23 de abril

morar em casa

por luíza diener

casinha

“quero morar em uma casa com quintal e jardim.”
“ah, casa dá trabalho demais!”

essa é a resposta que costumo ouvir de 89,7%  das pessoas com quem compartilho esse sonho, segundo uma estatística que acabei de inventar.
sou brasiliense e, em brasília, morar em casa é um luxo para poucos. pelo menos aqui, no coração da cidade, onde tudo acontece. para que isso seja possível você precisa ter dinheiro, muito dinheiro. ou ser do tipo que dirige quilômetros e mais quilômetros diariamente (acompanhado de um trânsito nada legal) no percurso casa-trabalho, casa-supermercado, casa-escola, casa-civilização.

penso em morar em casa como um acréscimo à qualidade de vida mas, se for pra pagar o preço horas-dentro-dum-transporte, talvez o melhor seja mesmo morar em apartamento.
cresci com esse desejo intenso e constante de morar em uma casa.
pra não dizer que nunca fui tive tal privilégio, morei em uma casinha dos sonhos no alto dum morro em gramado/rio grande do sul quando tinha entre 2 e 4 anos. era dessas casas cercadas de mato (essa da foto acima), onde pra chegar no vizinho mais próximo você precisa andar um bocado. nosso vizinhos eram os pinheiros e as araucárias, que nos davam pinhões para assarmos na lareira, as lebres selvagens que moravam na “floresta”, sapos, lagartas, aranhas, vaga lumes, uma simpática vaquinha que nos visitava frequentemente e uma ou outra cobra ousada que já apareceu no nosso jardim.
de lá extraio excelentes memórias de infância e alimento essa vontade louca de largar todas as facilidades e comodidades de um apartamento seguro pra me aventurar em uma habitação cercada de natureza, nem que seja ela – a princípio – composta somente por grama esmeralda e plantas ornamentais.

jardim_gramado

toda vez que vou com os pequenos a alguma casa e posso desfrutar de alguns momentos por lá, com eles correndo soltos, sinto um aperto no coração por criá-los em um lugar tão espremido.
na nossa mais recente viagem à bahia eu pude desfrutar de sete dias não apenas de praia (meu maior sonho de todos), mas de um quintal só pra gente, além de ser uma casa num condomínio seguro. aqueles dias trouxeram não apenas liberdade e diversão pros pequenos, mas paz pro meu espírito. eu vivo numa paranoia meio exagerada. de, quando estou na rua, achar que a qualquer momento pode vir alguém e roubar meus filhos, que eles podem ir pra rua e serem atropelados. meio que eu não confio em ninguém que eu não conheça, sabe? tento relaxar, tento ficar longe das notícias bizarras, mas é cada história absurda que a gente ouve que é difícil não se contaminar com isso tudo.
enquanto isso, no condomínio baiano, lá estava constança se arrastando pelo chão da casa enquanto benjamin recolhia as folhas secas do quintal, juntava todas na lixeira, regava as plantas, fazia a coleta seletiva (meu deus, ele ama essa brincadeira, vai entender!), ia pro portão pra ver o lixeiro passar. e mais: abria o portão e ia lá fora atrás do lixeiro, enquanto eu continuava no quintal com sansa. se eu fiquei com medo dele ir pra rua? não, ele não atravessa se não der a mão pra um adulto. se achei que alguém poderia roubar ele? de maneira alguma. meu espírito relaxou e esse foi meu maior presente de férias. sem contar com o lance do barulho. morar em apartamento tem dessas. qualquer passinho, qualquer grito, qualquer corridinha dentro do apartamento reflete em barulho pro vizinho. e olha, eu tenho desses filhos que acordam 6h da manhã já botando pra quebrar. às vezes bem mais cedo que isso.

por ter morado confinada em apê 93% da minha vida (e essa é uma estatística real), já me acostumei com algumas regras básicas de convivência, como não ouvir música alta, não usar liquidificador, aspirador de pó e outros aparelhos barulhentos muito cedo ou muito tarde, não andar de salto alto dentro do apartamento e por aí vai. isso já está internalizado e não faço o menor esforço pra viver assim. só que, ao experimentar a vivência dentro (e especialmente fora) de uma casa, eu percebo o tanto que vivo amarrada e travada. metade das minhas brigas com o benjamin são “fala baixo” “não pula” “não corre”, tudo em função do ambiente em que vivemos. isso quando eu não tento botar a constança pra dormir sem sucesso, porque qualquer espirro que o irmão dá, acorda a menina.
sair pra ir ali no parquinho é uma saga: tem que esperar os dois acordarem da soneca, eles têm que ter comido ou preciso levar uma comida, água, colocar uma roupa, calçar um sapato. colocar constança no carrinho ou sling, levar uma mantinha caso esfrie e mais uma série de coisas. sair de casa sempre me toma tempo e, adivinhe, estressa.

mas se eu tivesse um jardim… ah, se eu tivesse um quintal!
eu diria: “vai brincar lá fora enquanto eu faço o almoço” e ele cataria pedras para fazer uma muralha, colheria flores para enfeitar a casa, subiria na árvore, cataria paus e jogaria eles longe. é muita energia contida nesse menino e eu acho ele muito pequeno pra viver estressado por falta de atividade. por mais que ele vá à escola, por mais que eu tente descer com ele todos os dias (o que nem sempre tem sido possível), é diferente e nós sabemos disso.
em poucos meses constança aprenderá a andar e aí ela também poderia se beneficiar disso tudo. chega de banhos de sol dentro de um carrinho. chega de passear com ela só porque ela ficou entediada de olhar pra todos os lados e ver chão, paredes e teto. a bichinha começa a ficar nervosa, gritar, mas é só pisar fora daqui que um sorriso enorme se abre e ela fica boazinha, boazinha.

isso sem falar em outra grande e gigantesca realização da vida: ter pomar e horta. esse seria um sonho a longo prazo, eu sei. mas como eu queria ter ali no quintal um pé de laranja lima (sim), de limão, tangerina, amora, pitanga, goiaba, acerola, mamão, manga. de repente até macieira, pereira, bananeira e outras eiras que surgissem.
uma hortinha simples com tomate, alface, rúcula, temperinhos diversos como manjericão, hortelã, alecrim. eles serviriam para temperar a comida, para afastar os insetos, para perfumar a casa. e, por falar em perfume, dama da noite e jasmin bem perto do portão, aquele portão baixinho que dá pra ver a rua.

querem ouvir mais dos meus sonhos? o balancinho. tipo aquele da foto ali em cima, onde eu balanço minha irmã. meu pai fez com um pedaço de madeira e corda, amarrou na árvore e pronto. a gente brincava muito lá. hoje em dia não consigo olhar pra essa foto e não pensar em benjoca sentado e sansa balançando (ou vice versa).
casa na árvore? é dream extreme. não conheço nenhuma criança ou adulto que nunca tenha sonhado com isso.
secar a roupa no sol, ao ar livre. ó que coisa linda!
e a cachorrada, né? queria um canil grande pro tov e outros amiguinhos. com certeza queria ter mais cachorros, muito mais. mais um buldogue francês, mas também cachorro grande. queria um dogo argentino, queria um monte de vira latas. queria crianças e cachorros correndo pra cá e pra lá o dia inteiro. toda vez que vou a uma casa com quintal fico pensando “queria que o tov estivesse aqui” e morro de dó dele. aliás, é dele que eu sinto mais dó, porque ele é o maior prisioneiro da casa, tadinho.

mas claro que nem tudo são sonhos. eu teria muito trabalho pra cuidar do jardim, pra manter a grama aparada e verde, pra cuidar da horta e do pomar, especialmente porque quero eles sem agrotóxicos. limpar casa dá mil vezes mais trabalho que apertamento, uma casa requer uma manutenção muito mais absurda e por aí vai. mas gente, tudo na vida dá trabalho. quer trabalho maior que ter filhos? é o trabalho mais difícil do mundo, mas é diferente quando a gente faz com prazer e alegria. é recompensador.
eu cheguei num momento meio claustrofóbico da minha vida. eu adoro a vida urbana, sonho em viver de forma cosmopolita também, mas essa minha fase tá clamando por um jardim, um quintal e muito mato.

