17 de março

por que evitar dar suco para bebês (e para adultos)

por luíza diener

fruta

semana retrasada postei um texto sobre a saga da introdução alimentar da constança e mencionei o fato de não dar sucos para ela.
como algumas pessoas me perguntaram por que eu não dou suco para ela, achei que valia um post à parte.
começou anos atrás, quando li alguns textos a respeito no blog crianças na cozinha, da pat feldman.
fui atrás e vi que o marido dela, dr. alexandre feldman, tem um livro chamado Enxaqueca e fala, dentre outras coisas, do perigo do açúcar na nossa saúde.

a partir disso resolvi fazer uma coletânea de textos de estudos e artigos a respeito, para trazer mais luz e informação a quem se interessar pelo assunto:

“Uma pesquisa publicada pelo “British Medical Journal” pode amargar o café da manhã de muita gente: o consumo diário de um ou mais copos de suco de fruta eleva em até 21% o risco de desenvolver diabetes tipo 2.

A doença, que é considerada uma epidemia mundial, afeta 347 milhões de pessoas, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde).
(…)
Segundo os cálculos do estudo, trocando os sucos por um consumo frequente de quaisquer frutas inteiras, o risco de diabetes cai 7%; a queda pode ser maior dependendo da escolha de cada um.

(retirado do artigo “frutas protegem contra diabetes, mas sucos elevam risco da doença“, site da Folha de São Paulo)

* * *

o Ministério da Saúde também recomenda:

“As refeições, quanto mais espessas e consistentes, apresentam maior densidade energética (caloria/grama de alimento), comparadas com as dietas diluídas, do tipo sucos e sopas ralas.
Como a criança tem capacidade gástrica pequena e consome poucas colheradas no início da introdução dos alimentos complementares, é necessário garantir o aporte calórico com papas de alta densidade energética.” (pg 23)

“É importante que a mãe seja orientada sobre não oferecer, como refeição, alimentos líquidos de baixa densidade energética do tipo sopas, caldos e sucos.” (pg 24. no texto ele faz a distinção entre sopa e papa. a papa consiste no alimento amassado e a sopa é aquele tanto de água com verduras, legumes, etc)

“As frutas devem ser oferecidas in natura, amassadas, ao invés de sucos. O consumo de suco natural deve ser limitado e, se for  oferecido, em pequena quantidade, após as refeições principais para ajudar a absorver melhor o ferro inorgânico. Porém, os sucos não devem ser utilizados como uma refeição ou lanche, por conterem menor densidade energética que a fruta em pedaços.” (pg. 26)

{vale lembrar que estamos falando de bebês maiores de 6 meses, visto que até o sexto mês o leite materno deve ser o único alimento do bebê, salvo exceções}:

“o leite materno contém tudo o que o bebê necessita até o 6º mês de vida, inclusive água. Assim, a oferta de chás, sucos e água é desnecessária e pode prejudicar a sucção do bebê, fazendo com que ele mame menos leite materno, pois o volume desses líquidos irá substituí-lo. Água, chá e suco representam um meio de contaminação que pode aumentar o risco de doenças.” (pg. 12)

(do Ministério da Saúde, Dez passos para uma  alimentação saudável – Guia alimentar para crianças menores de dois anos)

* * *

Sucos, mesmo sem adição de açúcar, concentram açúcar da própria fruta. Muito açúcar. Tanto é assim que, segundo o famoso Harvard Nurses Study, o consumo de sucos de frutas por crianças aumenta o risco de diabetes do tipo 2. Cada vez mais estudos sérios e honestos têm mostrado que a ingestão habitual de sucos de frutas contribui muito para a atual epidemia de obesidade.

(…) todo esse açúcar influencia negativamente os níveis de serotonina no cérebro, e esse neurotransmissor, quando em desequilíbrio, pode causar doenças como enxaqueca, depressão, ansiedade, fibromialgia. Todo esse açúcar também desequilibra os níveis de insulina e estrogênio, levando a desequilíbrios hormonais em mulheres e homens, desequilíbrios estes que facilitam ainda mais o surgimento da enxaqueca.

Sucos industrializados são piores ainda. Muito piores! (…) Todos esses ingredientes podem, de uma forma ou de outra, provocar desequilíbrios no nosso organismo a ponto de gerar sintomas de doenças crônicas como a enxaqueca, entre muitas outras.

Mas comer uma fruta não é a mesma coisa que tomar um suco?

Não. Pense só: para você comer um cacho de uvas (se aguentar esse tanto), leva cerca de 15 minutos. Já para beber um suco de dois cachos de uva (não chega a dar um copo), pode levar menos de 1 minuto. É muito açúcar entrando no organismo em pouco tempo e sendo absorvido imediatamente.

Além disso, a presença de fibras nas frutas (por exemplo, as cascas dessas uvas) retarda bastante a absorção do açúcar. E obviamente, as fibras das frutas são coadas no preparo dos sucos.

Conclusão: A noção de que “suco de frutas faz bem à saúde” é puro mito.

Isso vale também (e muito mais!) para bebês e crianças.”

(extraído do post “sucos e enxaqueca – por que evitar“, escrito pelo dr. alexandre feldman).

* * *

” De acordo com o estudo publicado, “frutas têm componentes altamente variáveis de fibra, antioxidantes, outros nutrientes e fitoquímicos que, juntos, influenciam o risco”.

No entanto, quando observado o impacto de sucos de frutas, os pesquisadores chegaram a um leve aumento do risco de diabetes tipo 2, contra a redução provocada pela ingestão de frutas sólidas.
(…)
“Ao fazermos um suco, separamos a (polpa) fruta de seus fluidos, que são absorvidos mais rapidamente, aumentando os níveis de açúcar e insulina no sangue para conter os açúcares”, explica Qi Sun, autor do estudo e professor na Harvard School of Public Health.
“Para diminuir o risco de diabetes tipo 2, o ideal seria diminuir o consumo de sucos e aumentar o de frutas”, aconselha.”

(retirado do artigo “suco de frutas pode aumentar risco de diabetes”, no site da BBC Brasil)

* * *

Duas das principais justificativas, senão as maiores, para que se sugira oferecer apenas frutas e não sucos em crianças até um ano de idade, além do aleitamento materno exclusivo até 6 meses, são o índice glicêmico (IG) e a carga glicêmica (CG).

Quando ingerimos qualquer alimento, há uma elevação do nível de nosso açúcar no sangue (glicose – glicemia). Esse aumento pode acontecer de forma rápida ou de forma lenta, em picos maiores ou menores e essa ação pode durar por mais ou menos tempo.
O IG e a CG são os padrões de medida, de forma científica, dessas características alimentares. O ideal, o desejado, o saudável é ingerir alimentos de médio para baixo IG e CG.
Tudo o que aumenta a nossa taxa de glicose no sangue rapidamente, a altos níveis e tem uma digestão rápida, tem um IG alto e isso pode provocar uma liberação maior da insulina que, por sua vez, é um dos fatores que podem favorecer o diabetes tipo 2.
O ideal é ingerirmos alimentos de baixo IG, ou seja, que elevem a glicemia (dosagem de açúcar no sangue) menos do que a glicose, sejam decompostos mais lentamente, liberando a glicose aos poucos na corrente sanguínea e por um tempo mais prolongado.
Já a carga glicêmica (CG) dá o resultado do efeito que a dieta tem na glicemia como um todo porque avalia a porção de carboidrato disponível dos alimentos e o IG (através de uma fórmula: CG = porção do carboidrato disponível x IG/100).

Assim, os sucos têm maior IG e maior CG do que as frutas in natura, em pedaços.  Seu uso constante e precoce aumenta o risco de induzir maior resistência periférica à insulina que é a base do quadro de diabetes tipo 2, cada vez mais comum nas crianças, sendo esse um dos fatores que contribuem de forma significativa para o aumento dos níveis de sobrepeso e obesidade infantis observados nas últimas décadas.

(…)

Academia Americana de Pediatria, em matéria atualizada em 28 de maio de 2013 no site HealthyChildren.org, faz algumas “recomendações responsáveis” para a incorporação do suco na dieta das crianças, entre as quais quero ressaltar:

– Evitar a oferta até pelo menos um ano de idade e evitar o uso de mamadeiras;
– Que seja suco de fruta natural, sem nenhuma adição de açúcar ou adoçante;
– Considerar diluir em água;
– Encorajar a criança a comer frutas frescas, inteiras, sempre que possível;
– Sempre que possível, servir suco que contenha a polpa para aumentar a quantidade de fibras;
– Certificar-se que a introdução do suco não interfira no interesse da criança no leite e na água;
– Ficar atento a possíveis sinais de excesso de ingestão de sucos como diarreia infantil bem como problemas de deterioração de dentes, que são comuns não só em bebês, mas principalmente entre os 2 e 3 anos de idade, quando ocorre um maior consumo.

Em outra matéria do mesmo site, (30/07/2012 atualizada em 11/05/2013), há uma orientação a respeito da quantidade de suco a ser oferecida:

– 1 a 6 anos – limite de 120 a 180 ml ao dia. Em crianças acima de 6 meses o suco não oferece nenhum benefício nutricional maior do que as frutas inteiras que, além disso, são fontes de fibras e outros nutrientes. Não permitir que as crianças carreguem copos ou caixinhas contendo sucos, durante o dia.
– 7 a 8 anos – limite de 240 a 360 ml ao dia.

(retirado do site pediatria e homeopatia, do dr. Yechiel Moises Chencinski)

* * *

“Nem todo mundo que fuma tem câncer de pulmão, nem todo mundo que bebe bebida alcoólica tem cirrose, nem todo mundo que tem relação sem preservativos tem AIDS. Mas há uma chance maior de isso tudo acontecer. Nem por isso, deixamos de orientar a forma que se julga adequada (não fumar, não beber e relações sexuais sempre com proteção).

Assim, nem todas as crianças que usarem andador terão acidentes e serão internadas, nem todas as crianças que estiverem em um carro fora das cadeirinhas vão morrer em acidentes, nem todas as crianças que consumirem mel abaixo de um ano de idade terão botulismo, e nem todas as crianças que tomarem sucos terão obesidade ou diabetes tipo 2. Mas há uma chance maior de isso tudo acontecer. Nem por isso, deixamos de orientar a forma que se julga adequada (não usar andador, no carro, sempre na cadeirinha, não oferecer mel abaixo de um ano de idade e não oferecer sucos abaixo de um ano de idade e dar preferência para as frutas in natura).”

(retirado também do site pediatria e homeopatia, do dr. Yechiel Moises Chencinski)

* * *

lembrando que tudo isso são recomendações baseadas em anos de estudo e pesquisa, mas não imposições.
porém, com o acesso a informações de qualidade, fica mais fácil tirar suas próprias conclusões.

como o título sugere, podemos tentar evitar o consumo de sucos, mas longe de mim proibi-los! ninguém aqui em casa é proibido de beber suco! mas também há o momento certo para isso e não vemos nele um substituto a uma refeição, por exemplo.

até 1 ano de idade, benjamin não tomou suco e o mesmo acontecerá com a constança. entre 1 e 2 anos, ele tomava suco só  natural (sem gelo e sem açúcar), diluído em água. hoje em dia ele até toma um ou outro suco. não digo que liberei o “suco” de caixinha (aquele tipo néctar, que é uma porcaria), mas não compramos aqui em casa. ele toma se estiver na casa de alguém, em um aniversário onde só tivermos opção entre suco de caixinha ou refrigerante (que ele nunca tomou por razões óbvias, segundo tudo apresentado neste post) ou qualquer outra situação onde ele precisa “beber socialmente” (ahahahha! desculpe a comparação ridícula!) e, sempre que dá, nesse esquema metade-suco-metade-água.
hoje em dia até se encontra suco industrializado aqui em casa de vez em quando, mas daqueles 100% fruta, sem adição de açúcares, aromatizantes nem conservantes (e ainda assim diluído). também volta e meia rola um suco de polpa ou da própria fruta, sem adoçar (exceto suco de limão, né, gente!? mas aí eu ponho açúcar mascavo, demerara ou mel. e bem pouquinho) e ainda assim não fazemos do suco um hábito nas nossas refeições.

mas o que o benjamin e a constança bebem no dia a dia?
água, gente! muita água!
benjoca também adora chá – quente ou gelado – sem nenhum tipo de doce, mas acho que sansa nunca tomou.

e as vitaminas, como ficam?
diretamente da fruta. fruta é mais fácil de preparar, não suja liquidificador (no máximo uma tábua e uma faca), não perde as vitaminas rapidamente como o suco natural, além de ser rica em fibras (que são perdidas em boa parte quando se processa um suco).
você só tem a ganhar oferecendo frutas ao seu filho (e a você mesmo).

pode parecer meio exagerado, até xiita, mas na verdade é uma questão de hábito. para que nossos filhos se alimentem de forma saudável precisamos, primeiramente, mudar a nossa forma de pensar e também reconsiderar nossa relação com a comida, que muitas vezes excede as razões alimentares e vira até uma coisa meio afetiva.
comer é bom, beber é delicioso e é nessa hora que precisamos encontrar o equilíbrio. alguns podem dizer que seguir uma alimentação natural e saudável é sem graça, mas eu digo que, com o tempo, acostuma-se. você se surpreenderia ao ver o tanto que nosso gostos mudam e passamos a encontrar prazer em coisas que, além de tudo, fazem bem para o nosso corpo!
concessões podem ser abertas, claro! eu curto muito uma coca cola (me julguem), mas tenho bebido pouquíssimo. às vezes vou ver e passou um mês inteiro sem que eu botasse a maldita na boca. com isso observamos que, conforme os hábitos mudam, a regra vira exceção e tudo fica mais fácil. mais fácil ainda pros nossos pequenos, que estão começando agora. o que se ensina  fica para a vida inteira. então por que não ensinar algo com o qual eles só têm a ganhar, não é mesmo?

mas, caso você seja do tipo que não vive sem, bate o pé e não arreda, fica a sugestão de consumir o suco de frutas (naturais e de preferência sem açúcar) aliado a alguma fonte de fibra, como uma folha de couve no suco de laranja, ou linhaça, chia, dentre outros grãos (;

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , , , , , , , alimentação, criança, para bebês

assine nosso feed ou receba por email


36 Comments »

  1. Quando li o post da Sansa tb fiquei curiosa, já que a pediatra da minha primeira filha indicou logo o suco de laranja mimo. Nunca Tinha lido sobre esse tema e sinto menos culpa por minha filha ter tomado pouco… Ela sempre preferia a fruta! Esse post é de utilidade pública! Muito interessante mesmo! E agora que estou na segunda (ainda com 2 meses) vou evitar os sucos! Obrigada pela informação de qualidade!

    Comentário by Clarissa — março 17, 2014 @ 4:55 pm

  2. Esqueci de comentar tb que como sofro de enxaqueca, já relacionei algumas crises que eu não entendia como começavam com o “inocente” suco! O maldito me enganou por 29 anos se fingindo de bonzinho!!!! Kkkkkk #arrasada! Vou evitar!!!

    Comentário by Clarissa — março 17, 2014 @ 4:58 pm

  3. Olá Luiza, gostaria muito te parabenizar e dizer o quanto são importantes as informações divulgadas no seu blog. Sou estudante de nutrição e fico muito feliz em ver essas informações por aqui com base bibliográfica! Sou muito sua fã e fã de como você cuida da sua família. Espero quando eu for mãe que siga seus passos(tô louca pra ser mãe, mas ainda não posso kkkk). É isso, continue assim exercendo papel importante na vida das mamães!^^ Bjos

    Comentário by Lais Prisco — março 17, 2014 @ 5:08 pm

  4. Muito bacana teu post! Vale lembrar que esse tipo de comportamento xiita é bacana sim, mas isso com certeza irá mudar agora que o Benjoca frequenta a escola. Desculpe, mas a realidade é que, quando nossos filhos começam a conviver com filhos de outras mães, que muitas vezes nao mantem os mesmo habitos que nós, as coisas mudam consideravelmente. Acho bacana nao incentivar certos habitos como esse do suco, mas proibir é algo que nao considero nem um pouco saudável. Equilíbrio é a chave.

    O consumo exagerado de qualquer alimento, mesmo que seja saudável, pode ser prejudicial. Banana é saudável, mas comer só banana não. Um exemplo babaca, mas real. Outra coisa, chás podem conter bastante caféina, coisa que nao considero bacana para os pequenos. Não sei que tipo de chás oferece pro Benjoca, mas alguns nao acho legal. Abraços!

    Comentário by mari — março 17, 2014 @ 5:28 pm

  5. oi, mari. ele não bebe chá com cafeína.
    na verdade, evito tudo com cafeína e estimulantes em geral ao máximo (então nada de chá preto pra ele, nem chá verde, chá branco). de vez em quando alguma coisa com cacau visto que, em proporções equilibradas, é um superalimento muito rico.
    chá geralmente é de camomila, erva doce, erva cidreira. mas também rola chá de maçã, casca de abacaxi, limão com gengibre e outras frutas. também dou preferência aos chás naturais, mas não vejo problema em dar chás desidratados.

    realmente, na escola eles costumam dar sucos. como disse, ele não é proibido de tomar. mas como tem o hábito de beber diluído e quase não consome açúcar, ele mesmo acha esses sucos puros muito doces.
    além do mais, em escola pública os recursos são limitados e é claro que eles não bebem suco todo dia. geralmente é água mesmo ou (argh!) leite com achocolatado (que contém 80% a 90% de açúcar em sua composição). mas ele tem alergia a leite de vaca, então nunca tomou.

    enfim, não tenho a menor intenção de criar meu filho numa bolha, mas como existe o hábito, ele acaba fazendo suas escolhas baseado no que já está acostumado a comer.
    e também já estou preparada pra ele ser influenciado por seus amigos ou outras pessoas que ele admira. a gente faz a nossa parte. só não pode deixar esses argumentos nos impedirem de fazer nossa parte.
    e sabe o que mais? ao longo desses 3 anos e meio também vejo ele ser muito mais influenciado de forma positiva (aprendeu a comer salada com os primos, coisa que não fazia antes) e também a influenciar outras crianças positivamente (os amigos do parquinho, todos mais velho, às vezes desciam com salgadinhos e biscoitos recheados. pararam por causa dele e algumas vezes até desceram com frutas. coisa linda de ver)

    Beijos

    Comentário by luíza diener — março 17, 2014 @ 5:46 pm

  6. Sensacional! Minha vontade é enviar pra todo mundo que me acha xiita com alimentação infantil, mas deixa quieto. Penso do mesmo jeito e sei que dá pra flexibilizar, mas não fase onde o paladar é formado. Adorei o post e como sempre, obrigada por dividir as experiências.

    Comentário by Carolina Souza — março 17, 2014 @ 5:37 pm

  7. Nooossa, acho q antes de tomar uma atitude assim devemos procurar um nutricionista especializado em nutrição infantil. Não sei se comparar estudos nossos com os americanos é o caminho, pois vivi lá e eles praticamente NÃO tomam suco de frutas fresco. A maioria é industrializado ( tipo néctar) e com açúcar (sacarose/ glicose). Além disso, os açucares das frutas (frutose) não mobilizam a insulina, ao contrário do açúcar adicionado ( sacarose) q precisa da insulina para ser metabolizado. Meu marido, que é nutricionista especialista em saúde materno infantil e que trabalha com pesquisas na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, me aconselhou a escrever esse comentário e enfatizou q a fruta e o suco da fruta fresco são a praticamente a mesma coisa, onde a fruta tem mais propriedades nutricionais mas não q justifique q o suco de frutas fresco tenha q ser evitado ou excluído da alimentação nessa faixa etária com a justificativa apresentada no post. Concordei com muita coisa do post, meu marido tb apesar de algumas recomendações q vc colocou do Ministério da saúde estão meio fora de contexto. A questão é claro, nunca substituir refeição por suco, muito menos oferecer suco no período de amamentação exclusiva ( 6 meses) mas o suco de frutas fresco em quantidade moderada e qdo prescrito por um nutricionista é bom e faz bem a saúde sim. Gostei dessa discussão e essa fase de introdução de alimentos em bebês é bem complexa e precisamos sempre estar bem informados. Adoro seu blog bjos

    Comentário by Patricia — março 17, 2014 @ 7:10 pm

  8. Oi, Patricia, tudo bem?
    Bem, acho que seu marido deve ser um caso à parte então.
    Porque o que eu tenho visto de nutricionista pediatra por aí recomendando bisnaguinha com polenguinho, peito de peru e outras coisas para crianças na idade do benjamin (3 anos e meio) não está no gibi. Acho o fim da picada, porque não precisa ser nenhum especialista para saber que essas coisas estão longe de serem exatamente saudáveis!

    E eu que não quero ensinar o padre a rezar a missa e com certeza seu marido sabe muuuito mais que eu que só vivo de pesquisa em pesquisa e das conversas com a pediatra dos meus pequenos (essa sim, muito estudada ;), então vou só colocar um trecho de um dos textos que já mencionei no post (mas não colei essa parte ali em cima), que mostra um estudo que aponta que os sucos aumentam o risco de diabetes, enquanto que as frutas podem proteger contra a doença:

    “De acordo com Daniela Jobst, nutricionista funcional e membro do Instituto de Medicina Funcional dos EUA, a diferença de resultado entre as frutas tem a ver com seu índice glicêmico mas, talvez principalmente, aos nutrientes que cada uma delas tem.
    “O diabetes envolve um processo de estresse oxidativo, aumenta a quantidade de radicais livres. Frutas como mirtilo e uvas têm fitoquímicos antioxidantes”.
    O problema dos sucos é que, em relação à fruta inteira, eles têm muito menos fibras, o que eleva a velocidade da absorção do açúcar, gerando os picos que podem ser prejudiciais ao organismo.”

    Quanto às recomendações do Ministério da Saúde, talvez tenha ficado um pouco fora de contexto, mas apenas peguei algumas partes da cartilha para tentar justamente contextualizar os outros textos. Se for ler mais atentamente, vai ver que algumas coisas são até menos superficiais do que as que eu coloquei aqui.

    Enfim, não sou de fato contra o suco, mas acho que ele deve ser consumido com moderação e não deliberadamente, como vemos alguns pediatras que justamente usam o suco como substituto à fruta.

    Beijos

    Comentário by luíza diener — março 17, 2014 @ 9:33 pm

  9. Patrícia, a questão principal em relação ao diabetes tipo 2 não está relacionado somente à liberação de insulina e sim às fibras que são eliminadas quando se faz um suco (espreme e coa, normalmente para crianças). Já a fruta in natura é rica em fibras e oferece essa proteção.

    Quanto aos sucos naturais, nos Estados Unidos, eles são consumidos sim. Estive no congresso da Academia Americana de Pediatria e fiz questão de assistir todas as aulas e ver todos os trabalhos (que eu pude), associados às questões de aleitamento materno e obesidade infantil.

    A conduta de não se oferecer sucos em crianças abaixo de um ano de idade na AAP é mais antiga (pelo menos 5 anos) e são referendados pela comunidade científica internacional em revistas indexadas. Se esses estudos podem ser aplicáveis ao Brasil? è só ver de quem "importamos" nosso modelo de obesidade infantil (dados do POF de 2009 / 2010 mostrando que uma entre 3 crianças de 5 a 9 anos no Brasil apresenta sobrepeso / obesidade – esse é só um dos inúmeros exemplos).

    Assim, além dos dados da AAP, os dados e estudos brasileiros também, levados em conta pelo Ministério da Saúde, da Sociedade Brasileira de Pediatria, da Sociedade de Pediatria de São Paulo, mostram a situação da obesidade infantil no Brasil.

    O suco é o único responsável? Não. Mas é, sem nenhuma dúvida, um dos fatores importantes.

    Agradeço a citação dos posts de meu site aqui como referência.

    Dr. Moises Chencinski – CRM.: 36.349
    Membro do Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria de São Paulo
    Membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo

    Comentário by Dr Moises Chencinski — março 20, 2014 @ 1:22 pm

  10. sim, mas os sucos que não são coados por exemplo, fariam tão mal assim? Sempre consumi suco de laranja, espremo e não coo, tomo na hora para nao perder os nutrientes. dessa forma também seria "prejudicial"?

    Comentário by mariana — março 24, 2014 @ 2:34 pm

  11. Dr. Moisés,

    Eu tenho que concordar com a Patricia. Aqui nos EUA e tbm na Austrália onde morei por anos, a maioria dos sucos tomados pelas crianças são sucos de caixinha e com adiça de açúcar ou corn syrup. Sim nos últimos 7 anos teve um aumento de suco natural por conta dos novos Juicers daqui. O que vc pode controlar a quantidade de polpa que vc quer colocar no suco.

    Vim exatamente comentar o que a Patricia disse, aqui e na Austrália os sucos industriais (pasteurizados e com adição de conservantes) em geral tem açúcar adicionado e esses são as preferências de sucos daqui.

    Quanto a pediatras e recomendação de suco, como a Luisa adicionou no texto, são recomendados depois de uma ano e sempre dissolvido com água ( a mesma coisa para quando se está gravida).

    Eu adoro suco mais sempre controlo por um copo ao dia. Quando tinha um juicer na Austrália adorava suco de beterraba com gengibre e laranja ou limão. Tomo muita água e tbm chá de preferência sem cafeína. Mas sei que com a minha pequena vou evitar dar suco a ela em casa.

    Comentário by Sally — março 27, 2014 @ 1:10 pm

  12. Gente, quanta alegria ver um post assim em um blog tão lido.
    Luto diariamente contra orientações erradas ou desatualizadas de profissionais e veículos de comunicação sobre o suco.
    Falo sobre isso no blog, em minhas consultorias e dependendo da Mãe sou radical demais.
    Parabéns pelo texto e acima de tudo pela forma em que explicou tudo aqui.
    Amo seu blog!
    Sansa é linda demais.
    Beijos

    Comentário by Paola Preusse — março 17, 2014 @ 7:54 pm

  13. Demais Lu! O único suco que o João toma e’ o de laranja e logo após o almoço/janta, para ajudar na absorção do ferro. Agora ele entrou na escola e na colação sempre oferecem suco, com açúcar, mas ele sempre rejeita! Esse e’ o meu garoto! rs.

    Comentário by Raquel McAlister — março 17, 2014 @ 8:12 pm

  14. Lu:
    Muito interessante seu post.
    A fim de acrescentar outros dados a ele, a recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria (e da Americana) do fim do ano passado é exatamente evitar sucos para menores de 12 meses.
    Os franceses há muito tempo limitam a ingestão de suco de crianças escolares a 200 ml dia, natural. Outra coisa q eles colocam é q o hábito alimentar adquirido até os 3 anos se torna a zona de conforto da pessoa. Então sempre q vc adoece ou está ansioso volta àquilo q comia qdo pequeno. Por isso essa fase é tão importante.
    Aqui em casa o Pedro toma bem pouco suco (principalmente se comparar ao tanto de água q bebe). Em geral 20-30ml/dia, sempre natural e de frutas cítricas, sem adoçar ou adicionar água. Não quis abolir completamente pq quero expor a maior variedade de frutas a ele e algumas (laranja, mexerica, maracujá, limão, e similares) eu só conseguiria na forma de suco. Meu raciocínio foi se aos 6 ele poderia (pela regra francesa) tomar 200 ml, dividi pelo número de anos e estipulei o máximo de 30ml/dia.
    Aqui tb nada será proibido, mas antes da escola o paladar será treinado pras coisas saudáveis.

    Comentário by Carol — março 17, 2014 @ 9:48 pm

  15. Que legal Luíza, eu não tinha ideia disso!
    Obrigada por dividir sua pesquisa com a gente!
    Podemos melhorar os nossos hábitos e dos nossos filhos também!
    🙂

    Comentário by lahnaw — março 17, 2014 @ 10:10 pm

  16. Meu Deus, como vc e chata! Coitadas dessas criancas q sao privadas de td e qq prazer c a alimentacao

    Comentário by Vanessa — março 17, 2014 @ 10:20 pm

  17. Eu não sei se conseguirei segurar tudo que eu quero até os 3 anos.. Tenho 3 sobrinhos que convivem muito com a gente e comem um monte de besteiras, mas dois deles também se alimentam muito bem de frutas e verduras, mas por essas influências tenho medo de não conseguir.. A família do meu marido também é do tipo que não ve problema algum em doces, frituras e gorduras e minha alimentação é péssima.. Mas não quero que minha filha seja obesa como eu, ou magricela por não comer como meu marido.. Também serei chata e tentar ao máximo evitar açúcar, sal.. e entre essas coisas o suco até 1 aninho.. Depois como você Luiza, pretendo dar diluído..

    Beijos

    Comentário by Samara Vahldick — março 18, 2014 @ 12:31 am

  18. Acho triste as pessoas que relacionam o prazer com algo que faz tão mal. Pra mim é egoísmo purinho…não é porque fui acostumada com porcarias e encontro "prazer" (geralmente compulsão) nelas que vou passar isso para meus filhos. Quem ama, cuida, quer o melhor sempre. Muita gente lê manual pra tudo, mas pra criar filho não quer ler nada. Opinião cada um tem a sua, claro, mas a falta de informação leva alguém como essa pessoa do comentário a inverter as coisas, como se de alguma forma fazer o bem pudesse causar prejuízo. Que mundo é esse?

    Siga informando e transformando leitoras. Você é incrível! =]

    Comentário by Rosana — março 18, 2014 @ 12:42 am

  19. OLá! Muito bom ler o seu blog,tem muitas informações preciosas!
    Mas queria mesmo saber se você já fez algum post ou se pretende fazer,relacionado com a alimentação fora de casa,pois eu penso que seja fácil a gente controlar as nossas crianças dentro de casa,mas e quando vamos almoçar na sogra?ou na casa do irmão ?
    No meu caso é mais na casa da sogra hahaha, pq o sobrinho do meu marido que vive com ela tem uma alimentação péssima,já cheguei na casa dela e encontrei o garotinho (2 anos) jantando as 22 hrs e no cardápio estava batatas fritas com frango frito e um copão de ice tea(daqueles de lata) fiquei de boca aberta e comentei com meu marido que aquilo era loucura!Mas claro que não falamos nada pq já somos considerados chatos por eles(sogra hahaha)…mas com tudo isso pensei que quando for a minha vez de ir com o meu filho almoçar no fim de semana como vou fazer pra dizer não para a sogra,sem ela achar que estou sendo chata,metida,exagerada?
    Sabe,eu não sou um exemplo de boa alimentação,nem meu marido, sei que faço muita coisa errada e não quero isso para meus filhos e por isso mesmo já estamos nos informando melhor sobre como sermos mais saudáveis,pois queremos que nossos filhos tenham essa oportunidade que nós não tivemos,hoje em dia luto contra a balança e não desejo isso para meus filhos…quero ser um exemplo pra eles,mas como eu disse com tanta gente despreocupada em volta tenho medo de não conseguir controlar a situação.Como você lida com isso?
    Obrigada!Beijos de Portugal

    Comentário by Luna Costa — março 18, 2014 @ 5:56 am

  20. Oi Luiza,
    O pediatra espanhol Carlos Gonzalez fala a mesma coisa, vale a pena a leitura dos livros dele como Mama no me come, entre outros!
    Muito interessante o post!
    Bj,
    Marília

    Comentário by Marília Peixoto — março 18, 2014 @ 7:51 am

  21. Obrigada pelo post tão rico em informação!
    No caso do suco de limão, nem esse eu adoço (questão de gosto mesmo.. desde pequena como o limão purinho! achava normal.. mas começaram a me chamar de doida.. aí eu tenho que comer "escondida" kkkk) Quando peço em restaurante, sempre fazem cara de espanto e me trazem um monte de sachês de açucar!
    Agora na gravidez como muito limão.. kkk espero que meu pequeno venha com essa aversão por suco adoçado igual a mim. Será ótimo! 🙂
    beijo!

    Comentário by Weslane Vieira — março 18, 2014 @ 10:31 am

  22. Sou viciada em suco de laranja, oh no! 🙁

    Comentário by Mah — março 18, 2014 @ 3:40 pm

  23. concordo com algumas coisas, e outras nem tanto. aqui em casa meus filhos comem frut, e tem uma alimentaçao saudavel. usamos sim o suco de fruta, sendo metade agua e outra a fruta… essa questao que os pais sao exemplos para os filhos… e quando os pais bebem bebida alcolica, isso tambem nao influencia os filhos ?

    Comentário by aline — março 18, 2014 @ 4:50 pm

  24. Institivamente eu fiz isso, nunca dei suco pros meus bebês, gêmeos de 11 meses.
    Eles só comem as frutas amassadas/raspadas/pedaços…

    Comentário by Fernanda Freitas — março 19, 2014 @ 2:08 pm

  25. adorei o post, mas principalmente as respostas aos comentários. penso exatamente igual e torço pra que no mundo existam cada vez mais luizas. e plagiando outro post seu: voa luiza, voa!

    Comentário by Geisa — março 19, 2014 @ 5:33 pm

  26. Excelente post! Minhas dúvidas foram esclarecidas agora. obrigada!

    Comentário by Tricia — março 23, 2014 @ 7:07 pm

  27. Ai ai… essa geração leite com pêra… acha que tudo faz mal!
    Perai, preciso dar almoço para os meus filhos dentro da bolha deles, como super mãe, preciso protegê-los até os 30 anos!

    Comentário by M@ry — setembro 27, 2014 @ 2:06 pm

  28. Maravilhoso seu post!!!! Muito útil, estarei mudando de suco para fruta inteira aqui em casa… Muito obrigada pelas informações!!!! Abraço!

    Comentário by Paula — setembro 27, 2014 @ 4:59 pm

  29. […] Se sua família tem o hábito de beber sucos com frequência, recomendo fortemente a leitura deste post do blog Potencial Gestante, que apresenta uma coletânea de artigos sobre a ingestão de sucos, […]

    Pingback by Repensando a bebida na lancheira das crianças | Eco Maternidade — novembro 4, 2014 @ 12:53 pm

  30. Quando comecei a alimentação da minha bebê, também pensei em não dar sucos, só comida amassada no garfo e todas essas coisas que hj em dia se prega. Minha filha teve fecaloma por causa de banana prata e imediatamente o pediatra me deu uma bronca por não dar suco como ele havia me recomendado, pois isso agravou o quadro. O fato é que bebês em geral demoram pra tomar água e leite materno em livre demanda depois da licença maternidade é impossível, então há de se tomar cuidado com as regras universais.

    Comentário by Fernanda — janeiro 2, 2015 @ 9:02 pm

  31. PARA TUUUUUDO!!!!!

    Sua filha tem o nome que eu sempre sonhei em dar à minha filha! Constança…

    Comentário by Gabi — fevereiro 2, 2015 @ 12:56 am

  32. eeeeeeeeeeee! esse nome era um sonho antigo! bom saber que tem outra pessoa que sonha igual <3

    Comentário by luíza diener — fevereiro 6, 2015 @ 2:13 pm

  33. Muito obrigada pelas informações, com certeza é utilidade pública. Abraço.

    Comentário by Angélica — fevereiro 25, 2015 @ 9:11 am

  34. Parabens pelo post. Poderia me ajudar como introduzir a fruta para bebe de 6 meses visto que nao consegue mastigar ainda? E quais frutas oferecer? Grata

    Comentário by Sarah — março 18, 2015 @ 9:32 am

  35. Como tem gente ignorante nesse mundo e que precisam voltar com urgência às aulas de interpretação de textos.

    Sua publicação é excelente e vc não prescreve nada a ninguém.

    Mas aponta caminhos!

    Essa questão do suco já não é tão nova assim, embora ainda existam pediatras e nutricionistas que teimam em não se atualizarem.

    Aos cuidadores que criticam sem ao menos refletirem, desejo que nunca, nunca mesmo, tenham que buscar remédios para a obesidade e diabetes dos filhos, quando esses tiverem dez anos.

    Comentário by Valéria — março 22, 2015 @ 10:40 am

  36. Adorei o texto! Os textos. Minha mãe já falava disto comigo, pois adoro suco de laranja!!! Sempre natural. Sem açúcar e sem gelo. Minha filha também. Mas sempre comi mais a fruta do que bebi suco. Vim pegar hábito de suco com meu marido. Sempre chupei laranjas após o almoço e acostumei minha filha assim. Agora, ela tem bebido mais o suco porque aos cinco anos resolveu "encrencar" com a laranja.
    Também tenho o mesmo problema que alguns que fizeram comentários, pois um lado da família é adepto das "porcarias" e fica difícil conseguir educar seu filho num ambiente assim. Talvez por isto eu seja odiada. Quer saber? Não to nem aí. Minha filha vai fazer seis anos daqui a dois meses e até hoje nunca comeu batata frita, hamburguer, cachorro quente, refrigerante, danoninho e nem sabe o que é MC Donald's. Então, podem me odiar. Vale à pena! Muito à pena. Tenho consciência de que a adolescencia vai chegar e, claro, ela pode para se inserir num grupo, enfiar o pé na jaca, mas tenho certeza de que a boa alimentação está implantada. Então, enfiar o pé na jaca de vez em quando também vai ser saudável.!

    Comentário by alessandra — junho 16, 2015 @ 7:46 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*