂

    Comentário by Camila — setembro 10, 2012 @ 4:37 pm

  5. Incrível. E é exatamente assim que pretendo fazer com Alice. Concordo muito que quem diz que está preparada, mente!

    Obrigada pelo texto. Me senti contemplada, de verdade!

    Beijoca!

    Comentário by Patricia Boudakian — setembro 10, 2012 @ 4:44 pm

  6. Adoro seus textos! Você está super certa, tem que acontecer tudo ao seu verdadeiro tempo, como deve ser. Eu tive o prazer de amamentar as meninas por sete meses e espero poder chegar até dois anos no próximo filho, quem sabe. Mas amamentar cansa sim, tira muito da gente e o pior (ou melhor) é que nós queremos tanto essa doação louca. Além disso, é puro amor. Como você disse é só mais um fim de infinitas etapas se aproximando e o jeito é mesmo seguir adiante.

    Comentário by Tati Sabadini — setembro 10, 2012 @ 4:49 pm

  7. Oi!
    Que bom que o desmame de vcs tem sido, assim, tao pessoal e intimo! Acho horrivel receitas de desmame. Minha filhinha se desmamou naturalmente, o que me provocou algumas crises de rejeiçao (como assim, ela nao me quer mais?) e outras de liberaçao (nem se fale como a libido ficou contentinha com seus hormonios)…
    Beijos

    Comentário by danissima — setembro 10, 2012 @ 5:21 pm

  8. Tenho uma curiosidade muito grande, tu sabes quantos mls produz? eu ainda tenho leite acredita? o Otávio parou de mamar com 10 meses e hoje ele está com 1 ano e meio e eu ainda tenho leite, só não sei a quantidade pq fica chatiada em ter de ordenhar e ver que aquilo tudo ta ainda ali e ele da risada de mim quando ofereço… posso com isso?
    NOSSO desmame foi muito natural… acho que nem postei la no blog……
    Mas enfim, quero te dizer que mesmo que a pessoa que mais te afetou diretamente pelo comentário do desmame fale e fale não pare de amamentar o Benjamin, pq se o fizer pelos "outros" a longo prazo isso te doerá de maaaaaaais da conta, dói de mais em mim, e olha que foi natural! hehe
    Fiquei mó feliz de saber que tu pensa em engravidar logo =)
    beijos e muita saúde aos 3!

    ps: se quer desmama-lo de forma quase natural, pq não oferece uma mamadeira de leite (algum que ele puder tomar ou mesmo o teu) na mamadeira, ou copo, ou garrafa? ele vai acostumar com esses objetos e esquecer a teta! já vi acontecer muito!

    ps2: não esquece que criança da idade dele precisa de uma certa quantidade de leite 3x ao dia, ou eu to loca? uma vez li sobre.

    e

    ps3: não consigo engolir gente/mãe que não quer e que critica a amamentação, poxa, no meu cérebro não existe aceitar isso, sei lá, parece que não nasceram pra ser mãe! prontofaleimesmo!

    bjooo

    Comentário by Mamãe do Otávio — setembro 10, 2012 @ 5:48 pm

  9. Qdo crescer, quero ser como vc! hahahaah
    concordo com td o que disse e endosso o "tudo ao seu tempo"
    Mamãe de um bebezão de quase 10 meses que nem sonha em desmamar…
    Vai com tudo no desmame naturalmente natural
    😉

    Comentário by Camila Lima — setembro 10, 2012 @ 6:06 pm

  10. Oi Luiza, sempre leio o blog, mas acabo comentando raras vezes… Mas hoje resolvi comentar, pois estou vivendo exatamente este momento. Meu filho é um mês mais novo que o Benjamin e ainda está no peito, apesar de tudo que já escutei, e olha que a gente escuta muita coisa… Durante a semana ele mama duas vezes ao dia, de manhã e de noite antes de dormir. No final de semana tem sido livre demanda (mas ele só pede quando vai tirar soneca durante o dia…). É muito difícil mesmo… Queria tanto que meu filhote largasse sozinho (como já vi casos de alguns conhecidos), mas acho que isto não vai acontecer…
    Também acho que as coisas acontecem no momento certo, que tudo tem seu tempo… Ainda não comecei o processo de desmame, nem sei como vai ser, mas uma hora vai ter que acontecer e espero que seja de forma tranquila, como está sendo com vocês…
    Adorei o post… Obrigada por dividir este momento… Beijos…

    Comentário by Núbia — setembro 10, 2012 @ 9:35 pm

  11. Adorei o post Luíza… concordo e muito com você !!! Cada criança tem seu tempo e devemos respeitar … pra que tanta pressa não é ???? Meu pimpolho esta com 1 ano e meio exatamente hj e mama feliz da vida… meus planos sempre foram amamentar até 1 aninho mas fui mudando minha opinião a medida q vi o quão importante é a amamentação prolongada …apesar das contrariações de muitas pessoas …só q a mais importante delas (meu marido) sempre deu o maior apoio …então simboraaaaa amamentar pq depois sentimos muita falta… até mais do que os pequenos certo ???? Beijos querida !!!

    Comentário by Fabíola — setembro 10, 2012 @ 10:06 pm

  12. Ai ai, terminei a leitura com lágrimas nos olhos! Por me lembrar que meu dia de sentir saudades logo vai chegar e é claro que não estou preparada!!

    Comentário by Thaise — setembro 10, 2012 @ 10:50 pm

  13. Luiza, o desmame que acontece aí, está sendo muito parecido, como aconteceu o desmame da minha filha mais velha, a diferença, foi que ela desmamou naturalmente, com 1 ano (hoje ela está prestes a fazer 3 anos), ela passou a pedir cada vez menos o peito, no dia de seu aniversário, pediu a última vez. Naquela noite, ela mamou tão demorado, que eu já estava bem cansada, e ela não me largava… como numa despedida, que eu não sabia que estava acontecendo, depois disso, ela nunca mais solicitou, e eu não ofereci mais, ficou a saudade… Agora, semana passada, acabou a amamentação exclusiva da minha mais nova, que acabou de completar 6 meses… e eu já fiquei no pensamento, de que, agora, Cecília também come, já não se alimenta exclusivamente, do leite do peito…. ai, o tempo passa, e a saudade fica!
    Belo post, e concordo plenamente contigo de ir fazendo tudo no seu tempo, também não sou a favor de nada forçado… beijo

    Comentário by Joci — setembro 10, 2012 @ 11:49 pm

  14. Estamos aqui com mamadas mais recreativas, ele só mama de manhã e a noite antes de dormir, as vezes ele dorme sem mamar ou acorda e não mama…faz uns dias que ele dá tchau pro peito e o meu coração dói só de imaginar e olha que estou grávida, hehehehhe!!! Mas eu estou como vc quero que seja de forma tranquila e sinto que não durará muito tempo essa nossa rotina, por isso aproveito bem esses últimos momentos somente nossos!!! Nunca pensei que isso fosse me afetar tanto, mas fico um pouco tristinha…

    Comentário by camilaedo — setembro 11, 2012 @ 12:44 am

  15. Oi amiga Luiza! rsrs Olha eu aqui de novo! Concordo com tudo o que disse e o que as mamães aqui reforçaram. Alice tem 1 ano e 1 mês e eu continuo com a livre demanda. Pensei em ir diminuindo quando ela fizesse 1 ano, mas só pensei, quando ser mãe ainda não era uma realidade.
    Agora com esse primeiro ano completo não quero que seja logo e também farei do jeito que for melhor pra nossa rotina. Alice teve alguns episódios de gripe, uma virose com vômitos e diarréia e uma bronquiolite nos últimos meses e só de saber que foi a amamentação que a salvou de ficar internada me dá a sensação de "tô fazendo a coisa certa!". Ela ainda acorda muitas vezes à noite e eu trabalho o dia todo. É cansativo, é puxado, me emagreceu 22kg, mas é uma fase e logo, logo só vai deixar saudade…

    Comentário by Gabriela — setembro 11, 2012 @ 8:57 am

  16. Muito bom o post, Luiza! Minha experiência está bem parecida com a sua. A livre demanda já não acontece mais e as mamadas se resumem àquelas para dormir ou tirar uma soneca de tarde (isso nos fds, pois trabalho fora). Só não consegui a proeza de conseguir que ele durma a noite inteira. Mas um dia chegamos lá.

    Engraçado como existe um sentimento contraditório. Sinto como você. Adoro amamentar, mas se for non stop (e principalmente de noite) é irritante. No dia em que terminar, vou sentir falta sim.

    bju

    Comentário by Liza — setembro 11, 2012 @ 9:22 am

  17. Oi Luiza! Pois é com a minha Lulu tb foi ao natural. Eu queria amamenta-la mais tempo, mas eu voltaria a trabalhar qd ela completaria 5 meses. Dai, qd ela tinha 4 meses, eu dava peito e mamadeira. Qd comecei a trabalhar, eu amamentava antes de dormir, de madrugada, antes de sair para o trabaho e qd chegava do trabalho. No meio tempo que eu estava no trabalho ela mamava na mamadeira (NAN confort). Pois bem, ela mamou no peito até uns 9 meses e pouco. E foi largando, ao natural. Eu queria que ela mamasse mais tempo, não me importaria, mas ela quem foi largando. Sou da opinião que tem que amamentar sim, e o desmame seja algo natural.
    Morro de saudades de amamentar minha filha. É um momento sublime, de troca, de afeto, amor puro e cristalino, é o ato mais lindo de uma mulher para com o filho!!!

    Comentário by Juliana R — setembro 11, 2012 @ 10:19 am

  18. eu concordo, penso em desmamar o liam nessa faixa de poquinho em poquinho, naturalmente, mas ele só tem 3 meses então o negócio é peito, estava preparando justamente um post sobre amamentação prolongada, o quanto é benéfico, mas respeito mães que desmamam bebês com 8 meses e tudo mais, só acho chato o preconceito que as mães que amamentam prolongadamente passam ¬¬

    Comentário by Meriene Zamprogno — setembro 11, 2012 @ 6:50 pm

  19. Ei Luiza com o José Guilherme fiz mais ou menos assim também e com 2 anos e 1 mes ele parou de mamar, simplesmente não pediu mais… Porém depois de uns 2 meses ele voltou a pedir o mamá e ainda hoje (2 anos e meio) ele pede. Sempre que isso acontece eu explico que o mamá acabou mas que eu posso dar um monte de carinho, e esse momento é magico pois ficamos trocando um monte de beijos, abraços e carinhos. Uma delícia!!!

    Comentário by Karine — setembro 11, 2012 @ 10:45 pm

  20. Ola! Sei como é isso que vc esta passando, minha filha vai fazer 3 anos agora em novembro e o desmame dela tem sido uma caminhada no último ano. Atualmente estou gravida de 19 semanas e tenho passado por uma verdadeira maratona aqui em casa, faz pouco tempo que a Le largou o peito e vendo ele encher novamente tem sido uma verdadeira tentação pra ela…rsrs. Mas assim como você também acredito que não existe regra para o desmame cada criança, assim como cada mãe, tem seu tempo, seu ritmo para desmamar. Boa Sorte para vocês!

    Comentário by Thais Evelyn — setembro 16, 2012 @ 2:04 am

  21. Oi Luiza! Gostei muito de toda a história! O Romeu desmamei com um ano e meio, porque me sentia muito sem energia, mas foi bem gradativo, e sem traumas, a partir de um ano e dois meses. O mais díficil foi a mamada da noite, de antes de dormir, porque ele mamava até dormir, então começei a deixar ele mamar um tempo, e quando sentia que estava começando a dormir tirava e colocava ele no berço. Tudo muito conversado e explicado que o leite estava acabando e ele prestava atenção e não desesperava. A única coisa que acontece hoje que me parte o coração é que quando ele pode coloca a mão no meu peito, e finge que vai mamar, dando um sorrisinho! Acho que por mais tranquilo que seja o processo do desmame, sempre vai ficar essa saudade e nostalgia de ambos os lados!

    Comentário by Tainá — setembro 16, 2012 @ 11:39 am

  22. Luíza do céu, sei que estás acostumada a ler rasgação de seda por aqui nos comentários do teu blog, mas sou obrigada a rasgar também, hehehe. Tenho que dizer que dos muitos blogs "maternais" que li, o teu é o de mais BOM SENSO de todos. Parabéns pela coragem de escrever teus sentimentos, pela honestidade e inteligência com que escreve.

    Sou do teu time em muitos pontos da maternagem, os textos desse blog me servem de inspiração, e esse sobre "mame e desmame" não poderia ser diferente. Aqui em casa aproveitei uma fase de implicância com a chupeta (quando o meu filho tinha 8 meses) e para tirá-la. Não fez falta para ele. Mas paguei o preço alto de servir como.
    E a "chupeitação" sabe ser irritante, não? Apesar disso, sou feliz por amamentar até hoje (ele tem 1a3m). É só um desabafo de mãe que você bem entende. Comento aqui para reforçar, como você soube brilhantemente escrever, que amamentar é para as fortes. Amamentar é respeitar a natureza. Quem amamenta doa seu tempo, sua energia, doa a si mesmo. E também vou sentir saudades…

    Comentário by Carol Klappoth — setembro 20, 2012 @ 5:14 pm

  23. ai que coisa linda de se ler! sério!
    fiquei muito feliz com o seu comentário.

    pois é, eu também aproveitei o benjamin ter jogado a chupeta pela janela pra me livrar dela de vez, mas agora é mais difícil colocá-lo para dormir se não for no peito.

    obrigada pelo comentário. pessoas como você sempre me dão uma força quando estou desanimada.
    obrigada de novo!

    beijos

    Comentário by luíza diener — setembro 25, 2012 @ 1:59 pm

  24. Estou grávida de cinco meses e pretendia amamentar até o bebê completar um ano de idade. Porém, lendo este post, mudei completamente de ideia, achei lindo você esperar o tempo de seu filho, deixá-lo livre para decidir quando deve parar de mamar… Parabéns!!! Achei um belo ato de amor, mesmo com o cansaço do dia a dia, você não o privou de ter o aconchego e carinho materno. Espero ter toda essa determinação e força quando o meu pequeno nascer!

    Comentário by Fraan_gc — dezembro 1, 2012 @ 11:17 pm

  25. Luiza, conheci seu site ontem e simplesmente me apaixonei… Penso como você ainda mais que meu pequeno tem 2anos e 4meses ainda mama, nunca li um relato lindo e dicas preciosas para desmame natural como este, tudo isto faz a diferença! Muito obrigada de coração!!

    Comentário by Ana — abril 26, 2013 @ 11:36 am

  26. Ai Lu esse texto foi ótimo minha Laura mama como se ñ houvesse amanhã e tipo ela come tudo, toma o gagau mas o P ou peitinho ela ñ larga dou graças deus pq em alguma situações foi o P que me salvou ..adoro seus textos bjs

    Comentário by Laina Silva — outubro 2, 2014 @ 8:05 pm

  27. Olá Luisa,adorei seu post pois vivo exatamente isso , meu filho João Gabriel tem 4anos e mama, principalmente quando vai dormir.Ficava constrangida em falar pois as pessoas criticam , mas eu não ligo. Não nego a ele poos é uma questão de opinião e eu sempre sonhei em amamentar….obg por toda ajuda ….

    Comentário by luciana rosa — outubro 3, 2014 @ 8:28 am

  28. Eu tb estou nessa fase meu bb tem 2 anos e 7 meses e estou tb no desmame gradual afinal meu filhote quer um irmaozinho e eu estou ficando com o tempo contado para dar o irmaozinho pra ele mas admito tem hrs que e tao dificil, mas amo amamentar.

    Comentário by Mamãe do Daniel — dezembro 29, 2014 @ 8:30 am

  29. Puxa! O texto mais coerente que ja lo até agora…meu filho esta com um ano e nove meses…e quero desmama-lo naturalmente. Eu tb estou tendo problema de ganhar peso…mas ainda quero continuar a fazer desse modo natural!!!

    Comentário by Sabrina — março 9, 2015 @ 11:18 pm

  30. Oi Luiza, muito obrigada por esse post! Minha filha faz dois anos mês que vem, sempre mamou em livre demanda, mas de uns tempos pra cá eu tenho observado uma certa dependência do peito, como se ela solicitasse quando alguma coisa a incomoda e tenho pensado muito na necessidade de ajudá-la a perceber que não precisa desse recurso. Fazê-la compreender que eu estou disponível sem necessariamente amamentar. Mas como fazer isso? Como ajudar minha filha de apenas 2 anos a entender que eu estou ali pra ela, mesmo sem oferecer o tão reconfortante mama? Vc me deu muitas dicas aqui e me deu uma luz… Não sei exatamente como farei, mas vou descobrindo junto com ela, tendo algumas coisas em mente. Isso apaziguá um pouco meu coração e diminui a minha angústia! Bjs

    Comentário by Ana Claudia — outubro 31, 2015 @ 2:09 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment