torta salgada salva almoço – receita sem leite (opcional sem glúten)

torta salgada de atum

se tem uma coisa na qual sempre me pego pensando é: quais serão as lembranças de infância que meus filhos levarão para a vida adulta? os lugares, os brinquedos, os cheiros, as comidas que faziam eles baterem palmas quando chegassem prontinhas na mesa.
na minha cabeça – antes de me tornar mãe – eu serviria em casa almoços e jantares completos contendo entrada, salada, prato principal e sobremesa. mas, na prática, geralmente eu só cozinho o almoço mesmo e, muitas vezes, acabo preparando refeições únicas, que contém tudo que eles precisam num único pratão.

foi assim que surgiu nossa torta salva almoço. é uma receita adaptada ao gosto daqui de casa e que sempre pode mudar um pouquinho aqui e acolá, conforme a disponibilidade dos ingredientes e o paladar metamórfico das crianças.
pra minha surpresa, essa é uma dessas comidas que eles sempre ficam felizes quando eu faço (coisa que eu jamais pensaria que pudesse acontecer com uma receita tão despretensiosa).

a torta divide-se em duas etapas: o recheio e a massa. então vou dividir os ingredientes e modo de preparo em dois também, ok?
(dica: já deixe o forno aquecer em potência média enquanto você começa a preparar os ingredientes)

 

RECHEIO

ingredientes

  • 1 cebola pequena cortada em pedacinhos pequenos;
  • 3 dentes de alho esmagados ou cortados minusculamente;
  • 3 tomates maduros sem sementes, picados em pedaços pequenos (se você gosta de sentir os pedaços de tomate, corte em pedaços maiores);
  • 1 lata de milho verde drenado (ou 1 xícara de milho verde já cozido e tirado do sabugo);
  • 2 latas de atum já drenado (ou 2 latas de sardinha ou 1 xícara de carne moída já pronta ou 1 xícara de frango desfiado já pronto. ou seja, a proteína de sua preferência);
  • ¼ de xícara de azeitona verde (opcional);
  • sal a gosto;
  • pimenta ou páprica picante, pra quem curte apimentar a relação com a comida (amo páprica picante em tudo que é salgado!);
  • temperinhos a gosto (sugestão: alecrim ou orégano ou tomilho fresco);
  • óleo ou azeite extra virgem para refogar.

preparo

  1. refogue a cebola em óleo ou azeite;
  2. quando a cebola começar a dourar, acrescente o alho e observe pra que ele não escureça. então refogue os tomates até que fiquem macios. pode acrescentar um pouquinho de sal.
  3. quando o tomate já estiver macio e começando a soltar um caldinho, é hora de adicionar o milho e, em seguida, a proteína da sua preferência (eu uso o atum light conservado em água, não em óleo).
  4. prove. prove muito sua comida. corrija o sal, acrescente uns temperinhos, deixe a comida pegar gosto, prove de novo. cozinhar com fome é um tormento e, quando se tem criança sempre por perto, essa é sua grande (talvez única) chance de comer comida quente.
  5. acrescente a azeitona e desligue o fogo. reserve o recheio.

obs: não precisa deixar tudo ultra cozido, até porque ainda vai assar no forno. o importante é tudo pegar um gostinho bom pra não ser um recheio sem graça.

 

MASSA

essa massa é basicamente um bolo salgado batido no liquidificador. ela pode ser a última coisa preparada antes da torta ir ao forno.

ingredientes

  • 3 ovos (prefiro sempre os caipiras);
  • ½ (meia) xícara de óleo (uso de girassol);
  • 1 xícara de água ;
  • 1 xícara de farinha de trigo branca;
  • 1 xícara de farinha de trigo integral (pode ser tudo farinha branca também)
    (nota: se quiser fazer sem glúten, é só substituir as farinhas por duas xícaras de mistura para farinha sem glúten, encontrada em loja de produtos naturais)
  • 1 colher de chá (rasa) de sal;
  • 1 colher de café de cúrcuma/açafrão em pó (opcional, para dar cor e incrementar o valor nutricional);
  • 1 colher de sopa de fermento em pó Royal;
  • orégano desidratado para salpicar em cima da massa, antes de assar.

preparo

  1. bata os ovos com o óleo no liquidificador e, logo em seguida, adicione a água.
  2. acrescente a farinha aos poucos (a ordem das farinhas não altera o produto) e vá batendo. adicione o sal e a cúrcuma (ela pouco interfere no sabor da massa).
  3. por último, com o liquidificador desligado, vá polvilhando aos poucos o pó Royal por cima e apenas dê algumas pulsadas no liquidificador, para incorporar o fermento à massa.
  4. despeje metade da massa em forma já untada (use creme vegetal para untar – caso vá servir a torta para alguém alérgico à proteína do leite da vaca – seguido da farinha da sua preferência). às vezes eu uso forma retangular comum, dessas de assar bolo, mas também é comum eu assar em refratário de vidro que comporte o mesmo volume. sua escolha.
  5. despeje o recheio já preparado no centro, em direção às bordas, de modo que sobre um espacinho pequeno nas bordas, para a massa “fechar” a torta. você pode espalhar com uma espátula/pão duro/colher, para que ela fique bem distribuída em com uma altura uniforme. deixe sobrar uns dois dedos em relação à borda da forma, para dar espaço pra massa de cima crescer.
  6. despeje o restante da massa que ficou no liquidificador e cubra todo o recheio com ela (se quiser, use a espátula para te ajudar). salpique orégano a gosto. se preferir, salpique queijo ralado. ou não salpique nada mesmo. o importante é o recheio.
  7. leve ao forno médio previamente aquecido pelo tempo que seu olfato mandar e você perceber que a massa ficou dourada. aqui em casa esse tempo pode variar entre 30 e 45 minutos, dependendo do humor do forno. aproveite esse momento pra arrumar a bagunça, deixar a mesa posta, ou acudir a(s) criança(s), caso seja necessário (porque criança adora ficar louca quando estamos cozinhando, especialmente se envolver um forno quente).

sirva assim que a forma estiver fria o suficiente pra ninguém esbarrar o braço e arranjar uma bela queimadura de segundo grau.
aqui em casa rende a quantidade necessária para alimentar bem dois adultos trogloditas e duas crianças pequenas. quase nunca sobra torta pra contar história.

selo matrioska

Related Posts with Thumbnails

3 comments

  1. Oi Luíza, adorei a receita! Só queria dar uma sugestão: seria interessante informar o tamanho da forma/refratário q vc usa, pra gente ter como referência e não sobrar/faltar massa e recheio 🙂
    Adoro seu blog! bjs!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *