10 de abril

potencial gestante vai mudar de nome?

por luíza diener

relendo o primeiro post do blog, disparou o gatilho: o que eu tinha na cabeça quando criei este blog? quais eram minhas expectativas e ilusões em relação à gravidez e maternidade?

assim surgiu este vídeo, com uma desconstrução desse tal potencial gestante que na minha antiga cabecinha todas as mulheres carregavam, junto com um pedido de desculpas.

com este vídeo, iniciamos uma nova fase videozística no blog. esperamos que gostem!

então comente, curta, compartilhe e não se esqueça de inscrever-se em nosso canal no youtube para não perder nenhum vídeo.

clique AQUI e se inscreva no nosso canal! 🙂

Related Posts with Thumbnails

categorias: empoderamento, erros comuns, para mães, psicologia autodidata introspectiva, vídeos

assine nosso feed ou receba por email


9 Comments »

  1. essa é vida: ora temos certeza de tudo, daqui a pouco tudo muda e nossos conceitos, verdades e certeza vão por água abaixo.
    em vários momentos da vida passei por isso, mas com certeza foi a maternidade que mudou/destruir a maior parte das minhas certeza e verdade 'inabaláveis'.
    Parabéns pela coragem de se expor, expor sua família, sua intimidade.
    Penso que essa mudança é maturidade.

    Comentário by elaine — abril 10, 2017 @ 12:42 pm

  2. Fiquei muito triste quando mudaram o nome do Jumbo pra Pão de Açúcar…

    Comentário by lia — abril 10, 2017 @ 8:41 pm

  3. vamos mudar o nome do blog pra JUMBO!

    Comentário by luiza diener — abril 11, 2017 @ 9:34 am

  4. Oi Luíza! Acompanho seu blog desde que engravidei pela segunda vez em Outubro de 2015. Pois, desde então, só tinha uma filha de 11 anos e sou tbm responsável por um sobrinho que hj tem 3 anos. Enfim, hj sou responsável por uma adolescente de 12, um menino de 3 e uma bb de 9 meses. Ou seja, um filho pra cada etapa da vida e tenho somente 29 anos. Há quase 2 anos atrás, quando me vi grávida, larguei minha carreira, meus sonhos e projetos para vivenciar um momento que eu tinha esqueci e até marginalizado quando engravidei pela primeira vez aos 16 anos. Meu marido topou pois, como éramos muito novos na primeira, ele tbm queria compensar àquele momento. Pois bem, depois que a minha linda bb nasceu, fui literalmente jogada aos leões. Me vi cuidando de tudo sozinha logo de cara, no início do puerpério. Casa, marido, filhos. Tudo, absolutamente tudo. Dei uns gritos que valeram, no máximo, 2 meses. O que quero dizer com tudo isso? Que liguei o f* pra todo e qualquer pitaco, pra toda e qualquer crítica. Notei no seu vídeo que ele foi sim uma indireta a falta de compaixão e sororidade entre as mulheres mães. E te apoio não só pq vivo uma situação parecida, mas tbm por mostrar um outro lado da maternidade que agora, aos poucos, está começando a aparecer. Parabéns!

    Comentário by Ana Sassaki — abril 11, 2017 @ 10:35 am

  5. Amei esse vídeo.

    Obrigada

    Comentário by Juliana — abril 11, 2017 @ 2:39 pm

  6. querida luísa,

    acompanho o seu blogue com alguma frequência. confesso que não fiquei nada surpreendida com a sua decisão de mudar de nome. ao longo do tempo, a forma como tem partilhado os seus pensamentos, palavras, atos e omissões tem sofrido alterações muito grandes. para melhor, no meu entender. é perfeitamente natural que já não se identifique com o nome, com algumas opiniões que deu, com a sua escolha em expor a sua vida ou tudo junto! mas não se recrimine.
    para mim, o seu blogue é único e de um interesse extraordinário porque reflete a evolução da visão da maternidade, tanto vista de fora, desde a idealização do papel de mãe, uma visão bastante ingénua (não são todas?) antes da chegada dos filhos, até ao cerne, quando a mostra de dentro, na sua dureza, dificuldade, dádiva e dor.
    todas nós passamos por isso. todas nós já sentimos isso. mas nem todas nós temos a capacidade de comunicar como a luísa comunica. talvez será por isso que tem tantas pessoas atentas ao que diz. não porque na verdade diga coisas novas, mas porque verbaliza o que vivemos e sentimos e ao colocar essa vida em palavras, transmite-nos um sentimento de pertença, de normalidade, de não sermos bicho único no mundo.
    não se recrimine porque a sua forma de pensar e ver o mundo mudou. isso é bom. mau seria se não tivesse acontecido porque viver é ter a humildade de mudar. Por isso, não se recrimine por isso.
    já viu que história maravilhosa a sua? a luísa passou da desumanização à humanização. passou de uma visão da mãe/mulher completamente idealizada, a tal deusa inalcançável ao comum dos mortais porque perfeita, para a mãe/mulher humana, comum, que se revolta com o seu papel, que tem dúvidas, que falha, que chora, que quer resgatar a sua identidade perdida, que quer viver para além do papel de mãe. este é um processo altamente doloroso e difícil pelo qual todas nós passamos. infelizmente, a sociedade insiste na idealização do papel de mãe e é preciso mudar isso, porque é preciso humanizar as mães e as mulheres.
    ao partilhar a sua experiência a luísa está a contribuir muito para que se compreenda essa necessidade. e isso é obra!

    muito obrigada pela sua partilha,
    Rosa

    Comentário by Rosa — abril 11, 2017 @ 9:46 pm

  7. Luíza, gosto MUITO do seu blog. Você sempre escreve coisas que me faz parar e pensar… Esse vídeo então! Poderia falar mil coisas sobre ele, mas escolhi só uma (óbvio!): o seu pedido de desculpas. De verdade, acho que você não precisa pedir desculpas… Vc não fez nada demais. Pra mim, vc apenas falou do lado da maternidade que você conhecia até então: o lado bonito de ser mãe… o lado da força da mulher que carrega uma vida… Pra mim, isso existe. Não acho que seja uma visão romantizada, pra mim, é bem real! É uma coisa muito louca e muito forte ter um filho. O problema é que, junto com esse pacote maravilhoso, vem tb o outro lado: o lado do cansaço, da dificuldade, da falta de apoio – que hoje você conhece bem e fala muito bem sobre ele. Pra mim, são os dois lado de uma mesma moeda. Um não exclui o outro.
    Não se sinta culpada com nada que você escreveu. Você estava descrevendo a sua visão e a sua realidade no momento… E tenho certeza que ajudou muitas pessoas (como a mim!).
    Beijos!

    Comentário by Aline — abril 13, 2017 @ 4:39 pm

  8. Luíza, gosto MUITO do seu blog. Você sempre escreve coisas que me faz parar e pensar… Esse vídeo então! Poderia falar mil coisas sobre ele, mas escolhi só uma (óbvio!): o seu pedido de desculpas. De verdade, acho que você não precisa pedir desculpas… Vc não fez nada demais. Pra mim, vc apenas falou do lado da maternidade que você conhecia até então: o lado bonito de ser mãe… o lado da força da mulher que carrega uma vida… Pra mim, isso existe. Não acho que seja uma visão romantizada, pra mim, é bem real! É uma coisa muito louca e muito forte ter um filho. O problema é que, junto com esse pacote maravilhoso, vem tb o outro lado: o lado do cansaço, da dificuldade, da falta de apoio – que hoje você conhece bem e fala muito bem sobre ele. Pra mim, são os dois lado de uma mesma moeda. Um não exclui o outro.

    Comentário by Aline — abril 13, 2017 @ 4:44 pm

  9. Oi Luíza, partilho de seus momentos de desespero, desilusão, solidão, mas do mesmo modo consigo ver beleza e verdade em tudo que você escreveu, e consequentemente viveu ao longo de todos esses anos. A mudança de nome do Blog só vem confirmar uma mudança que vem ocorrendo dentro de você e de sua família. A Lagarta virando borboleta. Poético, lindo para quem observa de fora mas sofrido e doloroso para quem vive a metamorfose. Também escrevo… se tiver um tempo em meio as suas 1559 atividades diárias… <a href="https://maeneiradeser.wordpress.com/2017/04/11/ovo-virado/https://maeneiradeser.wordpress.com/2017/04/11/ov… />
    Força para suas novas revoadas! Um abraço solidário

    Comentário by jusartorelo — abril 17, 2017 @ 3:56 pm

RSS feed for comments on this post.

Leave a comment