não, eu não dependo de nada disso pra ser feliz. estou muito feliz assim, desse jeitinho. mas cara, sonhar faz um bem enorme pro coração. eu escrevo essas palavras com o coração a mil e às vezes os olhos enchem de lágrimas só de pensar na possibilidade de realizar esse sonho. sonho esse que eu torço sempre pra que um dia se torne realidade, assim como muitos outros que compartilhei aqui antes de ter filhos e quatro, cinco anos depois estou aqui, vivendo eles e muito grata por tudo.

e se você sonha comigo e quer pirar o cabeção também, visite esse blog que eu descobri recentemente. um dia vocês vão me ver em situação semelhante. anotem!
um dia, gente, um dia.


Related Posts with Thumbnails

categorias: desperate housewife, mães extraterrestres

assine nosso feed ou receba por email


30 Comments »

  1. Hahah!! Muito bom! Eu moro em Curitiba, em uma casa, com um terreno bem grande! Com muro baixo, e 2 cachorras!
    Mas quase não deixo minha filha brincar lá fora, pq tem muito borrachudo (conheçe? tem isso aí??), então sair é sempre um ritual que envolve litros de repelente (a pequena é sensível a mordida do bicho), tenho medo do muro baixo, que roubem minha filha. Nossa tentativa de horta foi pelos ares, agora quero ver se planto flores no lugar!!!
    Mas isso não quer dizer que troco por um apartamento! Jamais!!!!! Fico até preocupada pq, onde moro não é nosso, e onde vamos morar futuramente, não tem metade do espaço que tem aqui, mas ainda sim será uma casa com quintal!!!!

    Comentário by Bruna Rauscher — abril 23, 2014 @ 11:34 am

  2. Essa é a vantagem de morar em uma satélite: você não precisa ser muito rico para morar numa casa e nem morar à quilômetros da área urbana. Moro em Taguatinga, em uma casa, e na área central da cidade! Não quero ir para apartamento nunca mais! Rsrs Torcerei que você realize seu sonho. Um abraço.

    Comentário by ramona — abril 23, 2014 @ 11:36 am

  3. Eh casa é muito bom pra eles, o meu ia pirar num apartamento porque ele é acostumado em acordar, tomar cafe e ir pra fora, todo dia eh assim, passa pouco tempo dentro de casa, quando está chovendo é se virar em 1000 pra entreter aqui dentro e ainda escuta choro pedindo pra sair… e lá fora ele fica correndo de um lado pro outro, chutando bola, brincando com os 7 cachorros aqui de casa rsrs, uma tranquilidade. Aqui não tem perigo ele ficar la fora, com os portões trancados claro, porque todo mundo se conhece, ele fica mexendo com as pessoas que passam na rua… bem sossegado

    Comentário by Ana Carolina — abril 23, 2014 @ 11:47 am

  4. Vem pra Goiânia aqui além de ser pertinho o que não falta é casa com quintal,daqueles bem grandes com pé de manga,acerola,banana… Mesmo com toda a violência(como no Brasil todo) ainda dá pra se viver.

    Comentário by kelly caroline — abril 23, 2014 @ 11:49 am

  5. nasci em goiânia, só que nunca mais voltei…isso já tem 34 anos

    Comentário by Kelly Fonseca — abril 23, 2014 @ 12:22 pm

  6. só quem ja morou em uma casa pra saber. morei boa parte da minha vida em casa.. agora, casada, moro em apartamento..e devo dizer, quuuuuuuuuaaaaaanta diferença! Para crianças, nada melhor do que espaço.. isso que minha mãe pensava, por isso deixamos um apê apertado para morar numa casa simples. com certeza tenho muito boas lembranças (e aventuras) desses anos.

    gosto da tua simplicidade. sao raras pessoas com esses pensamentos hoje em dia. pouca gente trocaria um apê com "infra" para morar numa casinha com quintal. hehe
    Bjao

    Comentário by Juliana — abril 23, 2014 @ 11:56 am

  7. Morei boa parte dos meus quase 40 anos em uma casa, no meio da cidade, sem muito jardim e como era de poente quando finalmente dava para ir brincar "lá fora" tava escurecendo. O marido só morou em casa quando pequeno, diz que não gosta, que tira a liberdade de sair, viajar, e dá mais trabalho (tudo verdade). Quando vamos a casa dos meus pais, aquela que eu cresci, os meninos ADORAM cada segundo do "lá fora" . Quando visitamos o apartamento que moramos agora, o menino olhou pras casas lá embaixo e declarou que queria morar numa casa de verdade. EU sonho com uma casa, um jardim, as plantas, a grama, a piscina, o terraço, um balanco para mim e outro pros meninos, sei que vou ter mais trabalho e vou gastar mais dinheiro. Sonho com os estremos, tem momentos que quero uma casa feita do meu jeito, cheirando a nova, e outros que sonho encontrar uma casa antiga, precisando de cuidado e carinho … mas por hora faco como meu filho e sonho olhando as casas aqui de cima.
    NEDA

    Comentário by Neda Blythman De Figueirêdo — abril 23, 2014 @ 12:13 pm

  8. esse é o meu maior sonho, luísa…moro numa casa na cidade, mas rodeada de casas em volta…cimento e mais cimento…me sinto numa cratera afundada de cimento…mas logo mudarei pra roça e quero esquecer que existe civilização…vc está certinha…vc vai conseguir morar numa casinha branca de varanda, que tenha um quintal e uma janela para ver o sol nascer.

    Comentário by Kelly Fonseca — abril 23, 2014 @ 12:21 pm

  9. Luiza, que coisa mais interessante. assim que terminei de ler seu post, pensei: Luiza deveria morar na Chapada Diamantina.
    Dai fui no blog que voce indicou e fiquei olhando aquelas fotos. Matutei, matutei. Conheco esse lugar, conheco essas rochas. Vim no notebook e vi: era a chapada!

    Luiza, o lugar que ela escolheu morar e tudo o que voce descreve e mais um pouco. E uma energia diferente, uma luz diferente. Cheio de misterios, de orquideas, de borboletas de tudo quanto e cor. A Chapada Diamantina e o lugar que eu escolhi no mundo. Meu porto seguro, onde recarrego minhas energias.
    Morei em Salvador a vida inteira, fui pra la com 2 anos e com 23 vim para Floripa. Compartilho do seu sonho. Acho que aqui em Floripa ainda temos um contato maior com a natureza. Sem contar o mar, nao vivo sem ele.

    Luiza, um dia inclua em seus planos ir conhecer a Chapada. Tenho certeza que o amor surgira a primeira vista.

    Enquanto isso, vamos sonhando com nosso teto.

    Beijos.

    Comentário by Regina Valadares — abril 23, 2014 @ 12:45 pm

  10. Morei grande parte da minha vida em uma casa com murinho baixo e muitas árvores num bairro sossegado em Guarujá- SP. Casei fui morar em um apartamento pequenininho em SP na Lapa. Foi esquisito esse ajuste de viver rodeado de vizinhos em cima em baixo dos lados. Agora mudamos na metade do ano passado para Brasília. E moramos no fim do mundo… distante uns 30 km da JK. Moro em uma casa com quintal grande e graminha mas é bem complicado as viagens que precisamos fazer para ir ao mercado, farmácia, trabalho enfim… gostaria de ter o melhor dos 2 mundos. Mas realmente e complicado. Tenho certeza que seu sonho será realizado, minhas lembranças mais felizes de infância são as mais simples. Subir na árvore, brincar no balanço do quintal. Deitar na grama. Comer goiabas do pé. Quero que meus filhos experimentem isso também. Mas sem precisar ser eremita!

    Comentário by Bruna Menezes Carioca — abril 23, 2014 @ 12:58 pm

  11. Eu fico muito feliz por morar em uma casa com um belo quintal e 5 cães…logo meu filho está aí e mal vejo a hora dele curtir o terreno…confesso que com a vida corrida não está tudo lindo, cheio de flores…mas é certeza que se um dia vendermos aqui e mudarmos, será pra outra casa com quintal…até mesmo pq meus pets precisam de espaço também.

    Comentário by Camila — abril 23, 2014 @ 1:10 pm

  12. Vira e mexe eu me pego pensando: "casa dá tanto trabalho, tá muito difícil, quero ir pra um apartamento". Mas aí é só entrar no wimóveis e ver umas fotos de apto pra desistir rapidinho (às vezes também desisto só de lembrar dos meus antigos aptos e me dar conta de como já havia limitações lá sem uma bebê, imagina agora).
    É muito gostoso mesmo morar em casa. Moramos bem perto do Plano Piloto, mas mesmo assim há essa chatice de ter que pegar o carro até pra ir à padaria… Queria mesmo era o meu condomínio no meio da Asa Sul – hehehe.
    Espero que você consiga transformar seu sonho em realidade um dia 🙂
    Eu já tinha visto esse blog da Manu e li – compulsivamente – todos os posts. Achei incrível o que eles fizeram, fiquei admirada mesmo. Amo as fotos do Tomé livre, descobrindo a natureza, e não um brinquedo da Fisher Price em cima de um EVA numa sala fechada e sob luz artificial.
    Uma mudança assim tão radical não serviria pra mim, que gosto de várias comodidades da vida moderna, mas fiquei pensando muito em como posso alcançar um meio termo, voltando a cuidar da horta de casa, passando mais tempo no jardim e em parques, consumindo (beeem) menos, doando/vendendo o que está em excesso e sem uso em casa, coisas assim, pra pelo menos começar a mudar.

    Comentário by Cris Nunes — abril 23, 2014 @ 1:31 pm

  13. Minha cidade linda!!! Anapolis tem qualidade de vida, muitas casinhas (só aqui na monha rua tao construindo umas dez) e eh pertim de bsb e gyn!!! Nao troco por nenhuma das duas hihi. E moro em casa tb. Nao suporto apartamento.

    Comentário by Fairuce — abril 23, 2014 @ 4:59 pm

  14. Minha cidade linda!!! Anapolis tem qualidade de vida, muitas casinhas (só aqui na monha rua tao construindo umas dez) e eh pertim de bsb e gyn!!! Nao troco por nenhuma das duas hihi. E moro em casa tb. Nao suporto apartamento.

    Comentário by Fairuce — abril 23, 2014 @ 4:59 pm

  15. Sabe, moro no interior do paraná. Cidadezinha com menos de 30 mil habitantes. Uma graça. Muitas amigos meus, especialmente os que moram em metrópoles, me perguntam que diabos eu ainda faço aqui: não tem cinema, não tem internet de 10 mega, não tem teatro, não tem shows, não tem "cultura". Pra entrar numa livraria decente, tenho que viajar quase 100km ate Cascavel. Aqui só tem fazenda (ricos) e uma cooperativa agro-industrial (milionários) e os funcionários desses dois.
    Mas também não tem transito, não tem violência (quer dizer, tem, mas ninguém vive com medo. As casas não tem muros, por exemplo), não tem rede internacional de fast-food… Aqui não tem muita coisa. Mas uma coisa eu tenho que não troco por nada: qualidade de vida.

    Impagável minha filha de 11 anos ir pra escola sozinha, caminhando. Um colégio publico de excelente qualidade. Não troco minha vida "pacata" de pagar um aluguel justo numa casa imensa, com espaço pro meu caçula de 9 meses explorar. Esses dias ele quis engatinhar em cima das britas hahahah tenho meu espaço para horta, tem pé de goiaba e fruta do conde no quintal. Tenho um cômodo para livros e estudos, e outro para deixar instrumentos musicais, porque sobra cômodo nessa casa. Sobra bagunça também. E acho que isso é que deixa com cara de CASA e não de cenário. Não troco a alegria de ouvir os gritinhos das crianças na rua, inclusive a noite, por nenhuma facilidade de acesso a coisas que precisaria de mais dinheiro para ter. Amo gritinhos de crianças brincando. Minha vizinha tem 6 filhos, todos brincam na rua. O menino de 9 é fã do meu marido porque ele tem uma banda hahah
    Ultimamente cogitamos seriamente a ideia de adotar um cachorro.

    Sempre penso em voltar para cidade grande, principalmente por causa de uma vertente da solidão. Mas dai penso em tudo que perderei, e inundo essa solidão indo a praça da igreja, sentando sob a sombra das arvores e tomando um tereré.

    Invista, luiza, vale a pena.
    Criar filhos em casa é investimento. Cubra-os de boas lembranças, como esta do balanço 🙂

    Comentário by amandovski — abril 24, 2014 @ 1:59 am

  16. Poxa, dificil eu comentar, embora ame seu blog… mas a 2 meses realizei seu sonho , que era meu tb rsrsrs. Realmente a limpeza é mais dificil, mas acho que é a unica parte ruim. Achei uma casa com um quintalzinho lindo, ja montei uma hortinha e peguei dois cachorros vira latas (abandonados). Quanta vida, quanta alegria tem uma casa. Também era condicionada a evitar barulhos e tal, tanto que no primeiro mês meu marido falava : "Thais, fica tranquila, pode bater um bolo agora a meia noite, estamos em uma casa". Moro em Bauru, mas há cidadelas mais bonitas e com preços menores, embora aqui tenha muitas oportunidades de emprego. Desejo profundamente que você realize este sonho um dia!

    Comentário by THAIS AMARAL — abril 24, 2014 @ 2:01 pm

  17. Sorocaba, interior de SP. Cara de cidadezinha e cidade grande ao mesmo tempo. Amo =)

    Comentário by Juliana — abril 24, 2014 @ 3:25 pm

  18. Não moro no "coração da cidade, onde tudo acontece", mas aqui também tem escola, supermercado, trabalho e civilização, hehehe. Adoro morar nas satélites, não precisa ser rico e se pode morar em casa com quintal, jardim e tudo mais… ^^
    Morei em apartamento por um tempo e não pretendo voltar, rs.

    Comentário by Lorrana — abril 24, 2014 @ 4:34 pm

  19. Luiza, moradora de aluguel do plano como vc, grávida de 37 semanas…e sonhando com uma casa!!!! Você descreveu exatamente os prós e contras…mas olha depois de muito conversar com moradores de casa e ver sua genuína satisfação, to cogitando arriscar essa mudança radical de tempo-espaço. Isso incluiria no meu caso até reduzir minha carga horária,( e portanto reduzir o salário) hj em dia moro há menos de 10 minutos do trabalho….

    amoooooooo seu blog! parabéns pelo trabalho!

    Comentário by renata — abril 24, 2014 @ 7:09 pm

  20. Tb tou louca pra morar em uma casa com bastanteeee espaço pra brincar com Dan, mas infelizmente não acho casas no centro com um valor legal. É o preço que pagamos…

    Comentário by Fabricia — abril 25, 2014 @ 11:11 pm

  21. Nossa realmente descreveu com perfeição meu sonho! Moro num
    mini apartamento de dois dorms e quero mto um dia proporcionar essa experiência aos meus filhos. Eu no entanto, após 25 anos de apto não tenho coragem de casa fora de condomínio me sentiria mto apavorada, preciso pelo menos de um muro alto, portão e guarita… Ou mudar para Londres onde nada disso é necessário

    Comentário by Andreia — abril 28, 2014 @ 10:24 am

  22. nunca morei em apartamento e por enquanto só sou mãe de felinos, mas sinto a sua dor. vamos construir uma casa que não poderá ter um quintal de grama (sobreloja), porém já deixei claro que faço questão de muita janela, de uma casa clara e arejada, e de mais quintal do que casa.
    meus dois gatos já sofrem muito, a casa é grande porém eles não têm acesso total ao quintal externo, somente quando estamos em casa e abrirmos a porta para eles saírem. e olha, é a hora mais feliz do dia. o quintal é de azulejos e temos um pequeno jardim mal cuidado (com madeiras e outras coisas de obra que já deveríamos ter tirado de lá) e algumas jardineiras e vasos com nossa hortinha. o sol e a pouca terra, a pequena árvore onde eles se penduram para brincar, a hortinha que remanejamos para deixar uma jardineira com terra só para eles… nos adaptamos com o que temos, e sabemos que, em breve, teremos um desafio enorme: construir uma casa funcional e segura para crianças e gatos.

    Comentário by Tiffany — maio 4, 2014 @ 2:29 pm

  23. Oi Luiza sei muito bem o que é isso tenho uma menina de 3 anos e meio e um bb de 6 meses… Moro eu um apto.. O que mais me irrita é a falta de espaço pra carrinho piscina de bolinha , banheira… Afe um labirinto… Aqui na minha cidade as casa são muito caras… Mas realmente estamos nos apertando.. Minha filha vivia pedindo uma casa de quintal.. E mesmo estudando em uma escola Waldorf com todo espaço estava ficando difícil… Mudo daqui há 2 meses nem estou acreditando.. A casa tem um quintal bacana nos fundos.. Vamos ver como será !!!! Bjos!!!

    Comentário by Patricia — junho 1, 2014 @ 2:12 pm

  24. Luíza,
    te entendo totalmente e posso dizer que estou realizando neste momento o meu e o teu sonho! Moro na Croácia, em Zagreb, por isso não te escrevi no mail hehe e finalmente me mudei com o meu marido e minha bebê pra nossa casa com pomar e jardim! Neste findi fizemos uma horta! Morar em casa é td de bom, ainda mais quando se tem segurança! Estou mto feliz e começando a curtir esta vida mais "rural"! Bom saber que compartilhamos dos mesmo sonhos!
    Adoro teu blog beijo da Croácia,
    Marília

    Comentário by Marília — junho 3, 2014 @ 4:19 pm

  25. Sério Luíza?
    Carlos Barbosa, RS.
    Conhecida pela Tramontina, ACBF, Festiqueijo…
    tem muita casa aqui. cidade calma, transito calmo e tudo é perto!

    Comentário by Tami — julho 30, 2014 @ 5:47 pm

  26. Morar em apartamento é pra mim viver como pássaro na gaiola, detesto, parece ate q perdemos os dias lá fora.

    Pena do meu filhote q ñ tem banço no pé de canela como eu.

    Comentário by Maria — agosto 11, 2014 @ 8:32 pm

  27. Eu moro numa cidadezinha bem tranquila no interior do RS( Caseiros/RS)… com muitas casas, alias, acho que só tem 2 prédios aqui!! 😛 amo demaaaais!!! e acho que não trocaria por nada nesse mundo, sou grata por meu filho poder crescer aqui, tenho, gato, cachorro, cavalo(sim!!) e balanço tambéeeem!!!! vem prá cá!! Mas acho que vai morrer de tédio hein, aqui é beeem paradinho!!! 😀

    Comentário by Daniele Gehrke Curzel — setembro 29, 2014 @ 5:24 pm

  28. Eu moro em Planaltina DF, moro em uma casa bem grande com um quintal que cabe 2 carros, 2 cachorras labradoras e espaço para brincar. Esta é a vantagem de não morar no Plano Piloto. Com o tempo a gente acostuma com a distância para ir ao Plano. Eu trabalho na minha cidade, o que é maravilhoso, não preciso encarar horas de trânsito, trabalho 5 min da minha casa. Procure uma casa nas cidades satélites, vc encontrarà uma casa grande num valor excelente. Depois dá uma pesquisada pra vc ver, não irá se arrepender!

    Comentário by Juliana — setembro 30, 2014 @ 8:37 am

  29. Seu sonho é a minha realidade!!!! Caramba… nas suas palavras vi exatamente o que sinto… apesar de trabalhar fora, passo as horas do almoço e o restinho da tarde brincando na grama com minha pequena (Maria Luiza de 2 anos e meio), e temos as flores pra cuidar e as cachorras (vira lata e pit bull) pra correr atras e as frutas (jabuticabas e pitangas e maracujas….)! Menina… realize seu sonho… e não demore! Suas crianças só serão crianças uma vez!!!! Nada se compara a alegria de uma criança correndo e se sujando num quintal!

    Comentário by Fabiana Possato — março 18, 2015 @ 2:56 pm

  30. Notas sobre uma escolha pirando o cabeção de todo mundo que tem ou planeja uma família. hahaha

    Comentário by Naluh — abril 1, 2015 @ 2:58 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*