06 de agosto

síndrome de dory

por luíza diener

{um post sobre burrice e esquecimento maternos}

começou com a maluquice na gravidez.

eu esquecia das coisas triviais. estava comendo e de repente me dava um branco do que eu estava fazendo com aquele tanto de comida na boca. pausa para o raciocínio… ah! almoçando!

escada rolante virou um desafio para a minha coordenação motora. eu parava em frente dela e contemplava os degraus passando, um a um, na esperança de que a velocidade diminuísse para que eu pudesse embarcar.
vou no próximo. não. no próximo então. ainda não.
cheguei a optar pela escada normal pra não ter que enfrentar aquele tormento.

troquei uma ou outra palavra. minha concentração diminuiu. algumas vezes eu trombava em alguma coisa e a médica dizia que era porque meu eixo de gravidade estava deslocado.
me sentia a mais burra das pessoas.
mal sabia eu que aquele era apenas o começo de um processo de emburrecimento total.

a teoria de antes era: estou gerando um bebê. o corpo vai se concentrar pra produzir apenas o que é importante.
mas eu pari, ele parou de gerar uma criança e passou a produzir leite materno em grande escala.
então os louros burros foram para  a amamentação.
mas o pequeno passou a mamar bem menos e eu estou cada vez mais aérea.

continuo – obviamente – a elaborar teorias (cansaço, hormônios, etc), mas cada dia que passa parece que eu cavo mais um pouquinho a cova da minha inteligência.

minha concentração foi para o espaço. minha memória, então, nem se fala.

um dia estava vendo um amigo da família falar – conheço ele, a esposa e os filhos há uns 20 anos – e de repente seu nome fugiu completamente da minha memória. tentei por tudo buscar as informações lá no fundo da cachola e nada. encontrei o nome da esposa, do filho, da filha, mas não achava o dele. depois de mais de 5 minutos eu finalmente consegui me lembrar. e escrevi no celular, pra garantir que não ia esquecer novamente.

me senti uma vovozinha.

se antes eu me perdia no meio das conversas – super normal pra alguém que, como eu, fala pelos cotovelos -, agora eu desisti de vez de tentar dar seguimento a qualquer diálogo mais superficial afim de não dar mais mancada.
deixo os neurônios pra funcionarem em momentos realmente importantes.

quem nunca riu ou vez por outra se identificou com dory, a personagem de procurando nemo que sofria de perda de memória recente?

então, to tipo isso. juro.

sem falar nos tombos e estabacos que eu sempre tomo. já dei narigada em porta, portada no pé, pezada na parede, paredada no braço, braçada no filho, filhada na porta, portada na narigada e por aí vai.

esqueço constantemente de algumas palavras. às vezes me esforço e não sai nada.

como disse semana passada no facebook,

chamei íngrime de ingrid 
helicóptero de captural
caps lock de cápsula alta
e bilbo baggins de dildo baggins.

grávidas, não se iludam. burrice gravídica é uma coisa que dá e não passa nunca mais.
saudade dos meus neurônios de 2009. eles nunca mais voltarão.

o que me serve de consolo é reler este texto que um um amigo (hey, imma bear!) me enviou há alguns meses, que explica como o cérebro da gestante se altera para preparar a mulher para a maternidade, causando mudanças permanentes.
no lugar de uma memória excelente, maior capacidade de criar vínculos e cuidar das crias.
ufa.

mais alguém tem estado (estado perpétuo e definitivo) assim?

 

Related Posts with Thumbnails

categorias: Tags:, , , , , , , , , mães extraterrestres

assine nosso feed ou receba por email


25 Comments »

  1. Mas eu me sinto exatamente assim! estou com 15 semanócas de gestação, e a burrice gravídica já deu as caras por aqui. Marido é que se diverte com as pérolas, e diz que vai escrever um livro: Grávida e boba (pra não dizer burra). Eu esqueço o que ia falar.. me perco no meio do assunto que eu puxei (e as pessoas ficam olhando com aquela cara de Ahn?), troco palavras, como* letras.. tá cada dia mais difícil.. e pelo jeito só tende a piorar! hahaha se com 15 semanas já estou nesse nível, que medo quando eu chegar na sua fase! HAHAHAHA tamojunto o Beijão 😀

    Comentário by Claudia — agosto 6, 2012 @ 10:26 am

  2. nossa, nem me fala….. eu já era ruim de conversar com as pessoas, hoje em dia eu to me esforçando pra conversar e do nada invade um vazio extremo na minha cabeça e do nada vem "putz eu tinha que ter colocado o feijão de molho"….. hahahahahaha

    Comentário by carolina — agosto 6, 2012 @ 10:30 am

  3. Então, acompanho seu blog desde a minha gravidez, minha bebê tem 2 meses hoje. Durante a gravidez eu não comentava por preguiça ( vergonha), hoje não comento por falta de dedos, estou digitando com um dedo rs. Adorei arquivo, e me peguei mil vezes falando tudo errado. O que continua até hoje, que bom que existe uma explicação pra tudo nessa vida! E alguém que escreva pra gente ler também. Pode ter certeza que a sua experiência tem me ajudado muito, assim como eu acredito que muitas outras mulheres. O que seu blog tem de diferente? Vida, ele é vivo, nada de experiência inventada, é tudo muito vivo e atual. Já sorri muito lendo, assim como já chorei também. NÃO tenha preguiça rs e escreva pra gente!

    Comentário by Willyane Pessoa — agosto 6, 2012 @ 11:06 am

  4. Estava lendo e ligando pra minha irmã, de repente ficou tudo mto quieto
    " O que estava fazendo mesmo?"
    kkkk
    Acho que não é só vc não, constantemente me pegou falando "é mesmo!" e retomo o que estava fazendo ou indo fazer
    =D

    Comentário by Camila Lima — agosto 6, 2012 @ 11:24 am

  5. que bom saber que não estou sozinha! kkkkk

    Comentário by Thallita Capati — agosto 6, 2012 @ 11:31 am

  6. Oi, Luiza. Leio o seu blog ha tanto tempo, mas ACHO que nunca comentei. So acho porque eu posso ter comentado, mas n lembro! Que vergonha para mim! Primeiro porque me identifico muito com o que vc escreve, e deveria sempre comentar, e segundo, deveria também lembrar se eu escrevi algo, mas enfim, ja estou me perdendo nos pensamentos…. que situação, viu.

    Tambem preciso dizer que leio seu blog enquanto meu filho dorme, ou seja, o tempo eh curto e acaba rapido… as vezes quero escrever, mas o momento acaba passando….

    Nao preciso nem dizer que estou sofrendo tb com a perda dos neuronios. E eu era tao inteligente, tao “lembrada” de tudo, nunca trocava as palavras… Comigo tudo comecou depois do parto, e eu tinha (tenho) planos de estudar para concurso, e me vejo desesperada porque estou mto burra! Meu Deus, nunca tinha sido burra antes hehehe Como eh chato querer lembrar das coisas e nao conseguir….

    Enfim, eu poderia simplesmente apagar todas essas besteiras que eu escrevi, porque elas nao vao te acrescentar nada mesmo, mas eu queria apenas que vc soubesse que eu adoro o seu blog e me identifico demais com vc.

    p.s. a falta de acentos nas palavras ainda n eh culpa da burrice, mas de um teclado novo. desculpa e bjos em todos!

    Comentário by Cris — agosto 6, 2012 @ 12:00 pm

  7. Durante a gravidez eu não me importava, sabia que era normal. E usei isso como desculpa para todas as cosas erradas que eu falava/fazia.

    Mas agora, quase 6 meses depois, eu não tenho mais essa desculpa e não sei o que está acontecendo. O marido que tem sofrido. Eu começo a falar sobre um assunto super interessante, paro no meio da conversa e depois nem me lembro de estar falando sobre isso!! Não sei mais o telefone de casa, nem o celular!

    Será que um dia isso passa? (:

    Beijos

    Comentário by Vanessa — agosto 6, 2012 @ 1:46 pm

  8. A maternidade muda qq mulher…eu acho! rsrsrs Eu noto que hj, com minha filha de 2 anos, eu sou uma pessoa que não dou conta dos pensamentos… explico: as vezes recebo visita em casa, e eu penso em tanta coisa ao mesmo tempo que me perco, fico aérea: não sei se esquento agua para o chimarrão, se presto atenção na filha, se ouço minha mãe falando, se covnerso com a visita, se faço um bolinho pro café, se ponho o cachorro para o pátio, se vou fazer xixi…dai me pego parada, ohlando pro nada, pensando tudo isso ao mesmo tempo e não executando nada! Me sinto NO AR kkkkkkkk eu nunca fui assim, sempre fui mt ativa e fazia tudo a mesmo tempo. Hj não, eu páro e nem sei o que faço! hahahaha é engraçado!!! Maternidade muda a vida da mulher para todo o sempre!

    Comentário by Juliana — agosto 6, 2012 @ 1:50 pm

  9. Eu nunca mais fui a mesma. Nunca mesmo.
    Minha memória era uma maravilha. Quando as pessoas queriam lembrar nome das coisas, pessoas, lugares, filmes, livros, e o escambau, elas recorriam a mim — que acertava na mosca e no ato.

    Me pergunta o que eu acabei de almoçar? Vou ficar uns 3 minutos até completar a lista.

    Minhas irmãs choram de rir de mim, mas eu tenho vontade de chorar de verdade.

    Ok, não precisa voltar a ser exatamente como era antes (afinal de contas, a minha vida mudou completamente), mas eu não poderia recuperar pelo menos uns 30% da capacidade cerebral? É pedir demais?

    Vou parar senão eu choro. </drama>

    Beijooo!

    Comentário by Helen — agosto 6, 2012 @ 2:20 pm

  10. Estado de perpétuo socorro, né? Só se for. Eu levanto do ateliê, vou até a cozinha, abro a geladeira, mas tinha levantado pra fazer xixi. Daí eu to costurando, lembro que preciso pesquisar alguma coisa e… abro o google, clico no maps, passeio por são paulo, viajo até paris… fecho o google, entro no facebook, volto pra costura e lembro da porra da pesquisa. Onde, Senhor Deus, meus neurônios foram parar?
    Daí eu já resolvi que remédio pra tomar fica no alerta do celular, dentista é sempre sexta às 10h, tem uma lousa magnética na porta da geladeira para não esquecer o que precisa comprar… foda é quando eu lembro de 3 coisas para anotar, anoto 2 e esqueço a terceira. Vai te catar! kkkkkkkkkk
    Vem chorar comigo!

    Comentário by Raquel Gomes — agosto 6, 2012 @ 4:23 pm

  11. também me sinto assim, além de ter perdido totalmente a noção do tempo, o que aconteceu pela manhã parece que foi na semana passada e nunca sei em que dia da semana estou, rsrsrs

    Comentário by Sheila Nascimento — agosto 6, 2012 @ 7:06 pm

  12. Além de esquecida, a maternidade fez de mim uma pessoa disléxica (o que é ótimo e me rende muita diversão quando estou lendo chamadas e troco palavras que mudam completamente o sentido da frase, mas né?). O marido pena pra me entender porque eu troco a ordem das palavras na frase, eu como palavras, eu troco por palavras que não têm o menor sentido com o que eu estou falando e – veja só – simplesmente não percebo! E reclamo quando não me entendem.

    E a sensação de burrice é todo o tempo, 24/7. 🙁

    Comentário by Leleca — agosto 6, 2012 @ 9:06 pm

  13. É tão bom saber que não estou só.rs
    Na gravidez virei um asno e agora to meio aérea. Sei lá, mto doido isso.rs
    Bjo

    Comentário by Milenna — agosto 6, 2012 @ 9:58 pm

  14. Por um momento me perguntei se tinha escrito esse texto e não lembrava! Você me descreveu

    Comentário by Ana Paula Vieira — agosto 6, 2012 @ 11:07 pm

  15. Ainda não tenho filhos, mas devo ter tido em outra encarnação, já que acontece comigo isso tudo que você falou. Hoje mesmo eu ia chamando "correspondência" de "carboidrato". É grave, colega!!! kkkkkk

    Comentário by Paloma Dias — agosto 7, 2012 @ 12:45 am

  16. Notei a mesma coisa! Esquecida e, principalmente, desastrada! Me cortei com faca de mesa 3 vezes semana passada, derrubo tudo, uma tristeza! Kkkkkkk

    Comentário by Pri — agosto 7, 2012 @ 5:38 am

  17. o/ Eeeeeuuuuuu!!!! Tô igualzinha, e há 4 anos, ou seja, não melhora mesmo, e com dois filhos a coisa fica ainda pior…hehehehe

    Comentário by Avassaladora — agosto 9, 2012 @ 9:23 am

  18. E eu na esperança dessa lerdeza passar quando passasse a gravidez (22 semanas amanhã)…
    Estou vendo que é mera ilusão… Rsrsrs

    Comentário by Pollyanne Marroques — agosto 9, 2012 @ 1:44 pm

  19. Vou dormir mais tranquila hoje. Nao sou so eu! Iupi!!! (sorry, sem acentos no teclado!)
    Adoro o blog de voces!

    Comentário by Ingrid — agosto 18, 2012 @ 11:58 pm

  20. Eu estou!
    Super me identifiquei, rsrsrsrs.
    Vou até ler a matéria.

    Comentário by Bruna — setembro 12, 2012 @ 11:46 am

  21. Finalmente a resposta !!#felizpornaoseraunica#Obrigada Luisa.Adoro seu blog.

    Comentário by Patricia — novembro 5, 2012 @ 9:13 pm

  22. Deposi da maternidade também fiquei assim, eu tinha uma memória excelente, mas acho que as meninas comem meu juizokkkkkkkkkk

    Comentário by Mell Santos — novembro 14, 2012 @ 4:03 pm

  23. Ahhh que medo, num passa não?? rsrsrsrs

    Comentário by Andreza — janeiro 21, 2013 @ 5:48 pm

  24. […] * * nota pós post: alguns dias depois, achei este texto, que fala da minha leseira pós filho. ou seja, não há mais esperanças para mim. depois do […]

    Pingback by potencial gestante – burrice gravídica attacks — janeiro 21, 2013 @ 11:32 pm

  25. Morrriiiii de rir!!! Delicia de ler seu blog

    Comentário by Etienne — janeiro 27, 2013 @ 3:28 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment