05 de junho

um quarto para dois

por luíza diener

photo

moramos em um apartamento de dois quartos. e como fica isso com a chegada do bebê?
simples. o mais velho e o mais novo irão dividir o mesmo quarto. ué.
a logística é que anda meio complicada, visto que o espaço não é muito grande.

não sei se todos sabem, mas sou adepta de algumas coisas montessorianas, quando o assunto é pedagogia e adaptação da casa para os filhos.
e a pedagogia montessori propõe que tudo seja acessível à criança e ao bebê (dentro, claro, do limite de segurança deles).

inclusive é sugerido que os bebês não fiquem em berços, porque as grades impedem a mobilidade da criança de ir e vir pelo quarto, que é para os pequenos, não para os adultos.

pra mim, tudo isso é muito ótimo, porque sinceramente acho que certos quartinhos chegam a beirar o cafona com tantos quadrinhos, prateleiras e ursinhos pela parede, protetores de berço pomposos.

quarto de criança é quarto de criança e ponto final.

imagine agora você no lugar do bebê. aprendendo a rolar, engatinhar, andar. você acorda e está cercado de grades. acessa um brinquedinho que talvez tenha ficado no seu berço. brinca um pouco, olha as coisas ao seu redor. o que será que tem naqueles quadrinhos tão altos? você não consegue distinguir. e quem são aqueles na foto? tá tão longe.. puxa, tem uns bichinhos de pelúcia que parecem legais, mas o que eles fazem naquelas prateleiras? não seriam para eu brincar?

aí você se cansa. tédio. fazer o quê? chamar a mamãe ou o papai, claro. quem sabe se você der um choradinha eles venham até mais rápido.

ou, segunda situação, você acorda. rola da sua cama e vai para o chão. hummm… que tapete macio e gostoso de passar a mão. acho que vou ficar deitado um pouco nele. opa! o que é aquele negócio? tem outro bebê atrás dele? eita, ele faz tudo o que eu faço. até ri pra mim. mamãe disse que o nome disso é espelho.

engatinha um pouco mais e lá está um brinquedo bom de mastigar. olha! também tem um livrinho. deixa eu ver o que está desenhado nele. esses quadros também parecem interessantes, vamos ver. depois de muito tempo, aparece a mamãe. oi, mamãe! tava me divertindo aqui um pouquinho. não precisava se preocupar comigo não.

pois é. essa segunda situação parece muito mais legal, né?
demorei a começar essa história de colchão no chão com o benjamin por puro medo de dar liberdade demais pra ele mas, quando o fiz, não me arrependi. ele ficou muito mais feliz e independente após isso.
e não apenas nosso quarto, mas a casa toda tem partes acessíveis para o pequeno.

para o segundo será ainda mais legal, porque ele terá isso desde novinho.
acredito que, mais que um lugar para dormir e morar, o quarto e a casa são um espaço para o aprendizado.

o berço que era do benjamin foi, na verdade, herança familiar: era do primo mais velho, passou para o benjoca e agora vai foi para o sobrinho do primo. berço nenhum sobrou para contar história. e como desde muito pequeno sua cama resume-se a um simples colchão, achamos que agora era a hora de dar um upgrade.

como iremos fazer caber dois num quarto de nem 5 m²? com o bom e velho beliche.
claro, adaptado para a realidade de um bebê e um menino de quase 3 anos de idade.

tenho a maravilhosa sorte de ter um pai que faz essas coisas pra mim (ele que fez minha cama, mesa e cadeiras de jantar, criados mudos e mais muitas da coisas da casa). ele é o rei da madeira, então sei que o beliche dos netos estará em boas mãos.

o beliche é uma coisa meio engenhosa, que renderá um post à parte, mas por enquanto já adianto que meus filhos terão onde dormir. e estarão seguros. aguardem.

ok. eu sei que já tá hiper mega em cima da hora pra os meninos ainda estarem assim, meio sem quarto, mas estou relax porque já decidimos que os primeiros meses do bebê serão aqui no nosso quarto mesmo, para facilitar a amamentação, as acordadas noturnas e até pra ajudar o benjamin a se adaptar ao choro do bebê, que provavelmente será constante.

ou seja, será uma adaptação gradual.

e se o benjamin ficar enciumado do irmão/irmã dormir no quarto dos pais e ele não?

aí, gente, eu trago ele pra cá também, nem que a gente coloque o colchãozinho dele no chão do quarto. assim, todo mundo fica feliz. e junto.

mas parte da adaptação já começou: semana passada terminamos de pintar o quarto deles. fizemos uma parede de duas cores, pintamos a porta do quarto com tinta de quadro negro, para o benjoca poder desenhar com giz branco.
ele amou! disse que o quarto dele e do irmão/irmã está bem mais bonito.
um dia desses me falou: “mamãe, eu estou muito feliz com meu quarto novo!” e no outro disse que uma cor da parede era ele e a outra era o bebê.
diz aí se não é um barato?!
nem eu esperava uma reação tão legal da parte dele.

sobre definir qual espaço pertence ao mais velho e qual pertence ao mais novo, estou meio relaxada também. não no sentido relapso da palavra, mas no sentido sossegado mesmo.

li diferentes linhas pedagógicas sobre o quarto dividido entre duas crianças.
uns defendem que o espaço de um e outro deve ser bem nítido, para que a criança não se sinta meio deixada de lado.

eu já sou mais adepta da linha socialista de que aqui em casa tudo é de todo mundo.
benjamin come e bebe com copo e talheres da casa. não tem isso de coisa de plástico, só pra criança. e vou te contar: ele cuida muito melhor da louça do que eu que, grávida, já devo ter quebrado uns 3 copos em menos de 1 mês.

claro que, por ele ser criança e nós, adultos, há muita coisa de adulto que ele não tem tanto acesso, como nossas roupas (óbvio), shampoos, cremes, alguns livros e algumas comidas. mas também não deixamos a casa toda a prova de crianças a ponto dele não poder mexer em nada e ficar meio deslocado dentro do próprio espaço. afinal, a nossa morada é de uso comum.

é assim… o hilan fala que eu sou hippie e nem sei disso.
talvez seja mesmo, a depender do conceito de hippie. mas é que prefiro deixar as coisas acontecerem naturalmente, sem grandes imposições e expectativas, a ficar sempre no “meu, meu, meu”, “compra, compra, compra”. a gente empresta aqui, doa acolá e assim as coisas vão se ajeitando.

claro que o caçula terá suas próprias coisas, como roupas minúsculas, fraldas e outros itens que são reservados unicamente a bebês.
ele terá seus próprios brinquedos, mas nada impedirá que o benjamin também faça uso de alguns deles, desde que com cuidado para não sujar ou estragar.

o contrário também é válido. o bebê poderá brincar com os brinquedos do benjamin, mas se ele se opuser a algum predileto, vamos negociar para que aquele seja o brinquedo só dele, desde que não fique ao alcance do pequeno e ele cuide pessoalmente para que isso aconteça.

o benjoca já está ciente de que o bebê vai usar algumas coisas que eram dele, mas a verdade é que nem todas as coisas do benjamin foram dele de primeira mão. pertenceram a um primo ou prima ou mesmo amigo. a ele foram dadas e agora é hora de passar adiante.
o desapego é constantemente trabalhado aqui em casa. desta vez terá um foco maior, com a chegada do bebezinho.

acho que precisa haver um equilíbrio.
nem o mais velho deve achar que de repente perdeu o espaço para um bebê que tomará toda as suas coisas, atenção, colo e brinquedos e nem ele deve ser super protegido e lotado de coisas para compensar a chegada de um pequeno.

o que tem sido trabalhado aqui em casa é que ele ganhará um companheiro.
assim como a mamãe não dorme sozinha – ela tem o papai – logo ele terá um bebê em seu quarto. mesmo que demore um pouco, depois que esse bebê crescer um tanto, eles poderão brincar e, além de um irmão, benjamin ganhará também um amigo.

claro que, falando em teoria, tudo parece ser muito simples.
claro que eu imagino que tudo pode dar muito errado também.
sei que, como mãe, vou errar bastante. não espero acertar em tudo.
mas decidi ouvir minha consciência materna e o jeitão do benjoca para fazer essas adaptações.
a gente vai dançando conforme a música e, assim, torcemos para que tudo se ajeite no fim das coisas.
é. talvez eu seja mesmo um pouco hippie.

Related Posts with Thumbnails

categorias: decoração, educando em casa, estou grávida, publicidade

assine nosso feed ou receba por email


18 Comments »

  1. Nossa Lu, que legal! eu penso exatamente assim… Meu baby agora, não terá quartinho de bebê. ele vai ficar com a cama que era do pai e nos primeiros meses, vamos colocar uma gradezinha especial para não rolar para fora (isso se não rolar a cama compartilhada). Como vc vai fazer com o bebê? Vai deixar só no colchaõzinho? confesso que fiquei curiosa!! 😀
    meu ap tb tem dois quartos e metade do quarto do baby continuará sendo o "escritório"…rs Vamos fazer uns ajustes aqui e acolá, mas nada desses quartos cheios de enfeites, que a criança nem sabe pra que serve…rs
    bjoks
    Carol http://www.meuparasita.com

    Comentário by casoriocountdown — junho 5, 2013 @ 9:54 am

  2. luiza, aqui os 3 dividem quarto (e apesar de eu ter mais um quarto que pode ser usado, ninguém quer dormir sozinho no outro quarto). o pequeno tem o berco, onde os outros 2 nao entram. limite, ne? os mais velhos tem uma bicama, de modo que a cama de cima é da minha segunda filha e a de baixo, do primogenito. foram eles que dividiram assim e eu nao me opus. Como a cama do joaquin fica guardada o dia todo, ele nao tem uma cama propria pra jogar brinquedos, pra guardar suas coisas… ele ja ta com quase 5 anos e, nao sei se por temperamento ou pelo socialismo da casa, ele nao demandou ainda um "lugar meu" pra guardar "minhas coisas". E as criancas nao acordam a noite quando o bebe chora. So se chorar muito. Mas se chorar um pouco e eu ja pegar, ninguem acorda. enfim, sou super a favor de dividir quartos, porqu eu mesma detesto dormir sozinha… 🙂

    Comentário by mari mari — junho 5, 2013 @ 10:22 am

  3. Amos suas postagens! Ainda não sou mãe, nem sei quando serei, mas lendo-as, vou pegando ótimas dicas. Abraço grande e muito boa sorte com o bebê que está vindo!!!

    Comentário by Suélen Almeida — junho 5, 2013 @ 10:26 am

  4. Ah, com apenas 16 semanas de gestação e tanto a aprender, tanto a desapegar. Sonho tanto, quero tanto e de tanto não preciso. O tempo há de ajeitar tudo como deve ser. Esse caminho da simplicidade é legal. Adoro soluções q mostram q a simplicidade pode ser um bom caminho. Bj Luíza, e boa hora!

    Comentário by Giovanna Oliveira — junho 5, 2013 @ 10:28 am

  5. Hippie ou não vc trabalha muito bem esse equilíbrio. Nem tanto ao céu nem a terra. Todos os dois terão seu espaço e desde cedo terão consciência do quão gostoso é compartilhar. Eu e uma de minhas irmãs dormíamos na mesma cama que nossos pais, mas era porque o papaizinho não queria comprar cama pra ninguém rsrs… Daí o jeito foi se juntar mesmo. Se houve desconforto não foi para nós. Minha irmã saiu da cama já tinha uns 7 anos. Depois meu pai porque minha mãe não o aguentou e eu fiquei até os 18 anos com ela rsrs… Hoje todos estão crescidos e felizes… Sem traumas! As coisas pra vocês estão fluindo bem, com naturalidade, pois estão seguindo um caminho seguro, linear… Estamos todos na expectativa pra conhecermos esse novo bebê! Saúde e Bom Parto!

    Comentário by Nilza — junho 5, 2013 @ 10:34 am

  6. Estou mega curiosa pra ver o beliche!!!!!!
    E acho muito legal o teu modo de pensar e administrar tudo isso, Luiza!!
    Vai dar tudo certo!!!!
    🙂

    Comentário by Joana Gabe — junho 5, 2013 @ 11:16 am

  7. O Hilan, pintou o quarto todo com esse micro rolo???? Que dó!!!

    Comentário by tathy — junho 5, 2013 @ 1:29 pm

  8. para partes pequenas o rolinho é bem melhor.

    Comentário by HilanDiener — junho 5, 2013 @ 2:22 pm

  9. Da nada errado nao! Minhas filhas vao dividir o quarto, que so vou "equipar" quando a pequena estiver perto dos 6 meses e se mudar do nosso quarto. Infelizmente meu pai nao eh prendado, entao ainda nao sei o que fazer (nem estou preocupada, afinal, a pequena tem soh um mes, tenho muuuuiiiito tempo pela frente). Laura, a mais velha, vem todo dia pra nossa cama – ela nao demonstra ciumes, mas sim que eh parte da familia e por isso tem que estar onde a familia esta, ou seja, no nosso quarto. Eh uma delicia!

    Comentário by misslazyhasababy — junho 5, 2013 @ 5:20 pm

  10. Adorei adorei adorei!!

    Comentário by Morgana — junho 5, 2013 @ 6:10 pm

  11. eu ainda não comecei a arrumar o quarto do baby que vem por aí, mas mesmo sendo designer de interiores tenho PAVOR da grande maioria dos quartos que eu vejo por aí, nego pira mesmo. gosto muito dessa prática de alterar a escala das coisas para que as crianças as vejam de frente e tenham acesso. não é difícil controlar e garantir a segurança. a única coisa que eu não consigo muito relaxar é com a necessidade do berço. eu acho que berço serve até a criança aprender a andar. aprendeu, já deu. mas pro bebê… aqui eu tenho 2 cachorros além de tudo e prefiro preservar a caminha do bebê (porque na minha eles têm livre acesso). de resto eu faria tudo igual! dividir quarto é uma ótima experiência de convivência, dividi quarto com a minha irmã a vida toda e foi muito bom pra nós. e desapego é algo que a gente tem que praticar todos os dias, né? mas tb não adianta falar que a criança tem que dar o brinquedo se a mãe tem 120 sapatos e vive comprando coisas o tempo todo! isso é um hábito que eu também pratico com as minhas coisas e pretendo muito acostumar minha filha a passar pra frente desde cedo. tudo isso é desejo, tomara que eu consiga colocar em prática, grávida é cheia das teorias, né?! beijos, luiza!

    Comentário by Rach — junho 5, 2013 @ 7:47 pm

  12. Tenho um bebê de 1 ano e 10 meses e gêmeos que acabaram de completar 6 meses! Fácil? Não, muito difícil e muitas vezes nada prazeroso mas quando eles abrem o sorriso banguela ou o mais velho solta suas frases geniais…tudo valhe a pena. Por enquanto os gêmeos dormem em um quarto separado mas daqui um tempo todos ficarão juntos. Minha casa também segue a linha montessori e tem dado certo. Feliz final de gestação. Me identifiquei inúmeras vezes com seus posts mesmo nunca tendo dado o ar da graça.

    Comentário by Rvv — junho 5, 2013 @ 9:42 pm

  13. O berçoliche está quase pronto. Fique tranquila!

    Quem sabe lanço uma nova grife: Aristeu Junior, dedicada à linha infantil? Furo em primeira mão para Potencial Gestante.

    Falta de campo de teste não é, a começar da Tia Alice que, finalmente, terá um(a) sobrinho(a) mais novo(a).

    Beijos,

    Daddy

    Comentário by Aristeu Pires — junho 12, 2013 @ 8:33 am

  14. Luiza, mostra o beliche para a gente???

    Comentário by Fernanda — setembro 29, 2013 @ 12:00 am

  15. Oh Luiza, mostra o beliche aí, em detalhes é que meu marido tbm gosta de marcenaria. e ak em casa o espaço tbm é pouco e tenho dois meninos. quem sabe posso pegar uma idéia com o seu beliche? Valeu.

    Comentário by Yara — outubro 7, 2013 @ 2:51 pm

  16. cadê as fotos do berçoliche??queremos ver!! :)))

    Comentário by Mari — outubro 24, 2013 @ 7:54 am

  17. Adorei!!Tenho um filho que vai fazer um ano amanhã e eu já tentei várias vezes acostumar ele no colchão no chão mas se distrai muito vendo as cores da parede, os brinquedos e acaba não dormindo. Ai volta pro berço desmontável..Em breve penso em ter outro filho mas como o quarto já é dividido com o escritório (não caberia outro berço nem minha mente contra desperdícios iria querer comprar outro…) e ele ainda não dorme no colchão, não sei o que faria pros dois caberem lá…Você tem algum post com o quarto depois de pronto??

    Comentário by Aline — julho 9, 2014 @ 10:15 am

  18. Belo post.

    Comentário by ketina — setembro 18, 2014 @ 12:47 pm

RSS feed for comments on this post.
TrackBack URL

Leave a comment

*