31 de maio

minha primeira anestesia e os trigêmeos

por luíza diener


foto: my milk toof

esta semana eu tomei minha primeira anestesia. não fazia ideia de como aquilo funcionava até que aconteceu.

eu tinha três dentes sisudos dentro da minha boca que estava fazendo uma tremenda algazarra com o restante dos dentes.
resumo da missa: se eu não os tirasse, poderia até perder um dente da frente (sabe o incisivo inferior, geralmente o primeirinho dos bebês? então).

e lá fui eu. a primeira coisa que me vinha à mente era: eu aguentei um parto. eu aguento isso daqui.
foi quase um mantra mental.

a dentista me deitou na cadeira, olhou meus dentes e já aplicou a anestesia em um deles. pensei que fosse doer mais, mas fez apenas cosquinha.
aí depois ela coloca um pano sobre mim, apenas com um buraco na cara. disse que estava esterilizado e que eu não poderia tocá-lo. “será que também vão amarrar minhas mãos e pés?”.
aos poucos foi ficando dormente, até que eu senti a bochecha pesar. queria segurar com a mão, porque dava a impressão de que iria cair.
um pouco acima de mim (onde fica aquela linda luz de dentista que todo mundo já teve que encarar alguma vez na vida) havia uma radiografia dos meus dentes. toda a gangue dentária sorrindo para mim.

aí ela começou. meteu um alicate, forçou, nada. veio com mais um monte de outras ferramentas. forçava, cutucava. lascou uma broca que fazia barulho de porquinho na hora do abate.
forçou mais. mais alicate. mais broca e mais um monte de coisas. demorou.
fiquei pensando nos meus três dentes.
eles foram formados em mim e por mim. passamos muito tempo juntos, inclusive maus bocados.
e agora estou sendo cortada para que sejam retirados.
sinto como se fossem um pouco meus.
quero dar um nome para cada um deles.
aí vejo que deu uma cessada. saiu? saiu!
“ele tinha as raízes para dentro, como dois pezinhos tortos, assim” e mostrou virando seus dois pés pra dentro “não tava aparecendo na radiografia. foi por isso que tava difícil pra sair”

e não falou mais nada. foi só passando pro lado da boca e mais anestesia.
pensei em chamar esse primeiro de garrincha, por causa dos pés tortos.
mas aí doeu meu ouvido.
ela anestesiou mais um dente. eu senti um pouco do líquido escorrer pela boca. pode engolir? pode.

me deu enjoo e aí as coisas começaram a escurecer. um calor subiu pelo corpo todo.
conheço essa sensação. vou desmaiar.
levanto a mão. peço pra parar um pouco. traz sal. põe embaixo da língua.
levanto minhas pernas um pouco, pra descer mais sangue pra cabeça.
me abana.
o calor vai passando. sinto minha cor voltar ao rosto.
ta tudo bem? tá.

e ela passa pro segundo dente.
força um pouquinho e puf! saiu!
esse foi parto normal.

e o terceiro foi o mais complicado. tudo aquilo que aconteceu com o primeiro e mais um pouco. até porque a anestesia não estava na sua potência máxima de efeito.
meus trigêmeos vão se chamar isaías, jeremias e lamentações (quem crê entende). o primeiro é o jeremias, o segundo isaías e o terceiro, claro, vocês já sabem.

de fato, essa foi minha primeira anestesia. porque lá no parto a obstetra disse que faria uma anestesia local para a episiotomia. quem disse? não pegou, eu senti ela fazer o corte, senti a picada doida cada vez que ela dava um ponto (pra quem gosta dessas coisas, tá aqui o relato de parto).

mas a dentista terminou o serviço. costurou tudo e eu nem senti dor alguma.

a assistente foi embrulhando tudo num pano. “eu posso ver?”
ela abriu o pacote e lá estavam meus dentes totalmente despedaçados. apenas um ficou inteiro, o isaías.
e mesmo assim ele era deformado, com uma das raízes tortas e um pedaço extra de osso colado nele.
os outros não tiveram enterro digno. foram direto pro lixo hospitalar.

levei isaías pra casa, lavei e cuidei dele. tadinho.

cheguei sem poder falar um A. e benjoca todo tagarelante.
eu, comendo papinha e ele, comida inteira.
eu, dormindo o dia inteiro e ele, a todo vapor.
eu, chorando de dor e ele, me consolando (ou chorando junto).

três dias de repouso.
mas quem disse que mãe repousa?

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , parto

assine nosso feed ou receba por email


20 Comments »

  1. meu Deus, dá dor só de pensar na dor… tudo bem que na hora nao doi nada… mais depois é que sao elas ne!?

    bjinhus

    Comentário by Larissa Xavier — maio 31, 2012 @ 9:28 am

  2. nossa! depois é que complica!

    Comentário by Luíza Diener — maio 31, 2012 @ 9:49 am

  3. Mãe nunca repousa…

    Comentário by Camila — maio 31, 2012 @ 9:33 am

  4. Isaías, Jeremias e Lamentações HAHAHAHHAHAAAHAHAHHA

    Comentário by maaarimartins — maio 31, 2012 @ 9:42 am

  5. Ri muito com este post… adorei… vou comer a acessar o blog de casa, assim não fica tão chato, dar gargalhadas no trabalho não é tão interessante assim né?

    Comentário by Michelle — maio 31, 2012 @ 10:36 am

  6. ahahhahahahahha!!!
    faça isso então
    bj

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:45 pm

  7. Lú, desculpa a pergunta: Vc contaria um pouco do pós operatório amamentando?
    Pq eu deveria ter tirado os meus 4 sisos quando estava grávida de 4 meses. Não rolou, eu não queria.
    Hj com um bebê de 14 meses, ainda amamentando, ainda não fui atrás – por causa de anestesia e antibioticos…

    O que vc está fazendo?

    Beijo e boa sorte!

    Comentário by Marina - Papinha Gourmet — maio 31, 2012 @ 10:46 am

  8. Oi, Marina! Quanto tempo!

    Então, apesar da dentista ter dito que o tipo de anestesia que eu tomei não dava problema na amamentação, eu fiquei 24h sem amamentar depois.
    Não tomei antiinflamatório, só o antibiótico e o paracetamol (ainda estou tomando ambos).
    O antibiótico não tem problema (to tomando amoxicilina), inclusive o próprio Benjamin já tomou quando era mais novo.
    Mesmo assim eu reduzi as mamadas para duas vezes ao dia e dou o mamá antes de tomar o remédio, só por precaução.
    Por sorte ele não acorda mais frequentemente à noite e eu dei a sorte de nenhum desses dias isso ter acontecido.
    Não observei nenhuma reação estranha nele, então acredito que esteja indo tudo bem.

    Eu também joguei a extração o máximo lá pra frente pra não dar esse tipo de problema.
    Amanhã acaba minha medicação e acredito que no sábado já voltemos à nossa programação normal (livre demanda).

    Pra mim o mais chato do pós-operatório é não conseguir repousar com uma criança elétrica ao lado e, pra completar, não conseguir comer direito.
    Eu tava achando que seria o máximo ficar só na base dos sucos e sorvetes, mas estou completamente enjoada de doces. louca pra mastigar uma carne!
    Enfim, acho que a questão dos remédios não é tão má assim. Mas é fundamental ter alguém pra te ajudar, senão você não repousa de jeito nenhum.

    Beijos!

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:32 pm

  9. Caramba, e o Benjamin ficou bem com o corte das mamadas?
    O Linus fica impossível, chorão, grita, se debates, sem contar que acorda ainda mil vezes a noite………

    24h sem mamar, aqui, só com muito choro. rs

    Comentário by carolina — junho 4, 2012 @ 1:26 pm

  10. Oi Luiza seus textos são muito legais até nesta hora de dor! Ri muito, dos nomes dados a eles.
    Arranquei os 4 sisos e te entendo é ruim demais, mas no futuro vale a pena pois aquela pressão no maxilar some..

    bjs, adoro seu blog!
    Jaque

    Comentário by jaqueline — maio 31, 2012 @ 11:43 am

  11. ahahahah! tomara que alivie mesmo. pq agora parece que fez foi piorar. mas tb, só tem 2 dias!

    beijão!

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:42 pm

  12. nossa e eu adiando pra arrancar um!
    da primeira e unica que arranquei um dente do siso o cara deixou escapar a ferramenta e furou meu ceu da boa, traumatizei!

    e como tá sendo a recuperação? tomando todos os remédios? e a amamentação?
    o benjamin num te deu nenhum soco ou chute ou cabeçada sem querer ainda?

    tem que ter gente pra cuidar de vocês!

    boa recuperação aí!

    Comentário by carolina — maio 31, 2012 @ 12:05 pm

  13. carolina, já tomei uma cabeçada hoje. na verdade foi a cabeçada de uma boneca.
    não sei se por sorte ou azar, foi no ouvido. só que meu ouvido tá doendo mais que o dente em si.
    ou seja, to tendo que ficar sempre mais alta que ele, se quiser sobreviver.

    escrevi sobre amamentação e medicamentos ali na resposta pra marina. dá uma olhada!

    bjos

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:34 pm

  14. ps: como assim furou o céu da boca? jesuisinho amado!!!

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:46 pm

  15. sei lá. o imbecil tava forçando no dente e escapou e furou meu céu da boca! pior eu dizendo q ele me machucou e ele dizendo que nào!

    Comentário by carolina — junho 4, 2012 @ 1:24 pm

  16. Total identificação, adorei o post!

    Menina, passei por isso há alguns meses. O meu pensamento foi o mesmo que o seu: "Eu aguentei um parto. O que vai ser isso perto de um parto?"

    Ah, se eu soubesse! Um dos meus dentes era incluso (só tinha uma pontinha pra cima, o resto ficou todo dentro da gengiva), então foi um banho de sangue, cortes em todos os cantos da boca. Só pra esse problemático a cirurgia demorou mais de 1 hora.

    Depois da experiência, meu ranking da dor ficou:

    1º lugar: extração de sisos;
    2º lugar: cólica renal (espero que nunca tenha sofrido com isso);
    3º lugar: parto

    Comentário by Helen — maio 31, 2012 @ 12:28 pm

  17. esses meus dois que sairam esmigalhados (e tb deram banho de sangue da dentista) estavam inclusos, só com a pontinha pra fora.
    o único que saiu inteiro era pq já tinha saído normalmente na boca.

    pra mim é assim:
    cólica menstrual > contração de parto recuperação
    dor durante o parto > dor durante a extração do siso
    dor no pós operatório do dente >>>>>> recuperação do pós parto

    sério. eu sofri durante o parto e puf! passou! a recuperação foi ótima. os pontinhos da episio incomodaram só um pouco.
    mas essa recuperação da extração está TERRÍVEL!
    sem contar que estou tomando medicamentos agora (eu não tomei no pós parto) que me deixam super enjoada e cansada. nem na gravidez eu fiquei assim.
    sem contar com a fome eterna que não passa. credo!

    prefiro parir gêmeos de parto natural!

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:42 pm

  18. É! Exatamente isso que eu quis dizer no ranking da dor, na verdade é a recuperação da extração versus recuperação do parto. Porque a dor da extração, na verdade, não tem, porque estamos anestesiadas.

    Os pontos da episiotomia doíam um pouquinho na hora de levantar…ou depois de algum esforcinho maior, e pronto, passava.

    A dor dessa birosca (hahahahaha) é constante, a gente mal consegue abrir a boca. Ainda mais porque, além do "buraco" em si, tem todos os outros cortes em outras partes da gengiva. Foi por causa disso que voltei no comentário, pra te dar uma dica que foi o que me ajudou a voltar a viver normalmente (drama)…é uma pomada chamada Omcilon Odontológica, que ajuda na cicatrização dos cortes. Ela forma uma película protetora sobre o machucado e ajuda a cicatrizar MESMO.

    Eu também amamento ainda e não teve problema nenhum quanto a isso. Espero que te ajude! Boa sorte com a recuperação! 🙂

    Comentário by Helen — junho 1, 2012 @ 12:52 pm

  19. nossa Luiza que horror…
    eu tb tenho que tirar 2! mas morro de medo =/

    bjão

    Comentário by Mamãe do Otávio — maio 31, 2012 @ 6:13 pm

  20. é que eu ADORO fazer terror. ahahahha!

    Comentário by luíza diener — maio 31, 2012 @ 6:43 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment