30 de abril

tov, o seu vage

por luíza diener

tov_01

hoje completamos 4 semanas de casa nova. sábado, dia 2, já é oficialmente um mês.
ainda estamos todos em fase de adaptação, mas queria falar primeiro sobre quem mais rapidamente incorporou a nova vida em casa: tov.

foi pisarmos na casa junto com a mudança que ele já começou a libertar seus instintos caninos: correu, explorou, fez xixi no quintal inteiro, latiu pra todos os “intrusos” e botou os gatos da vizinha (que gostavam de passear por ali) pra correr.
por quase uma semana (ou até mais) a gente nem viu a cor daquele cachorro que, quando dava as caras – ou melhor, o focinho – era coberta de terra vermelha.
o cachorro que sempre estava no nosso pé dentro do apartamento rapidamente encontrou seu espaço e com ele ficou bem resolvido.
achei que iria chorar a noite pedindo pra entrar em casa. quem disse? só fez isso numa única noite que chovia copiosamente. de resto, ele pede é pra sair.
cavou uns buracos, espantou toda a fauna local e demarcou seu território. até a postura do tov mudou: ele anda mais ereto, mas parrudo e ficou mais magro também, o que levou a gente a dobrar a quantidade de ração que ele come diariamente.
por enquanto, nada de carrapatos, pulgas ou outras coisas que eu andava apavorada dele arrumar, mas não custa prevenir, né?
também vai ter que aumentar a frequência do vermífugo, porque o que ele tem comido de porcaria não é brincadeira.
sempre me aparece com um toco de pau diferente e rói até estraçalhar. aí um dia desses eu descobri que ele está destruindo um arbusto lá no fundo do quintal pra conseguir sua matéria prima de roeção.
também resolveu comer pedra. comer não, roer. seus brinquedos se perderam por aí e ele tratou de adotar as pedrinhas como novas bolinhas.
ontem as crianças da rua resolveram ir lá em casa brincar com ele e, em algum momento, havia umas seis ou sete crianças jogando pedrinhas enquanto ele ia buscar, enlouquecido.

fica tão distraído e curioso que muitas vezes sai de casa e dá um perdidão no condomínio. e lá vamos nós caçar ele por aí: já apareceu numa casa em obras, já achamos ele brigando com um cachorro através do portão, na casa da vizinha (ele fez xixi na roupa suja dela! socorro!), e quase sempre num corguinho que passa lá no final do condomínio.
um dia procuramos ele em todos os lugares e nada. hilan foi encontrá-lo lááá do ladão de fora, só porque viu por baixo do portão umas patinhas passando pra cá e pra lá.
a sorte é que nessas horas ele lembra que é um animalzinho doméstico e tenta voltar pra casa (se fosse o ringo, nosso antigo cachorro, já teria sumido há tempos). tenho que manter a atenção redobrada, porque a porta de casa vive aberta, por conta dos meninos na rua entrando e saindo o tempo inteiro.
de resto, volta à vida selvagem como se nada tivesse acontecido.

além de animal selvagem, também virou cão de guarda. latir pros gatos é aceitável, latir pra um ou outro passarinho é compreensível.
no começo da semana pousou um bando de papagaios em cima da nossa bananeira. devia ter uns oito ou dez, todos espalhados em cima de uma única folha da bananeira. antes que eu conseguisse me admirar com a cena ou pegar o celular pra fotografar, ele surgiu do nada latindo e botou todos pra voar.
também passou um homem estranho pela rua e tov latiu. até aí ok.
tem latido a noite inteira, muitas vezes nos acordando e me obrigando ir lá chamar a atenção dele porque, mais cedo ou mais tarde, todo mundo acorda junto.
mas aí um dia de manhã ouvi ele latindo tão ferozmente que, pensando que tinha entrado um gato lá em casa ou algo assim, corri pra ver o que estava acontecendo. era uma mãe passeando com seu filho pequeno, pouco mais novo que a sansa. aí fiquei brava.
depois pedi desculpa pra mãe porque, querendo ou não, a rua é o espaço das crianças e muitas vezes as crianças brincam lá na frente de casa.

de qualquer jeito, tem sido uma experiência nova pra todos nós, mas com certeza transformadora pro tov. enfim, to pensando em mudar o nome dele de tov para vage, seu vage.

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: tov

assine nosso feed ou receba por email


5 Comments »

  1. Oi Luiza fiquei feliz cOm a mudança de vocês. Aqui em casa também fizemos isso, só que saímos da capital e fomos para o interior. Como ficou a.escola do Benjamin? Boa sorte na casa nova. Bj

    Comentário by Ana Carolina — abril 30, 2015 @ 6:08 pm

  2. Oi Luiza, que maravilha essa mudança! Estou até vendo acampamentos e piscina nesse quintal enorme. As crianças devem estar gastando toda a energia e o Tov só falta encontrar uma namorada por ai rrrssss. Ficou muito feliz por vcs.
    Um grande abraço.

    Comentário by Mayra Muhieddine — abril 30, 2015 @ 9:16 pm

  3. Sorrindo litros do tov 🙂

    Comentário by Patricia — abril 30, 2015 @ 11:18 pm

  4. Luiza, eu e meu marido temos duas meninas, uma de 3 anos e uma de 3 meses. Moramos em casa e estamos querendo comprar um bulldog frances, mas pesquisamos que ele não gosta de ficar fora de casa. Como não queremos cachorro dentro de casa, gostaríamos de saber se isso é mesmo verdade ou se vc acha que irá se adaptar ben na minha casa, que ten uma varanda considerável para ele se esconder se for preciso…

    Comentário by Thaís — maio 1, 2015 @ 6:23 am

  5. Adota um cachorrinho! Com certeza ele ficará satisfeito com qualquer cantinho confortável, e muito amor, claro.
    Eu tenho dois cachorros adotados e eles são extremamente gratos!

    Comentário by Carol — maio 1, 2015 @ 9:15 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*