08 de abril

necessidade desnecessária

por luíza diener

não entendo por que, às vezes, compramos coisas que não nos serão úteis por muito tempo.
mentira. eu entendo. mas isso não quer dizer que faça sentido pra mim.

os bebês são os reis das coisas temporárias.
compramos roupas que serão extremamente necessárias hoje, mas que daqui a um mês já não caberão mais.
a gente encontra pra vender uma coisa mais linda que a outra e muitas vezes acaba comprando mesmo que o bebê só venha a usar uma ou duas vezes na vida.
mas roupas são úteis. nosso bebê não pode sair por aí pelado, né?

e os sapatinhos?
ah, os sapatinhos!
eu venho ensaiando um especial sobre eles há meses, mas ficou na minha pasta de rascunho de posts imaginários (tenho centenas deles na cabeça).

os sapatos são algo incompreensível pra mim.
não sei se é porque o benjamin tem um pé tão gordo que não para nem chinelo naquela bisnaga ou se porque desde que ele nasceu (exceto nas primeiras semanas) aqui tá um calor dos infa e, pra melhorar a situação, ele é tão esquentado (em todos os sentidos) quanto a mãe.

sapatos de neném são o must da fofura. não há quem resista a essas miniaturas tão lindas.
antes do benjoc nascer, eu me controlei, controlei e comprei pra ele apenas um sapatinho, que mais parecia uma botinha. se ele usou duas vezes foi muito e ainda no esquema dez-minutos-pra-colocar-e-um-segundo-pra-sair. colocar tênis em pé de neném é tipo uma manobra de heimlich invertida de fora pra dentro.

desde que nasceu, benji já teve três pantufas, um chinelo, e sete sapatos de variados modelos. desses todos, ele só usou efetivamente um, quando tinha entre um e dois meses de idade, tinha um pé magrelo, sentia bastante frio e passava a maior parte do tempo dormindo.
e desses onze intens, ele chegou a usar por alguns minutos apenas cinco. e olhe lá.
super dó. até porque ele há pouco perdeu um desses, que é a coisa mais fofa do universo e também a mais difícil de calçar.
aí eu já decidi: só arrumo sapato pra ele quando ele começar a andar.

há também itens provisórios de média escala, como os brinquedos. os pequenos sempre são utilizados por mais tempo, como mordedores, chocalhos e afins.
pra mim os piores são os tapetes, ginásios de atividades e cadeirinhas treme-treme. você gasta uma fortuna pra, em questão de poucos meses, seu bebê perder o interesse por aquilo. isso quando ele não fica irritado com aquela parafernália toda.

benjamin pegou emprestado um sen-sa-cio-nal da fischer price que era um arco, com uma flor com um espelho no miolo, que abria e fechava as pétalas cheia de bichinhos pendurados ao som de músicas cantadas por uma mulher com voz de tele sexo infantil. eu achei encantador. ele não deu a menor bola. colocava desde recém nascido até que, lá pelos três meses, ele revoltou-se contra aquilo e começou a gritar toda vez que eu o colocava deitado debaixo da flor. aí desisti. hoje ele brinca apenas com os tais bichinhos.
minha sorte é que eu não precisei desembolsar trezentos ou quatrocentos reais por isso. aliás, sou extremamente grata a essa amiga que, não apenas brinquedos, emprestou-me uma pá de roupas e outras coisas (até alguns sapatinhos) que eram da filha dela. obrigada, mesmo, thaís!

não acho que nossos filhos não devam ter essas coisas (ok, talvez eu ache). mas acho que, se você faz mesmo questão, o saudável é ter nesse esquema: ou você pega emprestado de alguém, ou compra de segunda mão ou, se quiser comprar novo, passe adiante quando não for usar mais (no caso de não pretender ter outros filhos, por exemplo).
fiz isso com minhas roupas de grávida e faço isso com as coisinhas do benjamin. tudo que ele perde vai pro meu sobrinho, que não é nem 4 meses mais novo. e as coisas do sobrinho que já voltaram eu guardo pras amigas que tiveram ou terão bebê recentemente.

certas coisas eu só tenho porque ganhei.
fico felicíssima de ter ganhado, mas se isso não tivesse acontecido, não compraria.

o trocador dele, por exemplo, é uma coisinha de plástico dobrável que eu carrego pra cima e pra baixo. ele não tem aquele trocador na cômoda , nem nada do tipo. comprei uma cômoda bonita, pequenininha e, especialmente, barata. troquei o benjamin lá em cima por nem uma semana e desisti. passei a trocar no berço, que na época tinha o estrado alto. depois foi pra nossa cama ou pro chão mesmo. troco ele sempre no cantinho que ele brinca, em cima do tapete emborrachado.

se eu tivesse esquematizado o trocador todo lindo, com cestinha de vime e conjuntinho de cotonete, potinho ou sei lá o que de mais de 100 reais, teria usado isso por uns cinco meses, até ele começar a virar, mexer-se loucamente ou tentar sentar. e ainda passaria raiva por ter gastado dinheiro à toa.
benjoca tá numa fase que não para mais quieto nem dormindo (assunto pra outro post). com certeza ele cairia sempre do trocador, se tivesse um.

no fim das contas, quando estamos grávidas (especialmente do primeiro filho), é gerada sobre a gente uma necessidade impulsiva de coisas totalmente desnecessárias.

não acho que meu filho precisa de brinquedos musicais que brilham, falam e o chacoalham pra todos os lados. por enquanto ele precisa de qualquer coisa que seja firme o suficiente pra ele morder, que faça qualquer tipo de som quando ele bater contra outra coisa, que não seja pontiaguda ou o machuque. ou seja, não sendo uma faca ou um caco de vidro, tá legal. ahahahahha!

mas é sério, grande partes das coisas podem ser improvisadas. as indústrias apenas sacaram que havia o nicho de mercado e aproveitaram pra meter a faca na gente.
benjamin tem sapatos? sim, mesmo que não use.
tem brinquedos? sim, mesmo que sejam mais do que eu acho necessário.

mas no fim das contas, ele vive descalço e gosta mesmo é dos potes de plástico, das colheres e dos brinquedos do tov.

Related Posts with Thumbnails

categorias: erros comuns

assine nosso feed ou receba por email


39 Comments »

  1. menina, tem hora que eu acho que você é minha gêmea separada no nascimento.
    eu tenho um post nã publicado que se chama "série de desnecessidades para bebês".
    nem vou publicar, vou mandar o povo ler esse aqui! concordo com tudo
    bjo

    Comentário by Anne — 8 de abril de 2011 @ 3:43 pm

  2. Hahahaha! Muito bom.
    Isso também é maternidade real (blogagem coletiva de hoje que eu achei que você ia partipar).
    Aliás, seus posts são sempre muito reais… bem SEM FRESCURA… do jeito que eu gosto… minto… do jeito que eu adoraria ser, mas não consigo ser.
    Sou muito mais consumista do que eu gostaria… e meu consolo é que apesar de comprar muito, sou desapegada… depois saio doando e me sinto menos culpada pelas caridades e doações… gasto, mas depois da Bruna, faço um monte de gente feliz… e tudo que dou pra alguém mais humilde eu digo que a condição é que ela também DOE para alguém depois que não for mais útil pra ela… assim, me sinto melhor com a minha gastação desnecessária.

    Comentário by Iza — 8 de abril de 2011 @ 3:53 pm

  3. Seus posts são sempre garantia de risadas.. Você tem um jeito único de escrever. Parabéns, te acompanho sempre.

    Aqui em casa mesmo a gente acha que tudo que é feito pra bebê, nós vamos ter que comprar.. pais de 1ª viagem vc já viu né… Compra tudo que acha bonito e as vezes não tem nem onde guardar tanta tranqueira. Vou me orientar pelas suas dicas.
    Abraços!!!

    Se possível me add na sua lista de blogs!

    http://mmppv.blogspot.com/

    Comentário by Marcelo — 8 de abril de 2011 @ 3:56 pm

  4. Luiza estava pensando nisso esses dias, uma porque grana é uma coisa q aqui em casa, não sobra. rs.
    Daí eu tava olhando pro pézinho do Nicolas e me dei conta q ele tem um sapato só… e q não usa, rs. Ele adora se sentir livre, se pudesse ficaria pelado o dia todo.
    A maioria das roupas q ele tem foram todas ganhadas de uma amiga, e não tenho a menor vergonha disso.

    Economizei de longe uns 2.500 reais entre roupas, berço, guarda-roupa, cercadinho.. tudo ganhei. EU comprei apenas dois conjuntinhos pra ele e outras coisinhas.

    mesma coisa foi o chá de fraldas, ganhei um monte, pena q não pude usar mto, pq ele cresceu muito rápido.
    Tudo o q ficou pequeno pra ele, passei pra frente, inclusive dei coisas pra mães daqui que eu nem conheço, o povo me pedia e eu dava. Eu sei o qto é importante…

    O Nicolas tbm tem um arco de atividades emprestado, carrinho emprestado, rs e o cercadinho q a vó dele deu pra ele, vai para a prima daqui a alguns meses. Quer mais economia q isso?

    E os brinquedos então? Ele tem alguns que adora, mas sabe com o q ele se diverte mais? Com uma caixa de papelão (de presente) vazia e umas garrafas PET, acredita? A gente é q fica querendo dar coisas lindas, caras, enfim. Eu mesmo as vezes fico frustrada pq não tenho grana para comprar o brinquedo X.

    E quer saber? Eles nem se importam se o brinquedo é da Fischer Price ou se é da marca Paraguaiation. Se divertem com muito menos do q nós..É claro tbm q não vou dar algo pra ele brincar q possa machucá-lo, só pq é mais barato, mas tbm não vou me prender a marcas, mesmo pq né? o bolso não pode rs
    http://eusousuamae.blogspot.com

    Comentário by raquelapenas — 8 de abril de 2011 @ 4:01 pm

  5. tamo no time. as únicas coisas que eu comprei pra ele na vida foram a cômoda, um jogo de lençol, um mordedor de natal, o tal sapatinho qdo eu tava grávida, 2 conjuntinhos tamanho M, e algumas roupinhas G ou tamanho 1 ano (que ele não tem nenhuma). E FIM!
    o resto eu também ganhei. TUDO!
    claro que o benjamin também adora certos brinquedos, mas tenho certeza de que se ele não os tivesse, não seria nem um pouquinho menos feliz por causa disso.
    a culpa é nossa, que acaba se projetando neles.

    é claro que a gente quer ver nosso filho lindo. é claro que um agradinho de vez em quando faz bem.
    mas a nossa tendência como mãe é extrapolar, né? ehehehhe

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 8:09 pm

  6. PERFEITO.
    Grávida, penso em como me desvencilhar do desnecessário… nem sempre consigo… mas, ha uma outra opção. o que sobrar daqui, eu jogo ao universo de quem precisa. que tal? fazer circular é o supra-sumo do consumo excessivo…ahahahah

    Comentário by Renata — 8 de abril de 2011 @ 4:11 pm

  7. ahahahahha! precisando de ajuda pra o que é realmente útil e o que não é, fala comigo que eu te dou dicas 😉

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 8:04 pm

  8. Valeu, Luiza!!!!! Sempre preciso, e MUITOOOO. Pode deixar que eu grito por aqui…ehehehehehe.

    Comentário by Renata — 9 de abril de 2011 @ 10:02 am

  9. Eu penso que a gente compra muita coisa pros filhos pensando em nós. Exemplo: eu compro algumas roupas e calçados pra Alice pensando "ai que lindooo" , daí coloco na sacola e quando chego em casa e ela experimenta, detesta. Comprar roupas e brinquedos com cabeça de adulto é foda demais. Porque o que eles querem de verdade é conforto e brincadeira, o resto é bobagem nossa. Rafael só anda descaço por aí, dificilmente alguma coisa para nos pés dele.

    Bjs.

    Comentário by Tathy — 8 de abril de 2011 @ 4:27 pm

  10. Viva a liberdade do pés do Benjoca e assim a gente pode ficar apertando, mordendo…rs.
    Excelente post Lu.
    Beijão

    Comentário by Nana — 8 de abril de 2011 @ 4:31 pm

  11. …passar manteiga e comer 😉

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 8:03 pm

  12. Não adianta! Brinquedo favorito de criança é celular, controle remoto e todas as outras coisas que a gente grita "NÃO" quando ele se aproxima.

    Beijos, Ananda.
    http://projetodemae.wordpress.com/

    Comentário by nandaetges — 8 de abril de 2011 @ 4:47 pm

  13. totalmente concordo com você.
    você esqueceu dos chinelos, fios e cachorros.

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 7:46 pm

  14. em sp tem um site mto legal http://www.clubedobrinquedo.com.br/Duvidas.aspx
    ele promove a troca de brinquedos
    tipo um aluguel
    o brinquedo eh todo esterelizado
    e vc fica com ele ateh nao usar mais
    e pode mandar os seus tambe..
    deviam divulgar essa ideia neh…bem mais barato

    Comentário by marilia — 8 de abril de 2011 @ 4:55 pm

  15. que demais o clube!
    uma ótima ideia! valeu!

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 8:03 pm

  16. Luíza,
    19 babadores.
    Detalhe: Meu bebê ainda está na minha barriga com previsão para nascer em menos de duas semanas.
    Eu comprei 2.
    Sogra providenciou todos (sim, todos) os outros.
    Sem contar a quantidade de roupinhas que ganhamos.
    Eu não sou consumista, mas algumas pessoas da família são. (uma principalmente).
    Me sinto meio sufocada! Sempre adorei o fato de ganhar um ou dois presentes no natal, me fez dar valor a muitas coisas! E agora tenho gente que nem liga pra isso e já está "estragando" o baby! O que devo fazer?? Sugestões?

    Beijos

    Adorei o post 😉

    Comentário by Marina B. — 8 de abril de 2011 @ 5:01 pm

  17. oi, mari!

    então, no natal os avós vieram perguntar o que o benjamin queria ganhar. pra uma eu disse o que queria ganhar, outro me deu dinheiro (que usei um pouco e o resto tá guardado até hoje) e os outros eu acabei enrolando, disse que ia ver e nunca pedi nada.
    sabe o que eu dei de natal ao benjamin? uma mãozinha mordedor de 15 reais.
    não pelo preço, mas era uma das poucas coisas que ele tava precisando (babador era outra. ehehe). tava uma coceira louca por causa dos dentes e uma babação sem fim.

    quando o assunto é família, fica complicado. mas se ele já tiver ganhado, uma boa ideia é fazer que nem eu: rodízio. pode ser de brinquedo ou de roupa.
    de roupa nem tanto, mas eu guardo a maioria dos brinquedos do benj numa caixa no armário e tiro uns 3 ou 4 pra ele brincar até enjoar. quando eu vejo que ele já não tá dando muita bola, escondo os antigos e tiro mais alguns.
    e nisso os brinquedos indesejáveis ficam no fundo da caixa e não saem de lá nunca. ahahahhaha!

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 7:57 pm

  18. Luiza,
    Amo ser seus posts…estou sempre por aqui, nunca comentei, pois a preguiça e a distancia da barriga-teclado me incomodam….e vc me fez refletir muito sobre meus desejos consumistas…estou grávida de gêmeas, que podem nascer a qualquer momento (estou com 34 semanas) e tenho somente o necessario, não por opção,mas por condição, e senti um alívio danado ao ler suas palavras,afinal somos mães, queremos sempre o melhor para nossos filhos, mas nem sempre o melhor quer dizer o indispensavel.

    Beijos

    Comentário by Fernanda Atella — 8 de abril de 2011 @ 5:40 pm

  19. Então, über concordo com o post.
    Mas o Lorenzo tem bouncer, tapetinho e móbile da Fisher Price.
    E fui eu que comprei.
    Entrei numa crise existencial por causa do móbile, que finquei pé que não compraria porque ele já tem muitos brinquedos e acabei comprando.
    Nos Eua, vá lá, que é tudo uma pechincha…

    Coloco Lorenzo no tapetinho e ele fica namorando a mão…
    Coloco sob o móbile, mas ele me acha mais bonita (de calcinha e soutien de amamentação e cabelo desgrenhado)…
    Se o bouncer tá com o móbile, ele chora pra tirar porque quer ver o mundo…

    E eles nascem tão simples…
    E nós estragamos tudo…

    Comentário by Daniela — 8 de abril de 2011 @ 5:42 pm

  20. a gente estraga mesmo.
    eu morria de vontade de ter um bouncer, mas do modelo antigo. aquele que é só aquela coisinha em volta da bunda. desisti por causa da parafernália toda em volta. e daqui a pouquinho ele começa a andar e nem vai dar mais bola pra isso. ehehhehe

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 8:03 pm

  21. brenditz, adorei o blog!
    tenho minhas dúvidas de que passa. como comentaram ali em cima, às vezes não é nem um impulso nosso. é dos outros. heheheheh

    bjoo

    Comentário by luíza diener — 8 de abril de 2011 @ 7:59 pm

  22. Lú, so true…
    primeiro filho a gente viaja no enxoval, fui visitar uma amiga na maternidade esses dias, ela teve gêmeos e tinha 10 kits de roupas para cada um na maternidade e eu what? e ela : me falaram 6 mas quis previnir… e eu falei pra ela, o David usou 2, teve icterícia e ficou 2 dias de fraldinha e óculos escuro… ou seja, 6 é super desnecessário, 10 então nem se fala, para 2 ela levou 20 kits… fala sério… assim são todas as coisas.. o David tinha o mesmo problema/fofura do pé de bisnaga que entra só em determinados tipos de sapatos, outros fazem torniquete… perdeu um monte sem usar, sou super a favor do ciclo das roupas rodarem, do DAvid foi para uma amiga do prédio, depois pra um sobrinho e as mais especiais guardei para o segundinho caso viesse e agora ele tem metade do enxoval pronto, mas na segunda viagem (segundo filho) a gente tá bem mais escolada, já sabe o que usa e o que não usa, o David passou o primeiro ano da vida preferindo as embalagens de todos os presentes que ganhou aos presentes…rs, acho que a gente tem que fazer um consumo consciente e rodar mais brinquedos e roupinhas, concordo 100%, porque é tudo tão lindo e tão delicioso de comprar mas depois dá pena (e arrependimento) de doar roupa com etiqueta ou que o baby usou 1 vez! beijoca!

    Comentário by fernanda — 8 de abril de 2011 @ 8:15 pm

  23. Eu enlouqueço vendo as coisas de bebês por aí, mas no fim das contas não compro nada! É só parar pra pensar até quando Gabe vai usar aquilo pro juízo voltar pro lugar =D
    E os brinquedos, então! Não dá meia hora pra deixar de ser novidade e ele jogar pro lado! Até hj o brinquedo que me deu mais tempo de sossego pra fazer alguma enqto ele se entretia foi uma caixa de fraldas!!! Sucesso total! Não tem Fisher Price q ganhe =D E o bolso da mamãe agradece.
    Falando em consumismo…. Vi hj no facebook uns bodies de vcs, já estão a venda? Eu queroooo!

    Comentário by Reinações de Gabezinho — 8 de abril de 2011 @ 9:34 pm

  24. o lucas tem varios sapatos, nao comprei nenhum e realmente deve ter usado uns 5 só, e olhe lá… desses só um de fato entrava no pé dele confortavelmente e em menos de 10 minutos, o restante era um parto fazer entrar… oooo dificuldade, pensei até em fazer um post perguntando se o problema era só comigo, se era incompetencia minha ou o que…

    eu sou suuuuper a favor do rodizio, o lucas pegou MUITA coisa do primo, eu aceito de braços abertos. mas lu, olha só, ele recebeu umas doaçoes ai… de crianças com 10 anos, tá tá "inteirinho" mas desbotado já até de estar guardado a tanto tempo, e brinquedos também, a maioria inteiro, alguns faltando peça, mas coisa antiga sabe, cheio daquele pó que entra nuns espacinhos minusculos e dificeis de tirar, resumindo eu nao quero… aaahhhh SEM FALAR QUE nada é para idade dele agora, é tudo para maior de 2 anos. bah guardar coisas nao é comigo, gosto de passar a diante, dar para quem precisa, enfim… como dizer para a pessoa, que sim, está cheia de boa vontade, que eu nao tenho interesse, que ela deveria dar para alguém que fizesse melhor uso? :S

    Comentário by tchella — 8 de abril de 2011 @ 10:46 pm

  25. Ah, desde quando sapato de bebê é desnecessário!?!? srsrsrsr
    Pra mim colocar sapato do Bruno, que só tem 5 meses, é como dar acabamento no que ele está usando. Em casa ele fica só de meia porque ele é um verdadeiro pé frio, mas quando sai sempre está de tênis ou de sandália.
    Eu também uso sapato pra ele ir acostumando a usar coisas no pé. Já vi bebê odiando usar sapato quando começou a andar (trabalho em creche).
    Bjo.

    Comentário by Gleice — 9 de abril de 2011 @ 9:33 pm

  26. então, gleice, eu até tenho tentado fazer ele usar pra acostumar. eu acho SUPER BONITINHO bebê de tênis.
    mas não dou conta. nem de botar e nem de comprar uma coisa que vai durar tão pouco tempo. ehehehehhehe

    Comentário by luíza diener — 10 de abril de 2011 @ 9:56 pm

  27. Luísa,
    Preciso da tua experiência como mãe de bebê sensível. Já comentei aqui que o Lorenzo é igual ao Benjamin dos primeiros meses, com as crises depois das saídas…
    O ped disse que passaria com 6 semanas e, então, eu aboli completamente as saídas (e as visitas também, mas agora ele está de bem com as visitas).
    Só que Lorenzo fará 8 semanas e ainda entra em crise com saídas.
    Minha dúvida é se isso vai passar por si só ou se levo ele pra rua pra se acostumar, mesmo sabendo que vai ter crise…
    Como foi com vocês?

    Beijos

    Comentário by Daniela — 9 de abril de 2011 @ 11:07 pm

  28. daniela, se eu te disser que o benjamin só melhorou de um mês pra cá, você acredita?
    nas primeiras semanas, qualquer variação de rotina ele ficava esquisitão por uns 2, 3 dias.
    mesmo assim ele aceitava bem enquanto estava na rua, porque dormia bastante. com uns 2 ou 3 meses ele até ficou mais traquilo.

    mas depois ele começou a dormir pouco e estranhar todo mundo. a gente não podia chegar em lugar diferente que ele ficava esquisito. lugar barulhento, então, era (e ainda é) crucial.

    agora, no sétimo mês, é que ele tá mais sociável, vai com todo mundo e não estranha tanto.
    mas continua super sensível (às vezes até chato. ehehhehehe!).
    acho que varia de bebê pra bebÊ e a gente tem que saber respeitar a individualidade deles.

    espero ter ajudado um pouco. bjooo

    Comentário by luíza diener — 10 de abril de 2011 @ 10:08 pm

  29. ih menina, por aqui foi assim tbm
    o Gui ganhou todos os móveis do quarto e 6 malas com roupas e um monte de pares de mini all star de uma prima minha que estava com o filhote com 4 anos. A minha outra prima, separou uma peeeeeenca de conjutos de berço… só sei que eu comprei apenas um body pra ele. Banheira, carrinho, baby desconforto… tudo de segunda mão e que já estão sendo usados por outros babys! Agora a minha prima que me deu o quarto todo está grávida e muita coisa está voltando!!!
    Guilherme odeia sapato. Eu ponho e ele tira! e essa cena se repete trocentas vezes!
    e olha… até os brinquedos são de segunda mão! hahahhaa
    hj mesmo estava separando um monte de tênis (cada um mais irado que o outro)que não cabia mais nele! Ele ganhou até uma chuteira irada!!! hahaha adorooo

    Comentário by Rebeca Bricio — 10 de abril de 2011 @ 2:17 am

  30. GENTE!!!!!!!!!!!!! Descobri uma loja virtual que vende roupinhas da marca Carters com um preço ótimo ,tem umas roupinhas muito lindas ,quase pirei já fiz uma compra e entregaram direitinho o site é http://www.lojinhadebebe.com.br.

    Beijos ,sempre que encontrar alguma coisa interessante aviso vcs Bjs

    Comentário by gabriela — 10 de abril de 2011 @ 9:04 am

  31. Suuuuper concordo.
    A Giulia tem pouquíssimos calçados. Parei de comprar láááá no comecinho, quando comprei uma sandalinha que não coube no “pé-bisnaga” dela. Aí resolvi dxar esse negócio pra lá (até pq, sapato pra bebê é um absurdo de caro).
    Agora só compro se acho que vai precisar, mesmo (como pro casamento do meu irmão caçula – ela estava linda de papete, que serviu por um tempão. rsrsrs)
    Os brinquedos eu já desisti de gastar rios de dinheiro, já que ela gosta mais de uma tupperware do que de um chocalho elaborado.
    Aliás, ela tem um pezinho-mordedor idêntico à mãozinha-mordedor do Benjamin. =D
    É super baratinho (eu paguei R$ 12) e é um dos brinquedos que ela mais gosta. Mas eu tb faço revezamento, igual a vc, pq ela enjoa dos brinquedinhos.
    Bem que eu queria estragar ela com roupas, calçados e brinquedos. Deixar ela tipo princesinha o tempo todo. Mas ela nem liga… Então aprendi a não ligar tb. =)
    Aliás, quem falou que ela não é uma princesa estando descalça, só de fralda e com uma vasilha da mamãe na mão?? hahahahaha
    Bjo

    Comentário by Jemima — 11 de abril de 2011 @ 9:21 am

  32. Lu vc tem razao! a Lalá tinha uma enxurrada de brinquedos….. gostava de dois ou tres!!! pelo menos no segundo eu fiquei esperta! comprei quase nada para o rapaz !!!
    Mas sapatos eu nao abro mao! eu amuuuuuu !!! ja experimentou uma marca de sapato que chama Tip toey joey??? eles sao lindos e confortaveis e alguns modelos sao bem altinhos(cabem bem em pés gordinhos)a Laís usou muito e murilinho ta indo pelo mesmo caminho
    bjusss
    Letícia

    Comentário by leticia — 11 de abril de 2011 @ 4:14 pm

  33. lets, eu acho os sapatinhos da tip toey joey SENSACIONALMENTE LINDOS!!
    mas to esperando ele começar a andar pra comprar.
    primeiro porque ele tem um pé grandinho e não sei quanto estará calçando quando resolver ensaiar os primeiros passos.
    segundo, porque não quero gastar 80 reais a toa numa coisa que vai ser usada duas vezes e depois perder.

    mas adorei a dica de não sairem do pé.

    eu conheci uns sapatinhos pra bebe que chamam babo uabu. são fofos e confortáveis e cabem nos pés gordinhos. empolguei muito na época e depois deixei pra lá. ahahhahah!

    quando chegar o frio de verdade aí sim eu vou atrás.

    beijossss

    Comentário by luíza diener — 13 de abril de 2011 @ 7:57 pm

  34. e nao saem DO PÉ!!!
    BJUS

    Comentário by leticia — 11 de abril de 2011 @ 4:15 pm

  35. Sapatinhos também não fazem parte do guarda-roupas do Luisinho. Como o filho é meu, também implementei a lei de só usar sapatos quando começar a andar. Além de serem inuteis, eles são caros e dão trabalho. Não me lembrei nem do sapatinho vermelho na saída da maternidade…

    Bjs

    Comentário by Gisela Blanco — 12 de abril de 2011 @ 10:27 pm

  36. Poxa, não conhecia seu blog e caí nele por um simples acaso chamado Google.
    Estou lendo vários posts sem parar e me matando de rir com seu sarcasmo. Alguém lá em cima comentou que parecem gêmeas separadas no nascimento, pois então somos tri. Achei alguém que me entenda.
    Parabéns pelo trabalho!
    Já salvei nos meus favoritos e indiquei pra algumas amigas também mamães de primeira viagem.
    Abraços.

    Comentário by Dani — 15 de abril de 2011 @ 4:12 pm

  37. Simplemente adoreiiiiiiii o seu blog…
    E o post….caiu como uma luva,estrou gravida de 6 meses{completos hoje} de uma menina,e to quase louca de tanta coisa linda que vejo .vou la e compro…….juroooo eu juroooo que estou tentando me controlar.
    Ja li muito sobre isso e acho que ate o nascimento dela devo aprender algumas licooes basicas do que e desnecessario..
    Ja vou seguir vc…..como disse estou amando seu blog….
    Beijoooo
    O meu tem uma semana,mas depois da uma passadinha…..
    P>S>meus acentos nao funcioonam,.

    Comentário by Mayara — 30 de junho de 2011 @ 3:50 am

  38. Impressionante como concordo com vc!!!! Estou grávida do segundo filho…na primeira vez foi essa avalanche de coisas desnecessárias, agora, só o basicão!!!! Berço de segunda mão, decoração com itens recicláveis, potes de algodão e cotonete feitos de pote de margarina decorados…e olhe lá!!!!!kkkk Parece clichê, mas o importante é saúde mesmo!!!!!
    Parabéns pelos posts!!!

    Comentário by Tamara — 11 de março de 2012 @ 2:26 am

  39. […] a verdade é muito difícil entrar num equilíbrio. eu mesma me contradigo o tempo inteiro. inclusive algumas coisas que escrevi acima são uma autocrítica à minha maneira […]

    Pingback by potencial gestante – é para os pais, não para os filhos — 12 de março de 2012 @ 9:01 am

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment