01 de agosto

o cão, a raposa e o sapo

por hilan diener

tov_ws

há duas semanas tivemos nosso primeiro visitante incomum.
acordei de madrugada com um latido incessante do tov e pensei: “ah, deve ser um gato. logo ele bota o bichano pra correr e para de latir”. mas não parava. fui até a janela tentar silenciá-lo quando vejo tov correndo pra cá e pra lá. “que gato mais ousado”. mas se fosse gato, era um gato do tipo burro, porque não conseguia escapar do nosso quintal. um gato já teria pulado o muro há tempos ou ao menos subido numa árvore ou telhado.
como a latição não parava, saí pra ver: tov tinha encurralado um bicho num canto sem saída. um bicho relativamente grande. pensei que pudesse ser um gambá ou um quati, mas estava escuro e eu não podia ver direito. hilan saiu também. sansa acordou. hilan foi cuidar da sansa. o tal bicho fez um xixi com um cheiro bem característico e já pensei: “é um canídeo”. acendi a luz e consegui vê-lo melhor: meio cinza, orelhas pontudas, semelhante a um lobo (mas muito pequeno), mais ou menos do tamanho do tov só que muito mais esguio, com uma cauda grande e peluda.
apareceram dois vizinhos amigos nossos sem entender nada. vendo que não era um ladrão ou algo mais bizarro, ela entrou pra cuidar de uma das filhas e ele foi me ajudar. tov não saía de cima do bicho, que avançava e recuava.
nosso vizinho conseguiu afastar o tov com um carrinho de bonecas e gritos e, enquanto buscava uma luz pra afastar o animal (literalmente. a lanterna do celular), prendi o tov.
o bichinho ficou pulando lá no fundo do quintal, tentando escalar o muro sem sucesso. com o tov preso, conseguimos enfim botar o bichinho pra fora de casa.
então pude olhar o tov com mais cuidado: intacto. nenhuma mordida, nenhum arranhão sequer, fazendo jus ao seu novo nome: vage, seu vage.

antes de dormir, claro, fui pesquisar: o invasor parecia-se bastante com uma raposa do campo (apesar de eu ter desconfiado também do cachorro do mato).
demorou um pouco pro sono bater, por conta da agitação, mas o fato foi que, depois desse episódio, tov ficou ainda mais selvagem e atento a todo e qualquer barulho, de dia ou à noite.
começou a incomodar a gente, a me acordar à noite por causa da sua barulheira fora do comum. acho que ele ficou – de alguma maneira – meio traumatizado com a história.

aí, semana passada (dez dias depois do ocorrido com a raposa), estávamos hilan e eu à noite, assistindo uma série enquanto as crianças dormaim, quando tov disparou a latir.
como ele tem latido pra tudo – até pra folha que cai no nosso quintal, literalmente – não dei muita bola a princípio. mas aí hilan olhou bem e disse “ele tá latindo pra um sapo!”.
não era a primeira vez que isso acontecia, mas da outra se resolveu rapidamente.
fui lá, vi o sapo pulando e tov indo pra cá e pra lá, cercando o anfíbio. era um sapo boi, também conhecido como sapo cururu, sapo jururu, sapo gigante, xué, aguá, _________ (insira aqui o nome de como ele é chamado na sua região).
eu, matuta, limitando-me ao meu pouco conhecimento de biologia que diz “ah, dentre tantos sapos, esse até que não é tão venenoso”, parei pra observar o embate. tov ia pra um lado, pro outro, dava uma mordiscada e saía. o sapo, por sua vez, tentou fugir, tentou inflar-se para parecer grande mas, por último, encolheu-se todo no chão, parecendo morto (nessa hora o tov parava de atacar). quando percebi que tov começou a espumar pela boca e fazer uma careta toda vez que tentava morder o sapo, decidi que era a hora de separá-los. pedi pro hilan tirar o tov enquanto eu tirava o sapo, mas quando tov foi prum canto eu fiz foi ir atrás dele. lavei a cara dele e fiz a bobagem de dar água pra ele beber, porque provavelmente nessa hora ele engoliu mais veneno.

ele foi de bouas pro cantinho dele e voltamos a ver nossa série. pouco depois ouvimos ele ofegando alto, como quem estava com dificuldade para respirar. corri pra ver e tov estava deitado, prostrado, quase imóvel, respirando super mal, babando. tinha feito xixi enquanto estava deitado. seus olhos estavam vidrados e ele não respondia quando eu chamava. pedi pro hilan preparar o carro para levá-lo ao hospital. enquanto pegava tov no colo com cuidado pra não machucá-lo (e pra ele não me morder, porque animais ficam totalmente imprevisíveis nessas situações), ele fez um monte de xixi novamente. corri, coloquei ele no chão do carro e hilan correu pro hospital veterinário 24h mais próximo (por mais próximo, entenda: a 6 km daqui). meu coração apertou. do jeito que ele ficou duro lá no carro, quase sem respirar, pensei que não fosse aguentar e que morreria no meio do caminho.
depois de orar e pedir oração pras minhas irmãs e mãe (sou dessas), corri pra arrumar outros telefones de veterinários, caso aquele onde hilan levou, não estivesse atendendo por algum motivo inusitado. mas não foi necessário. em menos de 10 minutos hilan chegou lá. tov já entrou no soro, começou a medicação e logo começou a melhorar. aí, na hora de relaxar do risco de morte, comecei a me preocupar com quanto isso iria nos custar.

no dia seguinte ele já estava de pé, mais ainda com dificuldades para comer, urinar, evacuar. ficou mais um dia sob observação e medicação, quando finalmente teve alta e voltou pra casa.
nunca pensei que as crianças fossem sentir a falta dele como sentiram, nem tão felizes com sua volta (pois é, eles não dão lá muita bola pro tov). mas me surpreendi. foi fofo:

tovão, seu bobalhão, não apronte mais uma dessas com a gente, viu?

ps: no fim das contas, a conta não saiu tão pesada quanto imaginamos e agora tov tá cem porcenta!

Related Posts with Thumbnails

categorias: tov

assine nosso feed ou receba por email


7 Comments »

  1. Gentemmmmm, essa casa tá rendendo muita história boa 🙂 Aqui no meu condomínio, outro dia a bebê estava apontando pro chão e eu sem entender. Quando dei por mim, era uma cobrinha verde atravessando a rua. Meu coração parou!!!! Mas ela tava SP ser passagem mesmo….. risos Beijos

    Comentário by Gabriela PSO — agosto 1, 2015 @ 9:56 am

  2. Oi Luiza.

    Amei a historia, sempre venho aqui. Já te considero minha amiga rs.

    Precisava tanto de um conselho:

    Minha pequena Tem 1 ano e um mês, ela comia bem, frutas, papás Salgado etc.

    Mas mês retrasado ficou doente e seu apetite diminuiu, pequei e comecei a trocar as refeições principais por fruta ou peito…

    Agora tem 2 dentes pra romper e a bichinha ñ quer nada salgado. Só peito e fruta.

    Mina mãe e sogra me cobram, Sou nutricionista e me cobro mais ainda.

    Estou me sentindo a pior mãe do mundo 🙁

    Queria uma luz, sua e das leitoras que puderem me ajudar com dicas, juro que não sei o que fazer… na teoria é tudo lindo; na prática tem sido muito difícil.

    Lembrando que ela não come nada industrializado, nunca comeu se quer uma bolacha…

    obrigada por me deixar desabafar.

    Bjo

    ps Sua família me inspira

    Comentário by Laura — agosto 1, 2015 @ 6:23 pm

  3. Acho que foi a raposa que mandou esse sapo como vingança… 😉
    Que bom que o Tov escapou dessa hem?

    Comentário by lia — agosto 2, 2015 @ 9:17 pm

  4. ahahahha! é o universo kármico trolando o tov. ahahahahhaha

    Comentário by luíza diener — agosto 3, 2015 @ 7:21 pm

  5. Caramba, que susto!!!!

    Comentário by Mariana — agosto 3, 2015 @ 7:55 am

  6. Como vc é corajosa, hilan fica com as crias e vc enfrenta raposas, sapos e afins…. palmas (pq to sem os emojis)

    Comentário by Ana Silvia — agosto 3, 2015 @ 2:00 pm

  7. ahahahaha! eu AMO mexer com essas coisas! quando marido resolve se meter eu fico é brava. huahuahuahua!

    Comentário by luíza diener — agosto 3, 2015 @ 7:22 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment